Quatro linhas

Craques de Corinthians e São Paulo contam histórias marcantes

Às vésperas do clássico, que acontece neste domingo (7), jogadores que atuaram pelos dois clubes relembram confrontos

Por: Alexandre Aragão - Atualizado em

Raí Rincón São Paulo Corinthians
Rincón e Raí: corintiano e são-paulino disputam bola durante partida do Campeonato Brasileiro de 1999 (Foto: Ricardo Correa)

Brigando por ótimas colocações no Brasileirão, São Paulo e Corinthians se enfrentam neste domingo na reta final do campeonato. Em clima de decisão, Biro-Biro, o goleiro Gilmar, Neto e Raí, craques que brilharam pelos dois lados, relembram confrontos que marcaram suas carreiras.

Raí São Paulo
Em 1991, o São Paulo chegou pela terceira vez consecutiva a uma final do Campeonato Brasileiro. Derrotados pelo Corinthians no ano anterior, os craques do Morumbi já haviam dado o troco no Paulista de 1991, quando venceram o Corinthians, na final, por 3 x 0. Raí, artilheiro da competição com 20 gols, explica que o resultado ajudou o time a ficar mais seguro para o Brasileirão: “Sabíamos que ia ser difícil”, diz o craque. “Mas, como era nossa terceira final seguida, estávamos confiantes”. Na primeira fase do nacional, os times voltaram a se enfrentar, no Morumbi. Com o empate em 1 x 1, o São Paulo se manteve invicto contra o adversário. Naquela temporada, ninguém conseguiu parar o Tricolor. “O São Paulo sempre soube recompensar bem as vitórias”, completa Raí. (Foto: Nelson Coelho)

Em 1991, o São Paulo chegou pela terceira vez consecutiva a uma final do Campeonato Brasileiro. Derrotados pelo Corinthians no ano anterior, os craques do Morumbi já haviam dado o troco no Paulista de 1991, quando venceram o Corinthians, na final, por 3 x 0. Raí, artilheiro da competição com 20 gols, explica que o resultado ajudou o time a ficar mais seguro para o Brasileirão: “Sabíamos que ia ser difícil”, diz o craque. “Mas, como era nossa terceira final seguida, estávamos confiantes. Na primeira fase do nacional, os times voltaram a se enfrentar, no Morumbi. Com o empate em 1 x 1, o São Paulo se manteve invicto contra o adversário. Naquela temporada, ninguém conseguiu parar o Tricolor.

Neto Corinthians
Corintiano declarado, Neto teve o prazer de ser campeão brasileiro em cima de um dos maiores rivais do Timão, o São Paulo, em 1990. Mas isso, ele garante, não faz diferença. “Não importava se seria em cima do São Paulo, do Palmeiras ou do Atlético Mineiro”, sustenta o craque. “Foi o primeiro título do Campeonato Brasileiro do Corinthians”, explica, para depois concluir: “E até hoje não fizeram nem um almoço para nos agradecer”. Com as cobranças de falta precisas de Neto, o Corinthians passou por vários adversários à maneira alvi-negra, sempre com muita dificuldade. (Foto: Ricardo Correa)

Corintiano declarado, Neto teve o prazer de ser campeão brasileiro em cima de um dos maiores rivais do Timão, o São Paulo, em 1990. Mas isso, ele garante, não faz diferença. “Não importava se seria em cima do São Paulo, do Palmeiras ou do Atlético Mineiro”, sustenta o craque. “Foi o primeiro título do Campeonato Brasileiro do Corinthians”, explica. Com as cobranças de falta precisas de Neto, o Corinthians passou por vários adversários à maneira alvinegra, sempre com muita dificuldade.

Gilmar Rinaldi São Paulo Brasil
Em 1986, São Paulo e Corinthians não foram protagonistas do Campeonato Paulista, vencido pela primeira vez por um time do interior do estado, o Internacional de Limeira. Mesmo assim, após dois confrontos entre os clubes, o Tricolor saiu invicto. “Aquele time tinha consciência de que era muito bom", diz o ex-goleiro Gilmar Rinaldi. Todos esperavam que os clubes se enfrentassem novamente no Campeonato Brasileiro, mas isso não aconteceu. O São Paulo terminou em primeiro lugar no grupo A, e o Corinthians em terceiro no grupo B, ficando na mesma chave do mata-mata. Infelizmente, o Corinthians acabou eliminado pelo América-RJ, time que o São Paulo enfrentou na fase seguinte. Na final, contra o Guarani, o Tricolor do Morumbi levantou sua segunda taça de campeão brasileiro. Ainda no gramado, os jogadores descobriram que o bicho — dinheiro pago pelos dirigentes para recompensar as vitórias — seria dobrado. "O Careca pediu e o Juvenal Juvêncio topou", conta Gilmar, aos risos. (Foto: Nelson Coelho)

Em 1986, São Paulo e Corinthians não foram protagonistas do Campeonato Paulista, vencido pela primeira vez por um time do interior do estado, o Internacional de Limeira. Mesmo assim, após dois confrontos entre os clubes, o Tricolor saiu invicto. “Aquele time tinha consciência de que era muito bom", diz o ex-goleiro Gilmar Rinaldi. Todos esperavam que os clubes se enfrentassem novamente no Campeonato Brasileiro, mas isso não aconteceu. O São Paulo terminou em primeiro lugar no grupo A e o Corinthians, em terceiro no grupo B, ficando na mesma chave do mata-mata. Infelizmente, o Corinthians acabou eliminado pelo América-RJ, time que o São Paulo enfrentou na fase seguinte. Na final, contra o Guarani, o Tricolor levantou sua segunda taça de campeão brasileiro.

Biro Biro Corinthians
Assim que chegou ao Corinthians, Lero-Lero, digo, Biro-Biro, já rendeu boas histórias. Logo na apresentação, Vicente Matheus, então presidente do clube, errou o nome do jogador. Mal sabia ele o craque dos cabelos loiros se tornaria um dos mais icônicos da história corintiana. Biro-Biro guarda boas recordações do Campeonato Paulista de 1979. Naquele ano, Corinthians e São Paulo se enfrentaram quatro vezes, e o Timão ficou invicto. No Campeonato Paulista, o Alvi-Negro foi campeão em cima da Ponte Preta. "Quando fiz o gol e tirei o Palmeiras, na semifinal, também foi muito bom", diz o craque. "Aquele jogo realmente marcou". (Foto: Ronaldo Kotscho)

Assim que chegou ao Corinthians, Biro-Biro _ou Lero-Lero_ já rendeu boas histórias. Logo na apresentação, Vicente Matheus, então presidente do clube, errou o nome do jogador. Mal sabia ele que o craque dos cabelos loiros se tornaria um ícone da história corintiana. Biro-Biro guarda boas recordações do Campeonato Paulista de 1979. Naquele ano, Corinthians e São Paulo se enfrentaram quatro vezes, e o Timão ficou invicto. No Campeonato Paulista, o alvinegro foi campeão em cima da Ponte Preta.

Fonte: VEJA SÃO PAULO