Turismo

Companhias vendem passagens para os EUA a partir de 1 300 reais

Com dólar em alta e baixa procura, companhias aéreas fazem promoção para destinos como Miami e Nova York. Agências de viagem registram queda de 20% na demanda por pacote para os Estados Unidos

Por: Nataly Costa - Atualizado em

Miami
Miami: dólar alto, passagens baratas (Foto: Divulgação)

Com o dólar na casa dos 3,20 reais, muita gente começou a pensar duas vezes antes escolher os Estados Unidos como opção para as férias. O país costuma ser um ótimo destino de compras, mas, com o câmbio desfavorável, até as pechinchas dos outlets passaram a pesar no bolso do brasileiro. O resultado é que as agências já notam diminuição na procura por viagens a cidades como Miami, Orlando e Nova York. De acordo com um levantamento da Nascimento Turismo, uma das maiores do setor, a queda nos pedidos de orçamento para esses lugares foi de 20% nos três primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. 

+ Como escolher o destino de sua lua-de-mel

A notícia boa: quem insistir na terra do Tio Sam como destino vai se dar bem na hora de comprar a passagem. Para não voar com assentos vazios, as companhias aéreas têm feito um promoção atrás da outra nos voos para o país. Em levantamento feito nos sites das empresas nesta terça-feira (31), foi possível encontrar voos de ida e volta por 1 304 reais entre São Paulo e Miami para viajar em abril. Os preços continuam baixos (entre 1 500 e 1 700) se a viagem for em maio ou junho, mais próximos à alta temporada no Hemisfério Norte.

tabela-base-promo-passagens
Os preços encontrados nesta terça (31) (Foto: Veja São Paulo)

+ Como Nova York bateu o recorde sem um registro de homicídio

Uma passagem de ida e volta entre São Paulo e Miami pela Delta Airlines, entre os dias 22 e 29 de abril, custa 1304 reais, sem taxas - o voo faz conexão em Atlanta. Também com uma parada, American Airlines, TAM, Lan e Avianca têm bons preços, a partir de 1 400 reais.

Mas há voos diretos também em promoção. Para Miami, saindo dia 13 de maio e voltando dia 26 do mesmo mês, dá para encontrar ida e volta pela TAM por 1 476 reais, fora taxas. 

Aqueles que desejam ir à Nova York serão surpreendidos pelos bons preços. Uma viagem com data de partida para 23 de abril e volta no dia 30 do mesmo mês sai por 1 300, pela Delta, ou por 1 400, pela American Airlines - menos de 500 dólares por um bilhete internacional, sem contar as taxas. Segundo especialistas, o preço cobrado atualmente é metade do valor normal para o trecho.

patrulha na times square
Times Square: rua obrigatória para quem passeia por Nova York (Foto: Andrew Theodorakis / Getty Images)

"Nos últimos três anos, mais de dez companhias entraram no nosso mercado para oferecer novos voos entre Brasil e Estados Unidos. É bom para o turista, que ganha na guerra de preços", explica Leonel Rossi Junior, vice-presidente de Relações Internacionais da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav). 

+ Brasileiros são os que mais procuram imóveis em Miami

De acordo com Cleiton Feijó, diretor comercial da Nascimento Turismo, é inegável que, além do aumento da concorrência, o oscilação do dólar interfere diretamente na balança entre oferta e demanda. "Tivemos também um aumento no interesse pela Europa, enquanto os Estados Unidos estão em baixa". A procura por pacotes de viagens dentro do Brasil dobrou no primeiro trimestre de 2015 - também reflexo do susto tomado com a variação cambial. 

Para quem consegue manter o controle na hora fazer compras e gosta de aproveitar as barganhas, o período é ideal. "O importante é que o viajante perceba a oportunidade do momento. Talvez no segundo semestre a gente não tenha tanta promoção assim", diz Feijó. 

Três dicas dos especialistas para encontrar passagens baratas:

1. Use os buscadores (sites especializados em mostrar os preços de diversas companhias aéreas) para pesquisar, mas tente comprar sempre direto no site das empresas. 

2. Se tiver flexibilidade, procure em datas variadas dentro do mesmo mês. Às vezes, viajar um dia antes ou depois do previsto pode resultar em uma boa economia.

3. Fuja dos feriados.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO