Abastecimento

Metade dos paulistanos reprova gestão de Alckmin na crise hídrica

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta (4) mostra que 48% dos moradores da capital consideram ruim ou péssima a atuação do governador para contornar a falta de água 

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Geraldo Alckmin
O governador Geraldo Alckmin: reprovado pro paulistanos na gestão da crise hídrica (Foto: Luciano Claudino/Folhapress)

Quase metade da população da capital paulista acredita que o governado Geraldo Alckmin (PSDB) tem administrado de forma inadequada a crise hídrica que afeta o Estado desde o ano passado.

De acordo com pesquisa Datafolha, divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta quarta (4), 48% dos paulistanos afirmaram que a gestão da crise é ruim ou péssima. O índice de reprovação deste levantamento, realizado na semana passada, é dez pontos percentuais superior ao último, de agosto de 2014.

+ Russomano lidera corrida eleitoral, diz Datafolha

Entre os paulistanos que consideram a gestão da crise regular, a taxa oscilou de 38% para 35% e os que afirmaram ser boa ou ótima passou de 21% para 15%. O levantamento foi feito entre quarta (28) e quinta (29), ouviu 1 092 pessoas e tem margem de erro de três pontos percentuais.

+ Confira as últimas notícias

Apesar da desaprovação dos moradores, Alckmin foi premiado pelo Câmara dos Deputados por sua gestão na crise de abastecimento. 

A crise hídrica foi anunciada pela Sabesp no fim de janeiro de 2014 por causa do baixo volume de armazenamento de água no Sistema Cantareira, manancial que abastecia quase metade da Grande São Paulo. O governo Alckmin afirma que a crise foi provocada pela pior seca em 84 anos de registros.

Cai número de motoristas que usam carro diariamente

Desde então, lançou um programa de incentivo na conta para a população economizar água, remanejou água de outros sistemas, fez obras para buscar novas captações e ampliar as existentes e adotou um racionamento por meio da redução da pressão e do fechamento manual da rede, o que deixa diversos bairros sem água a maior parte do dia.

Fonte: VEJA SÃO PAULO