Cidade

Todos os lances do Mundial

Do sexo à política, a Copa do Mundo na perspectiva de craques da capital que atuam nas mais variadas posições

Por: Redação VEJA SÃO PAULO

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Neymar Ilustração Nik Neves
Será que a seleção está dependente de Neymar? (Foto: Ilustração Nik Neves)

Os lucros (e prejuízos) com o evento, as manifestações das ruas, o sexo na concentração, o stress das grandes decisões no organismo de atletas e torcedores, a receita para vencer e a Neymar-dependência — esses e outros temas abordados por 21 craques da cidade em suas respectivas áreas de especialidade.

 

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Washington Olivetto
Washington Olivetto, publicitário (Foto: Divulgação)

FAZER BOA PROPAGANDA DE SÃO PAULO É FÁCIL. BASTA MELHORAR O PRODUTO – Washington Olivetto, Publicitário

Se nos próximos trinta dias ninguém buzinar no trânsito, todo mundo jogar o lixo no lixo, todos os motoristas respeitarem as faixas de pedestres, os homens, as mulheres e as crianças desligarem celulares e games nos cinemas, teatros e restaurantes, os ciclistas usarem as ciclovias em vez de circularem no meio dos carros, ninguém incendiar nenhum ônibus nem depredar nenhum monumento, todos os senhores e senhoras recolherem os cocôs dos seus cachorros nas ruas, ninguém estacionar em fila dupla nem furar nenhuma fila, todo mundo beber com moderação, ninguém explorar nem roubar ninguém, nenhum motorista jogar o carro, ônibus ou caminhão em cima de nenhum motoqueiro, nenhum motoqueiro chutar nenhum retrovisor, ninguém fumar em lugar fechado, ninguém desperdiçar luz ou água, muita gente ceder o lugar no ônibus ou no metrô para as senhoras e para os mais velhos e todo mundo se lembrar de dizer obrigado de vez em quando... Se nos próximos trinta dias acontecer tudo isso, vai haver uma porção de americano, alemão, argelino, argentino, australiano, belga, bósnio, camaronês, chileno, colombiano, coreano, costa-riquenho, marfinense, croata, equatoriano, espanhol, francês, ganês, grego, holandês, hondurenho, inglês, iraniano, italiano, japonês, mexicano, nigeriano, português, russo, suíço e uruguaio querendo vir morar em São Paulo. Ou, no mínimo, falando bem da nossa cidade para o resto da vida.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Mauro Beting
Mauro Beting, jornalista (Foto: Divulgação)

NEYMAR MAIOR QUE PELÉ – Mauro Beting, Jornalista

O ET Pelé tinha 17 anos quando ganhou o mundo, em 1958. Mas ele tinha ao lado Didi, eleito o melhor jogador da Copa na Suécia. O Rei do Futebol tinha Garrincha para driblar a lógica pela direita, além da bagagem cultural da Enciclopédia Nilton Santos na defesa. Pelé teve toda essa turma ao lado aos 21 anos, quando foi bicampeão mundial, em 1962. Em nenhuma outra Copa um campeão teve um protagonista com a idade de Neymar (22 anos). Antes dele, o mais jovem foi o argentino Kempes, campeão em 1978, com apenas 23 anos. Maradona tinha 25 quando ganhou quase sozinho a Copa de 1986. Messi fará 27 durante o Mundial. Neymar pode conquistar o título se ele for Neymar. É o único que pode desequilibrar o jogo para o dono da casa, não necessariamente da festa. Como Pelé, ele não joga sozinho. Mas o Rei teve em 1958, 1962 e 1970 alguns craques que não temos em 2014. Neymar pode superar Pelé.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Padre Marcelo Rossi
Marcelo Rossi, padre (Foto: Divulgação)

DEUS E A ZAGA VÃO NOS PROTEGER – Marcelo Rossi, Padre

Gosto de futebol desde a infância e tenho guardado na memória todos os jogos da Copa de 82. Na hora em que o Falcão marcou o gol que fez o Brasil empatar com a Itália por 2 a 2 no famoso jogo do Sarriá, meu pai quebrou o lustre da sala ao pular durante a comemoração. Logo depois, infelizmente, o italiano Paolo Rossi marcou seu terceiro gol e acabamos eliminados. O pior é que o nosso carrasco tinha o meu sobrenome. Meu grande desejo neste Mundial aqui no Brasil é poder enfrentar a Argentina na final. O papa Francisco é argentino e também gosta de futebol. Sempre que uma partida se inicia, rezo para que os 22 atletas não se machuquem. Deus é Deus e não vai se meter no resultado, mas Ele pode fazer um jogador render mais. E eu peço para que Neymar faça o seu melhor. Temos também a melhor defesa do mundo, a mais celebrada e cara do futebol mundial. Estamos protegidos.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Flavio Rocha Riachuelo
Flavio Rocha, presidente da Riachuelo (Foto: Divulgação)

A MODA ESTÁ NOS CAMPOS – Flavio Rocha, presidente da Riachuelo

O Brasil tem batido um bolão na moda. Curiosamente, até arrisco dizer que o futebol se elitizou em alguma medida, enquanto a moda se popularizou com muita elegância. E eu não consigo ver melhor momento para mostrar ao mundo que a alegria que sempre caracterizou o nosso futebol contaminou a moda. Nossas vitrines estão nas ruas e nos shoppings, exibindo ao mundo as cores de nossa modernidade, de nossa até singela sofisticação e de nosso otimismo. Vencemos preconceitos, vencemos a síndrome de vira-lata e estamos muito perto de ser campeões.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Val Marchiori
Val Marchiori, socialite e apresentadora (Foto: Divulgação)

 

OURO, CHAMPA E PIPOCA – Val Marchiori, socialite e apresentadora

Hello! Copa por aqui? A princípio achei um absurdo, onde já se viu? O brasileiro é um povo sofrido, deveríamos ter usado esse dinheiro em benefício do nosso país, principalmente na saúde. Mas acho que a Seleção Canarinho não deve pagar o pato pela nossa insatisfação com o governo. O Felipão e sua turma de craques (só não me perguntem o nome dos jogadores...) merecem nosso voto de confiança. Somos referência no futebol. Além disso, devemos receber muito bem os nossos convidados estrangeiros, com a mesma simpatia com que recebemos visitas em nossa casa. Não é todo dia que estamos cercados de italianos, suecos e americanos pelas ruas da cidade. Merecemos essa alegria. Eu estava um pouco morna com relação à Copa, mas estive recentemente em um evento no Rio e pude sentir toda a energia que já está rolando por lá. Então, hello!, vamos combinar que, quando a gente ouve o Hino Nacional, não dá para ficar neutro. Já estou com minhas esmeraldas e muito ouro (kkkk...) para torcer. Vou vibrar muito com uma boa flûte de champa na mão. Lá em casa, eu, o maridão e as crianças estamos bem preparados. A pipoca e as bebidinhas já estão reservadas. É tempo de festejar e deixar a casa verde-amarela. Vou torcer e depois, na urna, pretendo mostrar o desagrado com os governantes. Meus filhos, que já estão com os álbuns de figurinhas da Copa completos, vão me ensinar o nome de alguns jogadores. Vamos, Brasil, adoro festa. Rumo ao hexa!!!

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Alex Atala
Alex Atala, chef de cozinha e dono de restaurante (Foto: Divulgação)

NA COZINHA DA ÁREA – Alex Atala, chef de cozinha e dono de restaurante

Como todos, tenho orgulho da nossa seleção, desses garotos de ouro. Como cozinheiro, tenho orgulho de ser brasileiro, dos nossos ingredientes, da nossa cozinha, dos nossos chefs. O Brasil é o único país do mundo com uma legião de jovens profissionais nessa área, que são e serão embaixadores desta marca Brasil e precisam ser apoiados! Gastronomia também é cultura e tem um potencial infinito. Mas temos de fazer uma lição de casa: a cozinha brasileira passará a existir quando ela não for dos chefs e, sim, do povo. Assim acontece no mundo da bola, com o campo, as partidas em cada várzea, a paixão das arquibancadas. O futebol é capaz de nos unir para jogar, torcer, vibrar. Mas a maior rede social do mundo é o alimento. Por meio dele podemos conquistar uma grande mudança social, ambiental e cultural.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Celso Kamura
Celso Kamura, cabeleireiro (Foto: Divulgação)

OS CLÁSSICOS DO TOPETE – Celso Kamura, cabeleireiro

O time brasileiro é eclético, tem muita personalidade e reflete a diversidade do nosso país. O Neymar virou um ícone mundial e tem seu visual copiado por milhares de fãs. Ele popularizou tinturas, chapinha e moicanos, acabando com a visão machista de que homem não pode ousar. Ele colore, depois não gosta, corta, alisa, muda de novo... Em alguns outros jogadores vejo uma influência grande dos anos 70, como o zagueiro David Luiz com seu estilo black power. O Cristiano Ronaldo é metrossexual demais. Tem uma sobrancelha muito desenhada e acho que se fosse mais natural ficaria melhor. Os asiáticos adoram colorir o cabelo e os africanos investem nas tranças. A verdade é que antigamente não tínhamos tantos jogadores com essa preocupação. Depois do Ronaldo Fenômeno veio uma leva de craques buscando um visual próprio. Os meninos do futebol atual se importam com a aparência, pois sabem que serão vistos, admirados e copiados.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Dan Stulbach
Dan Stulbach, ator (Foto: Divulgação)

SOMOS (QUASE) PADRÃO FIFA – Dan Stulbach, ator

A cidade que os estrangeiros vão encontrar será a mesma de sempre. Nada mudou, somos os mesmos. Caóticos misturados, estressados apaixonados...Trânsito não é mais nossa exclusividade. Mas exportamos know-how de corredor. Que devia correr, mas não anda. É o andador. Só não pode carro, que por aqui devia pagar IPTU. Mas ainda somos a cidade do teatro, do bom teatro, do teatro para todo gosto. Ainda somos a cidade que come bem, que anda mais cara que antes, mas com cantinhos e chefs que ninguém tem. Na verdade, a gente é melhor na noite do que no dia. Coisa de quem trabalha. E claro que tem pilantra também. E como tem. Brother, saiba que a nossa cidade não vai te abraçar de cara. Porque não somos bons nisso. E porque estamos tensos. São Paulo é melhor com um amigo ao lado. Se puder, arranje um. É no encontro, na diversão, no abraço com alguém daqui que somos melhores.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Leonardo Tristão
Leonardo Tristão, diretor do Facebook Brasil (Foto: Divulgação)

A COMPETIÇÃO DAS SELFIES – Leonardo Tristão, diretor do Facebook Brasil

A selfie tem tudo para ser uma das grandes estrelas da Copa. Futebol é momento, emoção instantânea. Não há forma mais expressiva de traduzir o valor daquele acontecimento do que nesses autorretratos. Entre os atletas, essas imagens já se mostram como uma das principais formas de iniciar uma conversa pessoal com os fãs, compartilhando o clima de bastidores dos treinos, e mesmo buscando apoio para o jogo. Elas têm um poder de comunicação incomparável que humaniza a figura do ídolo. O Neymar, por exemplo, tem mais de 5 milhões de seguidores no Instagram. Assim como ele, outros vários jogadores mostrarão os bastidores do Mundial e os momentos raros que estão vivendo a seus fãs espalhados pelo mundo. Além dos atletas, as selfies devem ganhar corpo entre os milhões de fãs de futebol pelo mundo, que terão junto a si os smartphones e aparelhos com câmeras capazes de retratar momentos de vibração que serão únicos em suas vidas.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Facundo Guerra
Facundo Guerra, empresário da noite (Foto: Divulgação)

PARA QUEM NÃO TEM INGRESSO – Facundo Guerra, empresário da noite

Mutante e abrigo de lindos loucos, São Paulo precisa de um guia para ser desbravada por completo por aqueles que virão curtir a Copa fora dos estádios. A cidade só revela toda a sua potência à noite. São tantas opções, em espaços públicos e fechados, que a maior dica que eu poderia dar ao visitante é que procure um paulistano para chamar de seu. A metrópole é um paradoxo: feita por estrangeiros, mas não para estrangeiros. Estes, quando aqui chegam, sofrem com a desorientação. Sem horizonte, cartões-postais ou facilidade de fluxo, acabam se perdendo. Daí que não foi feita para o turista, mas para o viajante. Secretamente, temos orgulho e nos deslumbramos com aqueles que ainda insistem em vir para cá. Porque o maior segredo daqui somos nós, os paulistanos. Todos somos estrangeiros nesta terra.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Manoel Beato
Manoel Beato, sommelier (Foto: Divulgação)

 

CERVEJA, A PARCEIRA IDEAL – Manoel Beato, sommelier

Argumentos, ponderações e justificativas não são poucos para quem degusta e gosta de erguer a taça. Há os que preferem a delicadeza do bourgogne à robusteza do bordeaux. Entre os amantes da efervescência, foi-se o tempo em que se discutia o perlage (borbulhas) do champagne. Hoje o assunto gira em torno da diversidade e das características das cervejas artesanais, das virtudes ou exageros no amargor de um estilo, assim como dos paralelos entre estilos: english pale ale ou india pale ale? Nesses tempos de Copa, sempre com um copo na mão, surgem abrasantes discussões. Maradona ou Messi? O estilo plástico ou o pragmático? O fato é que somos fanáticos e, assim, discutimos sempre com fervor, em relação tanto às boas bebidas quanto ao inebriante futebol. Fanáticos são muito sentimentais e um tanto insensatos. Desconsideram o imprevisível. Uma safra fraca, uma garrafa malcuidada, a destreza do adversário, ainda que o mundo seja sempre a tal caixinha de surpresas. O fanático é um sujeito superconfiante. E perseguidor do seu prazer. O que vale é um belo gole, ou um belo gol. E que seja, de preferência, a nosso favor.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Felipe Andreoli
Felipe Andreoli, repórter do CQC (Foto: Divulgação)

TORNEIO TRAGICÔMICO – Felipe Andreoli, repórter do CQC

Para gargalhar de felicidade nesta Copa, só mesmo com os olés dos nossos jogadores em cima dos adversários. Porque, de resto, é tragicomédia. Eu ri muito quando a presidente Dilma Rousseff discursou em rede nacional na terça (10) dizendo que modernizou os aeroportos e os sistemas de transporte. Naquela mesma tarde, peguei a ponte aérea no Aeroporto Santos Dumont, no Rio, e a atendente levou meia hora para fazer o check-in, quase perdi o voo. No início, fiquei mal-humorado, mas depois caí na gargalhada. Ela não sabia mexer no computador, colocar as etiquetas nas malas, marcar assento. Parecia piada. Acredito que a Copa no Brasil vai ter trapalhadas parecidas com as da África do Sul. Lá, também era meio confuso: obras finalizadas em cima da hora, furto de equipamentos, voluntários desorientados, placas de trânsito amalucadas. Depois da cerimônia de abertura, nosso motorista se perdeu na volta ao hotel e fomos parar em uma espécie de favela. Ficamos presos no meio de uma multidão que tomou as ruas. Éramos chacoalhados dentro do carro. Foi complicado entender que aquilo era uma comemoração, e não uma manifestação. Não duvido que algum turista estrangeiro viva essa mesma cena no Brasil. Nossos atletas são muito bons, talentosos. Mas a infraestrutura do nosso país é uma palhaçada. 

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - José Arthur Giannotti
José Arthur Giannotti, sociólogo da USP (Foto: Divulgação)

A COPA FORA DO CAMPO – José Arthur Giannotti, sociólogo da USP

Um Brasil poderoso e vitorioso no esporte. E outro Brasil de uma população pobre que demanda mais consumo. Nesse campo em que duas realidades opostas e concomitantes se enfrentam, um resultado se mostra certeiro: a Copa do Mundo no nosso país será quente, bem mais passional do que nos últimos anos. Isso ocorre porque estamos no fim de um ciclo econômico e político iniciado a partir da era Collor, em que o desenvolvimento tem se baseado no reforço da demanda sem preparar a oferta correspondente. Com o passar dos anos, os brasileiros perceberam que não adianta comprar a televisão de LED, o carro do ano, se não conseguem se locomover na cidade ou ter um atendimento digno em hospitais ou uma educação decente para os filhos na escola pública. A inflação começa a corroer os salários. E o povo tomou as ruas desde o ano passado para protestar. Nesse cenário, as despesas com os estádios padrão Fifa aparecem como monstruosidades. Embora a Copa do Mundo não seja um símbolo do consumo, um ingresso para assistir às partidas nos recém-inaugurados templos do futebol torna-se um objeto de desejo que, pelo preço, muito poucos poderão adquirir. Entre o grito do torcedor e os brados dos manifestantes, a seleção brasileira vai definir qual vai soar mais alto. Se nossa seleção erguer a taça, as faixas que pedem saúde, educação, transporte, enfim, serviços públicos dignos, vão se abaixar temporariamente. Não sou um derrotista, quero que o Brasil ganhe a Copa. Mesmo porque estamos no fim de uma era, e o legado de seus problemas voltará à tona e precisará ser solucionado. Trata-se de uma “partida final” que pode ser adiada, mas é inevitável.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Nasi Ira!
Nasi, vocalista do Ira! (Foto: Divulgação)

DRIBLES E ACORDES – Nasi, vocalista do Ira!

No documentário Simonal — Ninguém Sabe o Duro que Dei (2009), quando fala sobre a amizade com Wilson Simonal, Pelé diz que “todo cantor gostaria de ser jogador e todo jogador gostaria de ser cantor”. É a mais pura verdade. A música, como o futebol, desperta o sonho da conquista individual, de ascensão por meio de um dom natural. É claro que, para cada artista que consegue uma carreira de sucesso, existem milhares que ficam à beira da estrada, no anonimato. No futebol, a mesma coisa. Eu mesmo, ainda garoto, em 1977, participei de uma peneira com alguns amigos no São Paulo Futebol Clube. Queria ser volante. É por causa dessa relação que toda Copa do Mundo tem as suas músicas, oficiais ou não. É uma pena que, mais recentemente, tenham pipocado canções cada vez mais pasteurizadas, que nada têm a ver com a cultura local do país-sede. Ninguém merece esse rapper Pitbull! Só que isso não importa. A seleção brasileira sempre tem um samba na ponta da língua para embalar o campeonato. É natural, e é assim que deve ser.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Vampeta
Vampeta, ex-jogador e presidente do Audax (Foto: Divulgação)

SEXO? SÓ COM A TAÇA NA MÃO – Vampeta, ex-jogador e presidente do Audax

Tenho este jeito alegre, descontraído, já posei nu (na revista G Magazine, em 1999), mas, ao contrário do que parece, sou contra o sexo antes de grandes torneios. Só com a taça na mão, depois de ganhar o campeonato. Sempre pude pegar mulher durante minhas folgas, por que iria me preocupar com sexo logo numa Copa, que ocorre a cada quatro anos, uma baita responsabilidade e honra para o jogador? Não. A concentração faz bem ao atleta. Quando morei na Holanda (entre 1994 e 1998, jogando no PSV Eindhoven), eu passava as noites com minha namorada e, na manhã seguinte, tinha de jogar. Percebi que meu rendimento era afetado. Fiquei trinta dias sem sexo na Ásia, na Copa de 2002, quando fomos pentacampeões. E o Felipão nunca proibiu nada. Só era bem enfático ao falar sobre a responsabilidade de representar uma nação. Eu saía sozinho, passava no supermercado, comprava um vinho e tomava assistindo aos jogos na televisão. Matava minha vontade de sexo sozinho, e, mesmo assim, só depois das partidas. Não saía do hotel para passear, e, na hora de ir aos jogos, havia muita segurança. Nunca teve isso de abrir a porta do quarto e dar de cara com uma mulher nua esperando. Quando acabou, pegamos o avião de volta. Aqui, sim, pude celebrar. Aliás, estou celebrando há doze anos. Acho que os atletas brasileiros serão mais assediados nesta Copa. As mulheres falam o mesmo idioma, a tentação será maior. Agora, se o atleta decidir investir nessa área, mas fizer o gol no final, estará tudo certo.”

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Daniel Magnoni
Daniel Magnoni, médico e nutrólogo do HCor (Foto: Divulgação)

DE OLHO NA GORDUCHINHA – Daniel Magnoni, médico e nutrólogo do HCor

Durante esta época de festas e jogos, é normal extrapolar na dieta. Afinal, ninguém vai assistir às partidas comendo uma saladinha. Mas o excesso de sal pode acarretar aumento da pressão arterial. Uma boa ideia é adotar uns petiscos alternativos. No lugar da pipoca, que tal canapés de salmão defumado com cream cheese? Ou bolinhos de arroz integral? E palitinhos de cenoura e pepino com molho de iogurte? Sucos antioxidantes também ajudam, como uva, acerola, pitanga e romã. Mas, se você não quer abrir mão da cerveja, duas latinhas não vão lhe fazer mal.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Fernando Meligeni
Fernando Meligeni, ex-jogador de tênis e comentarista (Foto: Divulgação)

CORAZÓN BRASILEÑO – Fernando Meligeni, ex-jogador de tênis e comentarista

Apesar de morar em São Paulo há quase quarenta anos, sempre me perguntam sobre a questão da rivalidade com a Argentina, país onde nasci e vivi até os 4 anos. Meu coração sempre é do Brasil, poxa! A única diferença entre mim e os outros brasileiros é que também não tenho motivo para torcer contra o time do Messi. Mas, claro, no caso de um duelo entre as duas equipes, fico com a camisa verde-amarela. Na minha casa, porém, a história é outra: meus pais e minha irmã são 100% Argentina. Minha mãe é a torcedora mais ferrenha: vivo brincando com ela, dizendo que o Messi não joga nada e que o Irã vai se dar melhor. No fundo, acho que essa rivalidade, desde que sadia, faz parte do esporte. O importante é que, ao fim do jogo, todos saiam abraçados, prontos para tomar uma cervejinha — mesmo que seja para um afogar as mágoas e o outro celebrar.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - José Victor Oliva
José Victor Oliva, empresário do ramo de eventos (Foto: Divulgação)

 

ITAQUERA, HERE WE GO – José Victor Oliva, empresário do ramo de eventos

Hoje, não há mais a classe que antes chamávamos de elite, um clube pequeno e fechado. Ela deixou de existir. Os tais vips são um bolo de pessoas antenadas e de diferentes áreas, de classes variadas. Não têm preconceito se o evento é no Morumbi ou em Itaquera. Essa coisa de a pessoa ser sócia do Clube Harmonia e por isso não frequentar outro lugar não tem mais cabimento. As barreiras geográficas deixaram de existir, até porque um imóvel em Itaquera pode valer mais do que outro em bairro central. O país precisa aproveitar a oportunidade da Copa para transformar torcedores em turistas. Eu já me enchi de gente que fala mal dos jogos. Nesses mais de trinta dias de evento, temos de vender bem o Brasil, com a cortesia e a simpatia que são a nossa cara. Seja no restaurante, no shopping ou na rua. A Arena Corinthians ficou bárbara. Ela vai ser bem aproveitada não apenas pelo futebol, mas por convenções, shows e exposições. Será possível fazer dinheiro com diversos negócios por lá. Agora, após o término da Copa, temos de fazer uma reflexão séria para ver o que houve de errado em investimentos e no comportamento dos políticos. Nós, brasileiros, temos o poder e o dever de transformar o que achamos que está errado.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Sergio Timerman
Sergio Timerman, cadiologista (Foto: Divulgação)

HAJA CORAÇÂO! – Sergio Timerman, cardiologista

Toda vez que a pessoa se encontra em um momento de emoção coletiva, como a Copa, ocorre a liberação de adrenalina e de outras substâncias na corrente circulatória, que levam o organismo a reagir com o aumento da pressão e da frequência cardíaca. Nas pessoas que têm maior risco de complicações cardíacas, isso pode causar arritmias e até infarto. A influência de eventos esportivos sobre a saúde dos torcedores tem sido pesquisada. Durante o Mundial de 2002, constatou-se um aumento de 63% na incidência de morte súbita cardiovascular entre os suíços. Nas Copas de 2006 e 2010, foram realizados estudos que demonstraram que o risco de homens sofrerem um infarto durante os jogos da seleção de seu país chega a ser três vezes maior. Dados indicam também que na primeira Copa realizada no Brasil, em 1950, houve um aumento da taxa de doenças cardíacas. Não é à toa que a Sociedade Brasileira de Cardiologia costuma alertar sobre a necessidade de medidas preventivas por parte dos torcedores antes de eventos como a Copa. Por isso, oriento meus pacientes mais instáveis a não assistirem aos jogos de maior expressão, pois qualquer emoção mais forte pode causar um evento cardíaco mais grave. Não podemos esquecer que a ingestão de bebida alcoólica e de cafeína, muito comum nesta época, pode acelerar esse processo. Existe um clima criado em torno do Mundial, e as pessoas ficam ansiosas naturalmente. Imagine o estado emocional do torcedor quando, aos 45 minutos do segundo tempo, surge um pênalti para o Brasil que pode definir a classificação da seleção. Haja coração!

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Ronald Nazário
Ronald Nazário, estudante e filho de Ronaldo (Foto: Divulgação)

VAMOS SECAR O ALEMÃO – Ronald Nazário, estudante e filho do Ronaldo

O meu pai tem muitas conquistas na carreira, sendo um de seus maiores orgulhos ter o título de maior artilheiro de todas as Copas da história. Ao todo, são quinze gols marcados. Para que ele siga dono desse recorde, vou secar o artilheiro alemão Miroslav Klose — que já fez catorze gols em Copas. Vou torcer com força para que ele não marque nenhum gol. Vou assistir aos jogos da Alemanha com os dedos cruzados. Por enquanto, não está nada certo de eu ver algum jogo em estádio. Eu não fiz álbum de figurinhas, mas ajudei a minha namorada a completar o dela (trocava com os meus colegas de classe as que ela precisava). Eu estou confiante no Brasil: acho o David Luiz ótimo na defesa, o Fred um bom oportunista para marcar gols, e o Neymar é o Neymar. Mas, além de ver os jogos do Brasil, vou assistir aos dos times fortes: Holanda, Itália, Espanha... Na final, quero saber ao certo o perfil de quem vai nos enfrentar.

Capa Ed. 2378 - Goleada de Ideias - Paulo Planet Buarque
Paulo Planet Buarque, jornalista e advogado (Foto: Divulgação)

MENINOS, EU VI – Paulo Planet Buarque, jornalista e advogado

Em 1950, eu era repórter do jornal A Gazeta Esportiva, que ia cobrir a Copa, e fiquei encarregado de acompanhar a seleção brasileira. A grande maioria daqueles atletas não treinava porque alegava contusões para permanecer no hotel para a visita das moças da vizinhança. Precisávamos ter tomado medidas de segurança para preservar a concentração dos jogadores, o que não foi feito. A motivação das pessoas com o time nacional em 1950 era completamente diferente do que é hoje. Naquela época nós éramos o país do futebol. Achávamos que não existia outra seleção à nossa altura. Na Europa, esse Mundial teve pouca repercussão, porque as seleções de lá estavam mais fracas, uma vez que os países ainda se recuperavam da guerra. Além disso, o futebol carioca e o paulista viviam um grande momento, o que era uma motivação extra para as pessoas irem aos estádios. Na partida entre Brasil e Suíça, no Pacaembu, os paulistanos ficaram maravilhados com aquele estádio moderno. E, diferentemente do que acontece hoje, não tínhamos nas arquibancadas aquele mosaico verde e amarelo. As pessoas iam vestindo roupas comuns. A torcida era grande; vivíamos um grande momento. As famílias se reuniam para ouvir as partidas pelo rádio, e as pessoas mais pobres iam para as padarias e açougues da região em que podiam acompanhar os lances. Mas foi infeliz a seleção posar com uma faixa de campeão às vésperas da final contra o Uruguai. Espero que aquela derrota sirva de lição para os jogadores que vão buscar o hexa.

  • Cartas da edição 2377

    Atualizado em: 13.Jun.2014

  • VEJA SÃO PAULO recomenda

    Atualizado em: 9.Out.2015

    Restaurante, espetáculo, exposição, doceria e outras atrações em cartaz
    Saiba mais
  • Mistérios da Cidade

    Livro de fotos explora as semelhanças entre São Paulo e Nova York

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Fotógrafo Mario Amaya colocou lado a lado os registros das duas metrópoles; tente adivinhar qual é qual
    Saiba mais
  • Mistérios da Cidade

    Carros de luxo: veja o preço dos dez mais caros de São Paulo

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Lamborghini Aventador é a primeira da lista. Nova Ferrari 458 Speciale chegou ao Brasil e já ocupa o sexto lugar
    Saiba mais
  • Mau uso de espaços reservados para portadores de deficiência e idosos rende multa de R$ 53,20
    Saiba mais
  • Mistérios da Cidade

    Exposição reúne curiosidades sobre bandeiras históricas

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Paulista de Todo o Mundo está aberta desde segunda-feira, no Conjunto Nacional
    Saiba mais
  • O templo da arte barroca

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Obra de 14 milhões de reais resgata Igreja da Ordem Terceira, no Largo São Francisco
    Saiba mais
  • Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos e empresários que são destaque na cidade
    Saiba mais
  • Todos os lances do Mundial

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Do sexo à política, a Copa do Mundo na perspectiva de craques da capital que atuam nas mais variadas posições
    Saiba mais
  • À frente do Mães da Sé, a fundadora Ivanise Esperidião conseguiu solucionar mais de 4000 casos de desaparecimento
    Saiba mais
  • Comportamento

    Confira as novidades da semana da coluna Bichos

    Atualizado em: 2.Out.2015

    A seção fala sobre a abertura de uma padaria pet na cidade
    Saiba mais
  • As Boas Compras

    As Boas Compras: chá

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Confira nove itens como xícaras, canecas e garrafas térmicas
    Saiba mais
  • Brasileiros

    C-Cultura Caseira

    Avenida das Nações Unidas, 13301, Brooklin Novo

    Tel: (11) 2838 3203

    VejaSP
    1 avaliação

    No espaço do extinto variado Grand Caffè, no lobby do hotel Grand Hyatt, funciona agora este restaurante de cozinha brasileira. Nota-se, porém, certa inconstância em pedidas como o cuscuz paulista (R$ 39,00), feito com os ingredientes “desconstruídos” (separados, não na forma de um bolo) e coberto por um camarão meio cru. No caso do palmito pupunha com legumes, as rodelas de polvo chegam à mesa no ponto exato — pena que em quantidade muito reduzida. Para o prato principal, três boas opções são a moqueca (R$ 70,00) e o arroz de carreteiro feito de carne de pato e rodelas de linguiça espanhola (R$ 50,00). No almoço durante a semana, a casa monta um farto bufê por R$ 82,00.

     

    Preços checados em 8 de abril de 2015.

    Saiba mais
  • Das mais baratas às mais caras, confra quanto cobram nove casas especializadas em carne
    Saiba mais
  • Cozinha variada

    Ritz - Jardim Paulista

    Alameda Franca, 1088, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3062 5830 ou (11) 3088 6808

    VejaSP
    3 avaliações

    São três endereços de visual parecido — não falta a porta giratória vermelha na entrada de cada um deles —, mas com públicos bem diferentes. Na casa original dos Jardins, por exemplo, durante a semana no almoço uma leva de executivos ocupa as mesas, enquanto o jantar invariavelmente tem predominância do público gay. O cardápio, igual em todos, traz a porção de bolinho de arroz (R$ 20,00, com oito unidades) como pedida obrigatória ou uma das guarnições, disputando as atenções da clientela com as fritas (R$ 18,00). Tem grande saída o bife à parmigiana com gorgonzola arroz e fritas (R$ 59,00) assim como o ritz burger (200 gramas de carne, queijo cheddar ou gorgonzola, salada, maionese e pancetta; R$ 44,00).

    Preços checados em 10 maio de 2016.

    Saiba mais
  • Nova seção de VEJA SÃO PAULO, publicada nos roteiros de Restaurantes, Bares e Comidinhas, mostra os itens que sofreram aumento de preço
    Saiba mais
  • Bares variados

    Numero

    Rua da Consolação, 3585, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3061 3995

    VejaSP
    7 avaliações

    Queridinho da moçada endinheirada, o bar tem ares de exclusividade. Não à toa: é preciso estar disposto a desembolsar R$ 250,00 de consumação mínima em algumas noites para refestelar-se nos confortáveis sofás de couro de seu salão. O barman Derivan de Souza deixa todo mundo ainda mais à vontade com drinques clássicos benfeitos, como o negroni e o apple martini (R$ 37,00 cada um). Recentemente, a coxinha (R$ 34,00), clássico local, ganhou uma igualmente deliciosa versão de pato (R$ 45,00), que vem acompanhada de molho agridoce levemente apimentado.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Árabes

    Kebabel - Consolação

    Rua Fernando de Albuquerque, 22, Consolação

    Tel: (11) 3259 1805

    VejaSP
    3 avaliações

    Repleta de botecos pé-sujo, a esquina das ruas Augusta e Fernando de Albuquerque bomba de gente jovem que curte a noite com cervejas de garrafa na mão. Quase escondido nesse miolo fica esta pequena casa especializada em kebabs, uma boa opção para quem quer fugir do trivial na hora de petiscar e bebericar. Ali são servidas oito versões do sanduíche árabe enrolado no pão pita. A melhor delas vem com tiras de cordeiro, salsa, tomate, cebola, repolho, hortelã, picles e molho tahine (R$ 30,00). Da carta de bebidas, uma das pedidas é a cerveja Colorado Appia (R$ 22,00).

    Preços checados em 16 de março de 2016.

    Saiba mais
  • Chope e cerveja

    Legítimo

    Rua Luís Góis, 1728, Mirandópolis

    Tel: (11) 2729 2730

    VejaSP
    5 avaliações

    Concorrido boteco chique da Vila Mariana, inaugurou um salão no piso superior do prédio, onde antes funcionava uma escola de capoeira. Com capacidade para cinquenta pessoas, o espaço, aberto apenas de quarta a sábado, segue o padrão decorativo da casa, com azulejos brancos e pretos mais camisas de futebol nas paredes. Aproveite a ida e escale a linguiça com gorgonzola, de Bragança Paulista (SP). Chega na companhia de vinagrete, farofa e pão e custa R$ 45,90. Para molhar a goela, o geladíssimo chope Brahma sai por R$ 7,90.

    Preços checados em 10 de agosto de 2016.

    Saiba mais
  • Hamburguerias

    Johnny Rockets - Shopping West Plaza

    Praça Tomás Morus, 408, Água Branca

    Tel: (11) 3677 4038

    VejaSP
    1 avaliação

    Filial da rede fundada em 1986, em Los Angeles, tem um esquema de funcionamento esquisito: de tempos em tempos, os garçons param completamente o serviço para dançar no centro do salão. A cozinha se volta para os hambúrgueres de antigamente, mais fininhos e bem passados, como o bacon cheddar single (R$ 28,10) ou o route 66 (R$ 26,90), coberto por queijo suíço, maionese, cogumelo-de-paris e cebola grelhada. Para terminar bem ao gosto americano, não pule o adocicado milk-shake de pasta de amendoim (R$ 21,90).

    Preços checados em 5 de agosto de 2015.

     

     

    Saiba mais
  • Para comemorar os vinte anos de atividade, os criadores do Palavra Cantada, Paulo Tatit e Sandra Peres, cedem lugar no palco para dois bonecos os representarem no musical Palavra Cantada Sem Pé Nem Cabeça. Pauleco e Sandreca acompanham a trajetória de Ratinho (protagonista da famosa música Rato) na busca pela noiva ideal. Enquanto o roedor, que em vez de “catar lasquinhas de queijo e comer na rua prefere mil vezes um beijo”, vive desilusões amorosas, a dupla de narradores e um elenco de catorze atores (também bailarinos e manipuladores) apresentam dezessete músicas ao vivo. Antes do início da conhecidíssima Sopa, por exemplo, Pauleco e Sandreca passam por uma plantação de legumes e frutas, onde encontram Nabo, que sonha em entrar para a receita. A cena de pipoca é especial: as luzes do teatro se apagam, os artistas saltam pelos corredores da plateia e iluminam os rostos pintados de branco com uma lanterna. Estreou em 31/5/2014. Até 21/6/2015.
    Saiba mais
  • Passeios

    Oficinas para brincar nas férias

    Atualizado em: 12.Dez.2014

    Dois espaços que já anteciparam o recesso e oferecem oficinas em horários especiais
    Saiba mais
  • Muitas das 386 peças de Mayas: Revelação de um Tempo sem Fim deixam o México pela primeira vez. Em cartaz na Oca, a mostra é um testemunho da história de uma das civilizações pré-colombianas mais desenvolvidas e impressiona pela abrangência e pelos detalhes das obras. Nada do que está ali foi produzido pensando em valores artísticos. Os prisioneiros esculpidos em pedra tinham o objetivo de exibir a força do governante que venceu a batalha. Objetos de jade, belíssimos, eram postos junto aos mortos para servir como moeda de troca na próxima vida. Para entender o significado dos desenhos, é preciso abrir mão do olhar literal e procurar pelos símbolos. O Disco de Chichén Itzá (900-1250 d.C.), por exemplo, traz uma serpente emplumada, um animal poderoso que combina a fertilidade da terra com a capacidade de voo das aves. A exposição também apresenta alguns textos — a escrita maia foi desvendada há apenas duas décadas — com relatos de 400 milhões de anos atrás, quando o mundo teria se formado, e outros com datas futuras, o que colaborou para a mística em torno do calendário do povo maia. Até 24/8/2014.
    Saiba mais
  • Tragicomédia

    Maldito Benefício
    VejaSP
    Sem avaliação
    Sob a direção de Marcelo Lazzaratto, a tragicomédia Maldito Benefício revela-se um bom exemplo de dramaturgia contemporânea. A peça de Leonardo Cortez aproveita elementos atuais para criar uma trama cheia de surpresas. Em cena aparece um ex-jogador de futebol (interpretado pelo autor) que, por causa de um problema no joelho, pulou do time dos promissores para o dos fracassados. Ele roda em um táxi alugado do cunhado picareta (Daniel Dottori) e mal consegue sustentar a mulher (Glaucia Libertini). A chance de sair da lama pode vir com o pagamento atrasado da aposentadoria de seu pai (papel de Ricardo Côrte Real), que lhe prometeu repassar o dinheiro assim que a quantia cair na conta, dentro de um ano. Mas a precária saúde do velho dá sinais de que ele não resistirá tanto tempo. O texto confronta sobrevivência e ética em um painel sobre a difícil arte de ganhar a vida. Elenco afinado e efeitos visuais, como o de transformar o táxi em sala de visitas, contribuem para o bom resultado da montagem. Estreou em 16/5/2014. Até 5/7/2015.
    Saiba mais
  • Dois monólogos dramáticos do inglês Alan Bennett escritos para a BBC de Londres formam a montagem Retratos Falantes. Dirigidos por Eduar do Tolentino de Araújo, os atores Brian Penido Ross e Zécarlos Machado interpretam respectivamente os protagonistas de Fritas no Açúcar e Brincando com Sanduíche. No primeiro solo, o foco está num solteirão que mora com a mãe, e Ross se sai bem ao misturar dependência, rejeição e inveja. Machado, por sua vez, sempre tão expressivo, não alcança a mesma comunicabilidade na segunda parte da montagem. Ele vive o misterioso funcionário de um parque que esconde um segredo. O excesso de situações em torno de sua história acaba diluindo a força do personagem e, logo, o interesse do público. Estreou em 31/1/2013. Até 7/12/2014.
    Saiba mais
  • Contemporâneos ou clássicos, cinco textos mostram a qualidade do teatro da terra de Shakespeare
    Saiba mais
  • Peças

    Duas direções de Roberto Lage em cartaz

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Um drama de horror e um monólogo cômico levam a assinatura do encenador
    Saiba mais
  • A programação do segundo semestre costuma ser agitada para os fãs de dança devido, principalmente, à temporada do Teatro Alfa. Neste ano, ela começa em 13 de agosto com apresentações do Grupo Corpo. Em uma prévia do festival, a companhia italiana Kataklò, fundada em 1995, ocupa o espaço com sua mais recente coreografia, Puzzle. Em sessão única na quarta, o elenco exibe sua especialidade: movimentos atléticos executados com leveza e sincronia. Cheios de habilidade, os bailarinos não deixam transparecer a dificuldade dos malabarismos. A peça com inspiração nos quebra-cabeças foi criada numa parceria entre os integrantes do grupo e a diretora e ex-ginasta Giulia Staccioli. Trata-se de uma colagem de trechos inéditos e cenas de montagens antigas, nos quais são usados objetos como panos e caixas. Dia 30/7/2014. À venda: ainda dá tempo de adquirir uma assinatura para a temporada de dança do Teatro Alfa. Custa de R$ 246,50 a R$ 773,50, para seis espetáculos.
    Saiba mais
  • Três artistas que já lançaram trabalhos no formato celebram o vinil no Sesc Consolação. O cantor e compositor Gui Amabis exibe faixas de Trabalhos Carnívoros (2012) na sexta (22/8), ao lado de Samuel Fraga (bateria), Richard Ribeiro (vibrafone), Regis Damasceno (baixo) e Dustan Gallas (guitarra). O paranaense Bruno Morais dá sequência no sábado (23/8), quando ele toca Hoje Vou Te Acordar e O Mundo É Assim. Décio Cecci Silva (bateria), Estevan Sinkovitz (guitarra e violão), Ricardo do Prado (baixo), Sidmar de Souza (trompete) e Emiliano Sampaio (trombone) fazem o acompanhamento. No domingo (24/8), Stela Campos desfila canções de Dumbo (2013), álbum no qual registrou canções nunca gravadas por ela.
    Saiba mais
  • Eis mais uma jogada de Hollywood: aproveitar-se de uma história antiga e trazê-la para os tempos atuais. O remake da vez é o de Amor sem Fim, filme homônimo dirigido por Franco Zeffirelli em 1981. Se antes o caso dos adolescentes apaixonados provocava alguma faísca na plateia, hoje o relacionamento démodé parece destinado à mesmice. O casal de protagonistas pouco ajuda. Gabriella Wilde (substituindo Brooke Shields), tão linda quanto insossa, interpreta Jade Butterfield, que vem de uma família rica e acabou de terminar o segundo grau. A mocinha amarga uma longa depressão após a morte do querido irmão, mas acaba encontrando no colega de classe e pobretão David Elliot (Alex Pettyfer, no lugar do sumido Martin Hewitt) um parceiro para novas aventuras. A paixão dos jovens, porém, não será vista com bons olhos pelo pai dela (papel de Bruce Greenwood). Como manda o figurino dos dramas românticos, há intrigas, traições, beijos técnicos e nenhuma pimentinha. Estreia prometida para 12/6/2014.
    Saiba mais
  • Anders (papel de Anders Danielsen Lie) tem 34 anos, frequenta um centro de reabilitação e há dez meses está longe das drogas e do álcool. Embora tivesse sido um bom redator, Anders trocou o jornalismo pela heroína. Em uma das primeiras cenas deste drama norueguês, ele tenta o suicídio por afogamento, mas desiste da ideia. A jornada de Anders noite adentro é um reflexo de seu presente e também do futuro incerto. Ele reencontra o melhor amigo, tem um incômodo bate-papo com a namorada de sua irmã e segue para uma entrevista de emprego. O diretor Joachim Trier mantém o pé no freio das emoções e, em narrativa seca e sem concessões, traz à tona um registro quase documental de um viciado à procura de um lugar no mundo. Estreia prometida para 12/6/2014.
    Saiba mais
  • O terror tem início com a misteriosa morte de três filhos e o pai deles. Única sobrevivente da chacina, a mãe é aparentemente inofensiva. Mas guarda alguns segredos  por trás da carinha de santa. Na cena seguinte, uma nova família ocupa o casarão onde eles viviam. O adolescente Evan (Harrison Gilbertson), protagonista da trama, percebe algo de errado nos cômodos. Ao conhecer a vizinha Sam (Liana Liberato), passa a investigar fenômenos sobrenaturais após “sentir” a presença de espíritos. Batata! Trata-se de uma mansão mal-assombrada. Se não bastasse os clichês de praxe e os sustos com fantasmas programados, a história ainda tem um aparelho capaz de se comunicar com os mortos. Aí já passou da conta, não? Estreou em 12/6/2014.
    Saiba mais
  • Andrzej Wajda, de 88 anos, é o mais célebre diretor polonês, responsável por filmes emblemáticos como Cinzas e Diamantes (1958), O Homem de Ferro (1981) e Katyn (2007). Figura colada à história de seu país, era, portanto, o nome certo para levar às telas a fulgurante trajetória de Lech Walesa, o sindicalista que virou presidente. A cinebiografia, porém, mostra-se conservadora e sem voos altos. Muito disso se deve à longa duração e à realização pouco empolgante. A trama tem início em 1981, quando a jornalista italiana Oriana Fallaci (Maria Rosaria Omaggio) vai à Polônia entrevistar Walesa (Robert Wieckiewicz). Já famoso, ele era um ferrenho líder dos funcionários em greve do porto de Gdansk. O roteiro volta no tempo para mostrar como o eletricista virou o jogo contra o autoritarismo, criou o sindicato Solidariedade e, em 1983, ganhou o Nobel da Paz. Estreou em 12/6/2014.
    Saiba mais
  • Philippe Claudel realizou o envolvente Há Tanto Tempo que Te Amo (2008) e, por isso, é inacreditável que seu novo filme seja tão insípido. A discussão sobre infidelidade tem um bom ponto de partida, mas não vai adiante e posiciona-se conservadora e moralista. Na trama, Daniel Auteuil interpreta Paul, um renomado médico casado com a dona de casa Lucie (Kristin Scott Thomas). A relação segue estável até o encontro dele com Lou (Leïla Bekhti). Essa moça de origem marroquina trabalha num café, alega ter sido atendida por ele e passa uma cantada no doutor. Paul perde o rebolado e não dá a mínima. Quando começa a receber flores diariamente, ele se irrita, enquanto a esposa desconfia de uma traição. Até mesmo o excelente casal de atores fica perdido diante de situações que não se desenvolvem. Estreia prometida para 12/6/2014.
    Saiba mais
  • Daniel Radcliffe está com 24 anos e, cada vez mais, arriscando-se com ousadia na carreira de ator. Quer, assim, livrar-se definitivamente do papel de Harry Potter que o projetou internacionalmente. Neste seu novo trabalho, faz uma quente cena de sexo gay ao interpretar um personagem verídico. Trata-se aqui da formação dos poetas da geração beat da qual Allen Ginsberg (Radcliffe) fez parte. A trama se passa em 1944 e flagra a chegada do então calouro à universidade de Columbia, quando o rapazinho tímido se liga a uma turma da pesada, que inclui Lucien Carr (Dane DeHaan), William Burroughs (Ben Foster) e Jack Kerouac (Jack Huston). Eles se entendem através da poesia, da anarquia e das transgressões. No despertar da sexualidade, Ginsberg sente-se atraído pelo colega Carr, mas este mantém uma relacionamento forçado com seu mentor e professor David Kammerer (Michael C. Hall). Em sua estreia em longa-metragem, o diretor John Krokidas leva uma história em ebulição no ponto de banho-maria. O registro é válido, mas a palidez acaba enfraquecendo o esforço. Estreia prometida para 12/6/2014.
    Saiba mais
  • Em 1994, Tim Burton prestou uma divertida e comovente homenagem a Ed Wood, considerado o pior cineasta do mundo. Se a intenção do realizador Sebastian del Amo era fazer algo parecido com Juan Orol (1897-1988), deu quase tudo errado. Del Amo segue os passos de Orol (interpretado por Roberto Sosa) desde sua infância na Espanha natal até a velhice na porta de um cinema, no México, onde ficou radicado por quase toda a vida. Antes de virar diretor (e ator) por acaso, o protagonista foi jogador de beisebol e toureiro e passou temporadas em Cuba. A intenção da comédia é ter o mesmo padrão, digamos, rústico dos longas-metragens toscos de Orol — há, por exemplos, cenas mudas e uma hora com fotografia em preto e branco. A brincadeira, contudo, se repete exaustivamente, não tem graça e o personagem, nada talentoso, ainda por cima mostra-se arrogante e antipático. Estreia prometida para 12/6/2014.
    Saiba mais
  • O nome da mostra não poderia ser mais acertado: Cine Cool. A partir de quarta (18/6/2014), o MIS exibe vinte longas-metragens de cineastas cultuados como Wes Anderson, Sofa Coppola e Michel Gondry. É uma boa oportunidade para ver (ou rever) no cinema filmes bacanas, entre eles As Virgens Suicidas, que marcou a estreia na direção da filha de Francis Ford Coppola, em 1999. A projeção ocorre no dia da abertura, às 21h. Outra boa pedida: no domingo (22/6), às 16h, há a comédia Viagem a Darjeeling, o trabalho mais azeitado de Wes Anderson. Até 22/6/2014.
    Saiba mais
  • Dois músicos e um jornalista são temas dos longas-metragens
    Saiba mais
  • Filmes

    Elizabeth Olsen está com três filmes em cartaz

    Atualizado em: 13.Jun.2014

    Irmã das gêmeas Mary-Kate e Ashley Olsen se destaca no cinema
    Saiba mais
  • Meu Maracanazo

    Atualizado em: 13.Jun.2014

Fonte: VEJA SÃO PAULO