Crianças

Cursos yoga, shantala e natação para mães e bebês

Veja roteiro com atividades pagas e gratuitas lúdicas para serem praticadas entre mães e filhos

Por: Uiara Araújo - Atualizado em

Cursos do Gama

+G106:K116 de uma escolinha, o Projeto Sementinha, que traz uma proposta pedagógica diferenciada e inicia as crianças a partir de um ano e meio no convívio social. “A Bruna fez aula de movimento desde os primeiros meses.”, conta a modelo Camila Espinosa. “Agora, aos 11 meses, ela freqüenta o curso de música. É uma farra, ela adora!”

Movimento: o curso é para os filhos, mas os pais também participam. Indicado para bebês a partir de 3 meses, estimula flexibilidade, é bom para a postura e contribui para o desenvolvimento. É divido em seis estágios. As atividades mudam de acordo com o tamanho da criança.

Música: recomendado para crianças de 9 meses a 5 anos, o curso de música trabalha ritmo, movimento e canto. Os alunos entram em contato com instrumentos musicais e desenvolvem a sensibilidade e a percepção auditiva, tudo isso em forma de uma grande brincadeira.

Arte: os pequerruchos acima de um ano já podem participar. Ao ar livre, pais e filhos exploram materiais e texturas. A atividade estimula a percepção tátil e visual e o desenvolve a coordenação motora.

Natação

As duas unidades da academia Reebok Sports Club oferecem o curso de natação para crianças a partir de 6 meses a 3 anos. Com duração de 45 minutos, as mães e pais auxiliam o pequeno na água. A aula melhora a coordenação motora, desenvolve noção de espaço, aumenta a resistência cardio-respiratória e muscular, além de tranqüilizar o sono e previnir doenças respiratórias.

Etiqueta

Em público, não esqueça a fraldinha para cobrir o seio na hora de amamentar

Quando for amamentar, sobretudo em ambientes públicos, discrição é tudo. Não esqueça a fraldinha ou algum outro tecido para cobrir o seio. Usar roupas que facilitam a tarefa também é fundamental.

Se o bebê começar a chorar, é melhor afastar-se com ele.

Nem todo mundo gosta de bebê. Caso tenha que pedir ajuda para segurá-los, escolha alguém que não se importe com choro ou babinha, por exemplo.

Mamães de pequeninos se acostumam tanto com o cheiro de fralda suja que nem percebem o odor depois de um tempo. Lembre-se “dos outros”. Quando trocar a fralda, embrulhe num saco plástico e deposite na lixeira mais isolada. Na cozinha, por exemplo, nem pensar.

Sempre arrume o que seu filho desarrumar. Em visitas, por exemplo, mesmo que um anfitrião tenha oferecido brinquedinhos, recolha tudo antes de ir embora.

Os carrinhos são grandes trambolhos que atrapalham a movimentação das pessoas. Use carregadores como os slings ou cangurus.

Fonte: VEJA SÃO PAULO