Moda

Como nasce uma bolsa Hermès: passo a passo

O cuidadoso processo artesanal só usa o melhor do couro mundial

Por: Kênya Zanatta - Atualizado em

Couro crocodilo bolsa luxo2
(Foto: Jerôme Galland)

O mais barato modelo da bolsa Kelly da Hermès custa nada menos do que 13.400 euros. Pudera, o processo é 100% manual e usa apenas o melhor curtume do mercado: avestruzes da África do Sul, lagartos da Ilha de Java e crocodilos da Austrália. Confira o passo a passo desse processo. 

Couro crocodilo bolsa luxo2
(Foto: Jerôme Galland)

 1 – Couro de primeira

 A reserva onde fica guardado o couro tem temperatura e umidade do ar controladas. O depósito recebe, por ano, 600.000 peles em mais de 400 variações de cor. Elas vêm de doze espécies animais, como avestruzes da África do Sul, lagartos da Ilha de Java e crocodilos da Austrália. A grife usa apenas o melhor dos curtumes — em geral, não mais que 4% da matéria-prima analisada passa pelo rigoroso crivo dos funcionários encarregados da compra.

Couro crocodilo bolsa luxo3
(Foto: Jerôme Galland)

2 – O corte

A fabricação de uma bolsa Hermès é quase 100% manual e segue quatro etapas básicas, que se multiplicam conforme o modelo. Começa pelo corte do couro, passo repetido cinco vezes por dia pelos artesãos especialmente treinados para essa função. A pele de crocodilo, por ser a mais valiosa, só é manuseada pelos profissionais mais experientes.

Couro crocodilo bolsa luxo4
(Foto: Jerôme Galland)

 3 – A costura

Desde 1837, quando nasceu como fabricante de selas e arreios, a grife usa o chamado ponto-sela, comum em equipamentos de equitação justamente por sua resistência. Consiste em cruzar duas agulhas da direita para a esquerda, e vice-versa. Utiliza-se fio de linho revestido de cera de abelha. Os furinhos são feitos um a um com uma ferramenta chamada sovela. 

Couro crocodilo bolsa luxo5
(Foto: Jerôme Galland)

 4 – Acabamento

Todas as beiradas do couro, mesmo as que não aparecerão no produto final, recebem o mesmo tratamento primoroso: são lixadas até que fiquem perfeitamente lisas e tingidas. Ao final, recebem uma camada de cera de abelha para garantir a impermeabilidade do couro.

Couro crocodilo bolsa luxo6
(Foto: Jerôme Galland)

 5 – Retoques finais

Após aplicar as partes metálicas, o artesão marca o logo Hermès com ferro quente, assina a peça e faz a última limpeza (acima). A bolsa está pronta. É hora de examiná-la em busca de imperfeições. Se aprovada, ela segue para um depósito onde há outra inspeção do controle de qualidade. As que passam no teste são colocadas num saco de feltro e na caixa laranja característica da marca. Depois, são enviadas às lojas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO