Política

Cunha aceita pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff

Presidente da Câmara acata argumentos apresentados pelos juristas Hélico Bicudo e Miguel Reale. Próximo passo é a criação de comissão para análise do pedido

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Eduardo Cunha
Cunha: abertura de impeachment de Dilma (Foto: FramePhoto/Folhapress)

A crise política do atual governo Dilma Rousseff parece ter atingido seu ápice. Eduardo Cunha, presidente da Câmara, autorizou nesta quarta (2) a abertura do processo de impeachment da presidente. O anuncio ocorreu no começo da noite desta quarta (2), durante sessão no plenário. 

+ Quatro casos de microcefalia em SP podem ter relação com vírus zika

Cunha afirmou que, dos sete pedidos de afastamento que ainda estavam aguardando por sua análise, deu andamento ao requerimento formulado por Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal, em 21 de outubro, endossado por partidos de oposição. O lider peemedebista anunciou que vai criar uma comissão especial que analisará o processo de impeachment.

Bicudo, um dos fundadores do PT, incluiu no processo as “pedaladas fiscais” do governo em 2015, como é chamada a manobra para atrasar repasses a bancos públicos a fim de cumprir as metas parciais da previsão orçamentária.

A decisão se dá justamente no dia em que a bancada do PT resolveu votar pela continuidade das investigações contra Cunha no Conselho de Ética.

Pressionada pela militância, a bancada acabou por ir contra os interesses do Palácio do Planalto, que trabalhava para poupar o peemedebista do processo de cassação - ao negar a Cunha os três votos que o salvariam no colegiado, a legenda acabou por selar também o destino de Dilma.

A autorização de Cunha é apenas o primeiro passo para o processo de impeachment. Agora, deve ser criada uma comissão composta por representantes de todas as bancadas da Câmara para emitir um parecer favorável ou contrário à continuidade da ação e será aberto prazo para a presidente apresentar sua defesa. O processo ainda precisa ser colocado em votação pelo presidente da Câmara e aceito por pelo menos dois terços dos deputados - ou seja, 342 congressistas.

Entenda o passo a passo até o impeachment

-Eduardo Cunha, presidente da Câmara, decide acolher as denúncias pelo crime de responsabilidade da presidente Dilma Roussef

-Após a decisão de Cunha, é instalada uma comissão especial para analisar o pedido, com deputados de todos os partidos, sempre em número proporcional ao tamanho da bancada de cada legenda

-Instalada a comissão, Dilma Roussef é notificada e terá como prazo para se manifestar dez sessões do plenário

-Após a manifestação da defesa, a comissão tem cinco sessões para votar o relatório final, com parecer a favor ou contra a abertura do impeachment

-48 horas após a publicação, o parecer é incluído na ordem do dia da sessão seguinte do plenário

-Já no plenário, o processo de impeachment será aberto se dois terços dos deputados votarem a favor, ou seja, 342 dos 513 deputados

-Aberto o processo de impeachment, Dilma Roussef é obrigada a se afastar por até 180 dias e o processo segue para julgamento no Senado

-Já no Senado, a sessão que decidirá sobre o impeachment é presidida pelo ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). O impeachment só será aprovado se 54, dos 81 senadores, votarem a favor

-Caso seja absolvida pelo Senado, Dilma Roussef reassume seu mandato imediatamente. Se for condenada, é automaticamente destituída e o vice-presidente é empossado. No caso, Michel Temer, do PMDB

Fonte: VEJA SÃO PAULO