ESPORTE

Corinthians consegue liminar que impede fechamento do Parque São Jorge

Prefeitura diz que clube não tem licença de funcionamento 

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Parque São Jorge
Estádio no Parque São Jorge, com 18.000 lugares (Foto: Cida Souza)

O Corinthians obteve na sexta (10) liminar para impedir o fechamento do Parque São Jorge, sede social do clube. Na semana passada, a Subprefeitura da Mooca, a pedido do Ministério Público, havia determinado a interdição do local por falta de licença de funcionamento. 

"Desde 1996, diversas legislações foram criadas ou sofreram alterações em nossa cidade. Saibam que a grande maioria dos estabelecimentos da cidade de São Paulo não está certificada", afirma Eduardo Caggiano, diretor administrativo do Corinthians. Segundo Caggiano, "nenhuma área do clube está em desconformidade com a legislação atual" e o time busca "certificações que "atestem a preocupação com a segurança dos associados e atletas".

+ Padre Jeferson Mengali é o conselheiro espiritual do Corinthians

Segundo a assessoria da subprefeitura, a ação de fiscalização sobre o funcionamento da área foi interrompida devido à liminar obtida pelo clube. "Para o local, estão sendo analisados na Secretaria Municipal de Licenciamento processos referentes à regularização da edificação e ao licenciamento de suas atividades", completa.

O Parque São Jorge é sede do estádio Alfredo Schurig, também conhecido como Fazendinha. No local, são disputados jogos de futsal e é onde a sede da diretoria toma base. A polêmica entorno do espaço começou em 2009, quando a prefeitura ajuizou uma ação de reintegração de posse do espaço. Anos depois, ela conseguiu vencer o caso na Justiça. A área havia sido concedida ao Corinthians gratuitamente em 1996, pelo então prefeito Paulo Maluf. O prazo de cessão era até 2095.

+ Corintianos pressionam patrocinador de Milton Neves nas redes sociais

Em junho, a prefeitura recuperou uma área de 18 000 metros quadrados na entrada da área social do Corinthians. O local correspondia ao estacionamento do clube, que era fechado com muros e grades. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO