Crime

Cunhada de Ana Hickmann é transferida para o Hospital Sírio-Libanês

Giovana Oliveira levou dois tiros durante ataque contra a apresentadora; ela estava internada no Hospital Biocor, em Minas Gerais

Por: Veja São Paulo

Gustavo Corrêa e Giovana Oliveira: parceria profissional com a cunha, Ana Hickmann
Gustavo Corrêa e Giovana Oliveira: parceria profissional com a cunhada, Ana Hickmann (Foto: Reprodução/Instagram)

A cunhada e assessora da apresentadora Ana Hickmann, Giovana Oliveira, foi transferida para o Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, nesta quarta-feira (25).  Ela estava internada no Hospital Biocor, em Minas Gerais. Giovana foi vítima de um atentado contra a apresentadora no último sábado (20). Ela levou dois tiros de Rodrigo Augusto de Pádua, de 30 anos, um no braço e outro no abdômen.

+ Ana Hickmann se emociona ao relembrar atentado

Em postagem no Instagram de Giovana, o seu marido, Gustavo Corrêa, agradeceu aos médicos envolvidos no tratamento da mulher na instituição mineira. Na segunda-feira (23), ele disse que o estado era estável e que ela não se queixava de dores.

+ Cunhado de Ana Hickmann revela detalhes sobre o atentado

“Caros amigos: como não consigo responder a todos envio por aqui novamente. A situação da Gi é estável, ela conversa normalmente e não se queixa de dores. A situação exige cuidado pois foram vários ferimentos sérios. Não há o que fazer a não ser aguardar, mas ela vem progredindo. Agradeço a preocupação e orações de todos", escreveu Corrêa. 

+ Ataque contra Ana Hickmann foi premeditado, diz polícia

SOBRE O CASO

Rodrigo Augusto de Pádua, de 30 anos, era fã de Ana Hickmann e foi baleado por Gustavo após invadir o Hotel Caesar Business, em Belo Horizonte. A apresentadora estava hospedada no local na companhia da cunhada, que foi baleada e segue internada, e de Gustavo, irmão de seu marido. 

Gustavo salvou a mulher, Giovana, e Ana do ataque. Segundo a polícia, ele lutou com Rodrigo e acabou matando o fã de 30 anos. "Graças a Deus já está tudo bem", disse ele a VEJA SÃO PAULO, por telefone. "Minha mulher está fora de perigo e eu não me machuquei." Para saber mais sobre o caso, clique aqui.

Fonte: VEJA SÃO PAULO