As Boas Compras

Uma seleção de objetos com neon

Moda nos anos 70, o tipo de iluminação volta a brilhar na decoração de casas paulistanas

Por: Bárbara Öberg

Onze modelos de objetos com neon, na esteira da onda de resgate desse tipo de iluminação, que era moda na década de 70.     

Para pendurar

Quadro com neon. R$ 969,00. Maria Pia.

neon love
Quadro com neon (Foto: Divulgação)

Luminária de coqueiro (sob encomenda). R$ 420,00. JouerCouture.

neon coqueiro
Luminária de coqueiro (Foto: Divulgação)

Neon com frase personalizada (sob encomenda). R$ 650,00. Storehouse Home Decor.

neon inspire
Neon com frase personalizada (Foto: Divulgação)

Spot em formato de mulher. R$ 1 300,00.  Lumilandia. Avenida Senador Vergueiro, 3947, Rudge Ramos, São Bernardo do Campo, 4367- 4452.

neon mulher
Spot em formato de mulher (Foto: Divulgação)

Na cabeceira

Carrinho de supermercado pequeno com peças de neon do artista Alê Jordão. R$ 1 300,00. Amma Store, Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705, Jardim Paulistano, 3432-9800.

Neon carrinho
Carrinho de supermercado pequeno com peças de neon do artista Alê Jordão (Foto: Divulgação)

Neon da sigla Yolo (sob encomenda).  R$ 700,00. Così Home.

Neon YOLO
Neon da sigla Yolo (Foto: Divulgação)

Abajur em formato de bicicleta (sob encomenda). R$ 380,00. Neon Três Estações, Rua General Osório, 65, Santa Ifigênia, 3221-2511.

neon bike
Abajur em formato de bicicleta (Foto: Divulgação)

Luminária neon Darth Vader. R$ 650,00. Ideafixa.

darth vader neon
Luminária neon Darth Vader (Foto: Divulgação)

Fora do Padrão 

Garrafa de vidro com neon. R$ 850,00. Conceito.

neon garrafa
Garrafa de vidro com neon (Foto: Divulgação)

Spot em acrílico que produz efeito geométrico 3D. R$ 239,00. Acrilize Decoração.

Luminária Prisma
Spot em acrílicoque produz efeito geométrico 3D (Foto: Divulgação)

Luminária Tetris com sete peças que podem ser empilhadas em diferentes combinações. R$ 249,90. Mundo Geek.

Luminária Tetris 1
Luminária Tetris com sete peças que podem ser em diferentes combinações (Foto: Divulgação)

Fonte: VEJA SÃO PAULO