Internacional

Companheira de copiloto estava grávida, afirma imprensa internacional

Andreas Lubitz teria derrubado avião da Germanwings nos Alpes franceses na última terça (24)

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Andreas Lubitz
O copiloto Andreas Lubitz, que teria jogado o avião propositalmente nos Alpes franceses (Foto: Reprodução/Facebook)

A companheira do copiloto do avião da Germanwings que caiu nos Alpes franceses estava grávida. A informação foi divulgada pela imprensa alemã. De acordo com os veículos de comunicação, eles planejavam se casar. Andreas Lubitz, de 27 anos, teria derrubado o Airbus A320 de forma proposital.

Segundo o jornal alemão Bild, a mulher que trabalha como professora em uma escola no estado de North Rhine Westfalia contou para os estudantes que estava grávida. O casal morava em um apartamento em Düsselforf.

+ Copiloto alemão comprou carro luxo para a ex três dias antes do voo

Ainda de acordo com a imprensa internacional, a professora que não teve sua identidade revelada informou que conheceu Lubitz na adolescência, quando eles trabalhavam em uma lanchonete.

+ Copiloto alemão teria problema de visão

As investigações a respeito da queda do avião têm revelado informações surpreendentes sobre o copiloto alemão. Dois dias antes da tragédia que deixou 150 mortos, Lubitz comprou dois carros zero quilômetro da marca Audi. O jornal americano The New York Times revelou que ele havia procurado tratamento para um possível problema de visão que poderia impossibilitar sua atividade profissional.

+ Copiloto de avião que caiu nos Alpes passou por tratamento psiquiátrico

Anteriormente, o Bild revelou que Lubitz submeteu-se a seis meses de tratamento psiquiátrico. Segundo a reportagem do periódico, o copiloto chegou a interromper sua formação em 2009 devido a uma grave crise de depressão.

Em entrevista ao jornal inglês The Guardian, vizinhos o descreveram como "amigável" e uma pessoa que perseguia seus sonhos com vigor.

+ Confira as principais notícias da cidade

O avião da Germanwings caiu nos Alpes quando fazia voo entre Barcelona (Espanha) e Dusseldorf (Alemanha), no dia 24, matando 150 pessoas (144 passageiros e seis tripulantes).

Fonte: VEJA SÃO PAULO