Gente

Após xingar Milton Neves em rádio, Datena é suspenso por dois dias

Programa Brasil Urgente será apresentado por Lucas Martins até terça (26)

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

datenamilton
José Luiz Datena e Milton Neves: briga ao vivo no rádio (Foto: Reprodução)

O apresentador José Luiz Datena foi suspenso pela Rede Bandeirantes após invadir o estúdio da rádio na manhã de domingo (24) para brigar com o também apresentador Milton Neves. Com isso, ele não comandará o programa Brasil Urgente nesta segunda (25) e na terça (26). Lucas Martins ficará em seu lugar. Por meio de sua assessoria, a Bandeirantes afirmou que não vai comentar o caso.

+ Aos gritos, Datena invade estúdio de Milton Neves ao vivo

Em seu programa de rádio, Milton Neves falava com o ex-jogador Neto sobre José Hidalgo Neto, que foi astro do Coritiba nos anos 60 e 70 e hoje atua como comentarista no Paraná.

Foi quando Neves decidiu contar uma história. "Sabe quem morou na casa do Hidalgo em Curitiba, que estava desempregado na vida?". "O Datena", respondeu Neto. "José Luiz Datena", confirmou Neves, que seguiu: "Morou na casa do Hidalgo, filou boia lá e até hoje ele é grato. O Datena agradece o Hidalgo até hoje".

Após alguns outros comentários, Milton Neves se dirigiu diretamente ao colega da Band: "Eu... - Viu, Datena? - Eu trabalhei no rádio esportivo de lá e eu morei numa pensão, que eu vou dizer uma coisa pra você... E você morava com o Hidalgo e estava muito bem acomodado. (...) Foi uma tristeza na minha vida. Lá em Curitiba, ao contrário de você, eu passei fome e passei frio. E o Hidalgo tem o maior orgulho de ter sido seu companheiro na cidade."

+ Milton Neves diz no Twitter que Marcelo Rezende “chicoteia repórteres e produtores no ar”

Ele terminou o comentário dizendo que Datena é uma "grande estrela" e que lhe enviaria um vinho. É quando surge a voz de Datena no estúdio gritando "Que m... é essa? Que m... é essa?". Em seguida, ele faz outros xingamentos. Milton pede, às pressas: "Segue aí". E entra o áudio da vinheta do programa.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO