Burocracia

Consulado dos EUA, 1 500 pessoas são atendidas por dia

O intervalo entre o agendamento on-line e a entrevista é de cerca de quinze dias úteis

Por: Mariana Barros - Atualizado em

Consulado dos EUA_2163
Consulado americano: guarda-volumes cobram até 10 reais de quem precisa deixar seus pertences do lado de fora (Foto: Mario Rodrigues)

Passaporte em mãos, quem pretende viajar aos Estados Unidos deve estar preparado para enfrentar outra fila: a do consulado. Em São Paulo, 1 500 pessoas são atendidas a cada dia, o que faz do posto o maior emissor de vistos americanos do mundo. E os números devem continuar crescendo. Segundo o chefe da seção consular David Meron, o dólar relativamente barato, aliado à estabilidade econômica, fez com que fosse decretado o fim da alternância entre altas e baixas temporadas.

“Hoje há gente querendo viajar para os EUA durante o ano inteiro”, afirma. O impacto imediato dessa procura são filas maiores para obter o visto. O intervalo entre o agendamento on-line e a entrevista é de cerca de quinze dias úteis. Para atender à demanda crescente, no mês passado quatro vice-cônsules foram designados para trabalhar na capital, o que deve resultar em 4 000 atendimentos adicionais neste mês.

Outra medida para acelerar o serviço foi extinguir o guarda-volumes do consulado, onde há duas semanas passou a ser proibido entrar com celular, iPod e outros equipamentos eletrônicos, além de itens reprovados pela segurança como pinças, canivetes e tubos de creme ou pasta de dentes. A avaliação do consulado foi que a facilidade havia se transformado num gargalo que causava filas tanto na entrada quanto na saída. Agora, em vez de deixarem os objetos gratuitamente aos cuidados dos funcionários, os visitantes desavisados têm de recorrer a estabelecimentos próximos, que cobram até 10 reais pelo armazenamento dos objetos. Esses locais também têm lucrado com a venda do novo formulário, que passou a ser adotado em 5 de abril.

“Paguei 50 reais pelo papel, além da foto”, lembra a gerente administrativa Idalma Pinheiro, que só ficou sabendo da mudança quando chegou ao consulado para uma entrevista marcada havia dois meses. O consulado pretende implantar outras medidas. Nos próximos meses, deverá ser anunciada a ampliação da validade dos vistos de turismo e de negócios de cinco para dez anos, o que deve reduzir as filas pela metade. Outra novidade, ainda em análise, será o pagamento via internet tanto da taxa consular ao Citibank quanto do serviço de entrega do documento via Sedex. “Nós nos importamos com os brasileiros, e muito”, diz David Meron.

Fonte: VEJA SÃO PAULO