Cinema

Daniel Radcliffe dá adeus a Harry Potter em "A Mulher de Preto"

De barba e costeletas, ator encarna um advogado viúvo no início do século XX

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

A Mulher de Preto-2257
O astro inglês: investigação sobre a morte de crianças (Foto: Divulgação)

Por uma década (2001-2011), Daniel Radcliffe ficou preso ao papel do bruxo Harry Potter. A única vez em que saiu do personagem, interpretado nos oito longas-metragens da cinessérie, foi no fraco drama “Um Verão para Toda Vida”, de 2007, quando já se portava como um pós-adolescente. O suspense de terror A Mulher de Preto apresenta, finalmente, seu momento da virada. Aos 22 anos, o ator inglês amadureceu e fez uma escolha acertada para mudar de tipo e, pelo menos por enquanto, dar adeus à fantasia e aos enredos infantojuvenis.

+ Oscar 2012: os indicados que já estão em cartaz na cidade

+ Os melhores filmes em cartaz; salas e horários

Radcliffe, adulto e de novo visual (com costeletas e barba por fazer), vive Arthur Kipps, advogado viúvo e pai de um garotinho na Londres do início do século XX. Sua mulher morreu no parto e ele tem adoração pelo menino. Fica, portanto, desgostoso por deixar o filho para resolver pendências de um testamento num remoto vilarejo do litoral. Lá, depara com uma recepção nada hospitaleira. Os moradores não gostam do estranho e insistem para que ele parta logo dali. Relutante em abandonar o serviço, ele vai até a mansão onde morava a viúva que perdeu um filho em circunstâncias misteriosas — o corpo dele nunca foi encontrado. Outros casos de morte de crianças chegam aos ouvidos de Arthur. Durante as investigações sobre o passado dos donos do casarão, ele começa a ver vultos de uma mulher de preto. Seria algo real, uma ilusão ou um fantasma à espreita?

+ Especial Harry Potter

Produzido pela Hammer, “A Mulher de Preto” tem atrativos para reviver o boom da lendária produtora britânica de fitas de terror nas décadas de 50 e 60. Mesmo feito de sustos raros, o filme traz um bom clima de tensão e ambiência funérea. O desfecho também surpreende, embora a derradeira imagem aponte para algo espírita brega. E Radcliffe funciona? Empenhado e maduro, deixou, sim, Harry Potter para trás. Só o tempo dirá se ainda fará sucesso daqui em diante.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO