Violência

Mulher agredida com cotovelada está com amnésia, diz advogado

De acordo com Ademar Gomes, ela não lembra da agressão e fala frases desconexas. Médicos dizem que sintoma pode ser temporário devido ao trauma

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

A auxiliar de produção Fernanda Regina César Santiago, de 30 anos, que foi parar na UTI após levar uma cotovelada, está com amnésia temporária e não se lembra da agressão sofrida no último dia 16 em São Roque, a 66 quilômetros de São Paulo. A informação é do advogado da vítima, Ademar Gomes. Fernanda teve alta na segunda-feira (1º) e está em repouso na casa de parentes. Ela teve traumatismo craniano. 

Segundo Gomes, Fernanda chegou a esquecer quem era o pai, tem ideias confusas e dificuldade de para se expressar. "Ela também perde os sentidos às vezes, por isso continua com acompanhamento neurológico. Os médicos acreditam que essa perda de memória é decorrente do trauma", afirma.

A delegada Priscila de Oliveira, que acompanha o caso, deve esperar a recuperação de Fernanda para poder ouvi-la no inquérito. "Neste momento, ela não tem condições de depor", diz Gomes. 

+ Quase duas pessoas morrem atropeladas por dia em São Paulo

+ Autor da cotovelada está "em choque", diz advogado

O agressor é o comerciante Anderson Lúcio de Oliveira, de 36 anos, que é um conhecido de Fernanda. Ele continua preso devido ao pedido de prisão temporária por 30 dias concedido pela Justiça. Os dois estavam com amigos em frente a uma casa noturna de São Roque e teriam discutido. As câmeras de segurança mostraram o momento exato em que ele deu uma cotovelada no rosto de Fernanda, que caiu e bateu a cabeça no chão. 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO