Política

Danny Glover se manifesta contra a regulamentação da terceirização

Ator norte-americano participou em São Paulo de evento promovido por central sindical

Por: Veja São Paulo

Danny Glover
Em evento da CUT, ator segurou placa contra o projeto de lei 4330 (Foto: Divulgação/CUT)

O ator Danny Glover se manifestou contra o projeto de lei 4 330, que regulariza a terceirização. Ativista dos direitos humanos, o norte-americano participou de um evento promovido pela Central Única dos Trabalhadores em São Paulo nesta terça (14).

+ Jair Bolsonaro terá de pagar 150 000 reais por declarações homofóbicas

A votação dos destaques que podem mudar o texto-base base do projeto foi suspensa pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nesta noite. O tema gerou polêmica no plenário após a apresentação de 34 destaques - 27 de partidos e sete individuais - alterando diversos pontos. A votação será retomada a partir das 14h desta quarta (15).

A principal polêmica envolveu a retirada do texto-base, aprovado na semana passada, do artigo que permitia às empresas públicas e de economia mista - como Banco do Brasil, Caixa e Petrobras - se enquadrarem nas regras do projeto que pode autorizar a terceirização tanto para a atividade-fim quanto para a atividade-meio. Ou seja, no caso da Petrobras, por exemplo, a companhia poderia terceirizar a exploração de petróleo (atividade-fim) e não apenas serviços associados, como exploração geológica (atividade-meio).

+ "Ele sabia que sentaria ao meu lado", diz Jean Wyllys sobre Bolsonaro

Sindicatos

O presidente CUT, Vagner Freitas, afirmou nesta terça (14) que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, recuará do projeto da terceirização após a "porrada que vai tomar" das manifestações de rua programadas para acontecer nesta quarta (15). 

+ Confira as principais notícias da cidade

O texto base do projeto foi aprovado na Câmara na semana passada e os destaques estão sendo apreciados nesta semana. O presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tem acelerado a tramitação do projeto. (Com Estadão Conteúdo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO