Educação

Creche pede cabelo liso para alunas em festa de Natal e causa polêmica

Em comunicado, associação lamentou o ocorrido e informou que tomará medidas administrativas para não repetir o erro

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

escola
Aviso feito por associação circulou nas redes sociais causando polêmica (Foto: Reprodução / Facebook )

Para a festa de Natal, a Associação Cedro do Líbano de Proteção à Infância de São Paulo pediu para que os pais levassem as filhas ao evento de cabelos lisos. O aviso exibia a foto da atriz mirim Larissa Manoela como referência para o penteado “liso solto”. A foto do comunicado chegou às redes sociais, causando forte polêmica nesta terça-feira (1). A  Associação, que possui creches e cursos profissionalizantes gratuitos voltados para um público de renda baixa, foi acusada de racismo. Por meio de nota, lamentou o ocorrido. 

+ Novo protesto de estudantes tem tumulto e quatro detidos

Na página do Facebook do coletivo Levante Negro, a publicação sobre o caso teve mais de 14 000 compartilhamentos. Entre os comentários, pessoas postaram fotos de diversas crianças com o cabelo natural. "Minha filha iria assim", disse um dos seguidores indignados.

+ Protesto termina em confronto entre estudantes e policiais

Segundo a assessoria de imprensa da associação, o aviso se referia à apresentação dos alunos de uma das creches administradas por ele e, por meio de nota, informou que repudia “qualquer forma de preconceito e discriminação”.

Confira:

"A Associação Cedro do Líbano de Proteção à Infância e seus educadores repudiam qualquer forma de preconceito e discriminação. Reconhecemos e já esclarecemos sobre o equívoco da mensagem e tomamos todas as medidas administrativas cabíveis para que erros lamentáveis como esse não se repitam e possam ferir os preceitos contidos nas Leis 10639/2003 e Lei 11645/2008.

O ocorrido nos faz ampliar a nossa visão acerca da construção coletiva de uma educação pautada no respeito à diversidade, reconhecendo as identidades de todos, com práticas pedagógicas, materiais e ambientes planejados para combater qualquer forma de discriminação.

Em 2016, continuaremos e ampliaremos o nosso processo de formação nesse sentido, aprofundando a discussão no caminho da construção de um currículo que vise à reeducação das relações étnico-raciais e de gênero. Lamentamos profundamente o ocorrido e reiteramos nossa intenção de manter sempre aberto os canais de diálogo com as famílias e com toda a comunidade".

+ Confira as últimas notícias 

Fonte: VEJA SÃO PAULO