Mistérios da Cidade

Empresas investem na contratação de ex-presidiários

Marcas como a PanoSocial abrem vagas para pessoas que procuram uma segunda chance

Por: Maurício Xavier (com reportagem de Alessandra Freitas) - Atualizado em

Camisa presidiários
Camisa produzida com 100% algodão orgânico, da PanoSocial (Foto: Divulgação)

A vontade de conceder uma oportunidade e colaborar para o esforço de evitar a reincidência no crime tem levado empresas da capital a investir na contratação de ex-presidiários. Fabricante de camisas produzidas com algodão orgânico e garrafas PET, a PanoSocial tem 30% do seu trabalho em oficinas terceirizadas realizado por egressos do sistema prisional. “O lucro obtido com a venda das roupas está sendo revertido para a criação de nosso ateliê próprio, que será inteiramente ocupado por ex-detentos”, afirma a coordenadora da marca, Natacha Lopes.

+ Desvende os nomes de alguns pratos de restaurantes da cidade

+ ONG Descobrindo o Sonho Jovem dá auxílio a estudantes

As camisas são entregues de bicicleta e custam cerca de 120 reais (na foto, um dos modelos). Outras companhias, como a oficina mecânica ArtPres e a empreiteira Construcap, aderiram a iniciativas como a Segunda Chance, uma agência de empregos focada no nicho e criada pela ONG AfroReggae, e o Pró-Egresso, programa da Secretaria de Administração Penitenciária do estado. Abaixo, as características de algumas das vagas oferecidas em projetos do tipo pelas empresas.

tabela presidiários
Empresas que abriram vagas para contratar ex-presidiários (Foto: Veja São Paulo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO