Animais

Como viajar com seu animal de estimação no Brasil e para o exterior

Cada país tem sua regra própria para recepcionar animais vindos de fora. Em comum a maioria deles, está a exigência do Certificado Zoosanitário Internacional (CZI). Veja como consegui-lo

Por: Patricia Moterani - Atualizado em

animais viagem
(Foto: Thinkstock)

Se nem a ideia de deixar o seu pet em um hotel cheio de mordomias durante a viagem de férias te agrada e tranquiliza, é possível fazer com que ele vá com você, desde que algumas regrinhas para o transporte do animal sejam seguidas. Isso varia de país para país e é necessário que você consulte os trâmites exigidos por cada um em seus respectivos consulados antes de sair para o aeroporto. Mas, em comum a maior parte deles, está a exigência do Certificado Zoosanitário Internacional (CZI), que atesta a boa saúde do bichinho, a vacinação em dia e o cumprimento de todas as exigências sanitárias para o deslocamento até o destino — ou seja, ele vai dizer se todo o procedimento exigido pelo país para onde você vai viajar está sendo respeitado. Por isso, é fundamental se informar e começar o processo de embarque com antecedência.

+ Hotéis ao redor do mundo oferecem serviços cinco-estrelas a quem embarcar de férias com os bichos

Para quem viaja a um dos países que formam a União Europeia, são necessários quatro meses até que tudo esteja resolvido. Para os Estados Unidos, um mês, já que a vacina anti-rábica, que protege contra a raiva, tem de ser dada — se o animal ainda não tiver sido vacinado contra isso — no mínimo trinta dias antes da viagem, tempo suficiente para que o organismo absorva a proteção. Já para deslocamentos dentro do Brasil, o procedimento é mais simples. É preciso apenas um certificado, emitido por um veterinário, de que a saúde do pet está em dia, e apresentar a carteira de vacinação dele, também atualizada — não é necessário requisitar o CZI.

+ Sete hotéis da cidade cuidam do seu animal enquanto você viaja

O Certificado Zoosanitário Internacional é emitido em 106 postos pelo país, posicionados dentro de aeroportos (geralmente internacionais), portos e pontos de fronteira, ou nas Superintendências Federais de Agricultura de cada estado (para consultá-las, clique aqui).

Confira abaixo as exigências da União Europeia e dos Estados Unidos:

UNIÃO EUROPEIA

Passo nº 1: Procure uma clínica veterinária para o implante de um microchip subcutâneo. Essa será a identificação dele.

Passo nº 2: Leve o bichinho a um veterinário para colher uma amostra de sangue e envia-a para o Instituto Pasteur ou para o Laboratorio de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetores, ambos de São Paulo, para o teste de sorologia que medirá a proteção dele contra a raiva. Esses endereços são os únicos laboratórios brasileiros autorizados a emitir o certificado, mas veterinários de todo o Brasil podem enviar as amostras via Sedex; basta seguir as orientações detalhadas no site de cada instituição. ATENÇÃO: para fazer o exame, a vacina de raiva deve estar em dia e a última dose precisa ter sido aplicada pelo menos trinta dias antes.

Passo nº 3: Após receber o laudo, espere os noventa dias da quarentena obrigatória para embarcar com o animal.

Passo nº 4: Na semana do embarque, leve o animal ao veterinário e peça um atestado de boa saúde.

Passo nº 5: Com o atestado em mãos, é preciso levá-lo ao departamento do Ministério da Agricultura que cuida do transporte internacional de animais para a emissão do CZI. Além de levar o animal para a leitura do microchip, é preciso ter em mãos o atestado do veterinário — emitido no máximo 72 horas antes —, o resultado do teste de sorologia realizado pelo Pasteur ou pelo Laboratório de Zoonoses, e a carteira de vacinação do animal, com todas as vacinas de raiva em dia. IMPORTANTE: o CZI só vale por oito dias, portanto, você deve embarcar neste período.

*Animais com menos de três meses e que ainda não tenha tomado nenhuma vacina contra a raiva precisam de dispensa do laudo de sorologia, emitida pelo órgão sanitário do país. 

ESTADOS UNIDOS

Apresente o atestado de boa saúde emitido por um veterinário e com a declaração de que nele não foram encontrados sinais de miíases (contaminação por insetos) nos últimos cinco dias. Leve também a carteira de vacinação atualizada — atente que a vacina contra raiva deve ter sido dada pelo menos trinta dias antes. Não existe a exigência de um laudo que ateste a sorologia contra raiva. Cães devem ser examinados cinco dias antes de embarcar, e os gatos, dez dias.

*Animais com menos de três meses ficarão em quarentena (no país de destino) até alcançarem idade suficiente para serem vacinados, e por mais trinta dias após a vacinação.

Seja qual for o seu destino, e especialmente se a viagem tiver muitas horas, é bom lembrar que:

1) É recomendável dar um sedativo leve ao animal, com orientação do veterinário, na hora do embarque;

2) A casinha para o transporte deve ser rígida e grande o suficiente para que o animal fique em pé e dê uma volta completa;

3) É bom comprar um bebedouro próprio para viagem para fixar na casinha.

Fonte: VEJA SÃO PAULO