Cinema

Começa a 32ª Mostra Internacional de Cinema

Entre clássicos e inéditos, a Mostra Internacional traz, a partir da próxima sexta, mais de 450 filmes a 21 salas da cidade

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

Quando assistiu a Nuvem 9 no Festival de Cannes, em maio, o casal Leon Cakoff e Renata de Almeida achou que o drama alemão, sobre um triângulo amoroso na terceira idade, tinha a cara da Mostra Internacional de Cinema. Organizadores do evento cinematográfico mais importante do ano, eles decidiram incluir a fita na programação. Mas não foi tão fácil trazê-la para a 32ª edição, que começa na sexta (17) em 22 salas da cidade. Entre longas e curtas-metragens, são 453 filmes, vindos de 75 países. A cópia de Nuvem 9, assim como pouco mais da metade dos títulos programados em película – os demais serão vistos no sistema digital –, percorre tortuoso caminho até ser projetada para o público. Depois que voltam de Cannes e de outros festivais estrangeiros, como Veneza e Berlim, Renata e Cakoff convidam diretores e produtores a exibir seus trabalhos por aqui. Caso a proposta seja aceita, eles esperam cerca de uma semana até a fita vir do exterior. Liberada na alfândega, revisores checam seu estado e uma equipe de legendagem é acionada para traduzir os diálogos. Com a ajuda de um programa de computador, finalmente os mais de 450 filmes são distribuídos pelas 1 200 sessões do evento.

É por eles não terem conseguido cópias que dois títulos laureados deixarão um certo vazio na Mostra de 2008. Sem Entre les Murs, Palma de Ouro em Cannes, nem The Wrestler, Leão de Ouro em Veneza, Renata e Cakoff vão tentar contentar os cinéfilos com uma seleção de longas que não têm exibição garantida na cidade. É o caso dos novos trabalhos do israelense Amos Gitai (Mais Tarde Você Entenderá), do iraniano Majid Majid (A Canção dos Pardais), do russo Alexander Sokurov (Alexandra) e do holandês Jos Stelling (Duska).

Quem quiser se antecipar e ver os filmes que até dezembro (ou só em 2009) chegarão ao circuito também terá uma agenda de alta rotatividade. Estão confirmadas as mais recentes investidas de Woody Allen (Vicky Cristina Barcelona), Jonathan Demme (O Casamento de Rachel), Guy Ritchie (RocknRolla – A Grande Roubada) e Atom Egoyan (Adoração). Ainda devem provocar filas as parcerias dos irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne em O Silêncio de Lorna (o melhor roteiro em Cannes) e dos americanos Ethan e Joel Coen com a comédia criminal Queime Depois de Ler. Em primeira mão no Brasil, Che, de Steven Soderbergh, que deu a Benicio Del Toro o troféu de o melhor ator em Cannes, testará a resistência da platéia com suas mais de quatro horas de duração.

Xodós dos organizadores, as retrospectivas têm poltrona cativa. O diretor sueco Ingmar Bergman (1918-2007) estará representado por onze relíquias do início de sua carreira. Entre elas, Crise, seu primeiro longa-metragem, de 1946. Já de Kihachi Okamoto (1923-2005), cineasta japonês que teria influenciado diretores contemporâneos como Quentin Tarantino e Jim Jarmusch, serão catorze títulos, com destaque para o emblemático A Espada da Maldição (1966). Reserve um (bom) tempo para duas reprises muito especiais. Os 900 minutos da monumental telessérie Berlin Alexanderplatz (1980), do alemão Rainer Werner Fassbinder (1945- 1982), serão divididos em sete dias. E a Mostra fecha em alto estilo projetando duas vezes a cópia restaurada do grandioso O Poderoso Chefão (1972), de Francis Ford Coppola, eleito no mês passado o melhor filme de todos os tempos pela conceituada revista britânica Empire. Ou seja: cinéfilos, preparem-se!

• 32ª Mostra Internacional de Cinema. De segunda a quinta, os ingressos custam R$ 14,00; de sexta a domingo, R$ 18,00. A permanente integral, que dá acesso a todas as sessões e está sendo vendida no Conjunto Nacional ( 3266-3702 e 3266-3705), sai por R$ 390,00; para assistir somente às sessões vesperais (até 17h55), de segunda a sexta, o preço cai para R$ 90,00. Há pacotes com vinte (R$ 165,00) e quarenta (R$ 285,00) ingressos de livre escolha. No Centro Cultural São Paulo, Olido, Faap e vão livre do Masp, a entrada é grátis.

Nove filmes para garantir o ingresso

Queime Depois de Ler

Trata-se da volta dos irmãos Ethan e Joel Coen depois de levar neste ano quatro Oscar, incluindo os de melhor filme e direção, por Onde os Fracos Não Têm Vez. George Clooney, Frances McDormand (foto) e Brad Pitt embarcam numa comédia de contratempos sobre um arquivo comprometedor de um ex-agente da CIA.

A Duquesa

A inglesa Keira Knightley retoma os papéis de época que lhe renderam elogios em filmes como Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação. A bela interpreta a duquesa de Devonshire, aristocrata do século XVIII presa ao casamento com um marido infiel. Um escândalo se anuncia quando ela se apaixona por um jovem político.

Katyn

O cineasta polonês Andrzej Wajda, de 82 anos, ganhou fama internacional com O Homem de Mármore (1976) e O Homem de Ferro (1981). Andava sumido do circuito comercial até ressurgir com este drama de guerra indicado ao Oscar 2008 de o melhor filme estrangeiro. A história acompanha a trajetória de quatro famílias na Polônia durante a II Guerra.

O Casamento de Rachel

Em competição pelo Leão de Ouro no recente Festival de Veneza, o diretor americano Jonathan Demme parece ter reencontrado com este drama o sucesso de seu O Silêncio dos Inocentes (1991). Na trama, uma jovem retorna à cidade natal depois de sair de uma clínica de reabilitação. É nesse delicado momento que a harmonia familiar sofre sérios abalos.

O Menino do Pijama Listrado

A adaptação do romance homônimo do irlandês John Boyne chega à Mostra antes de estrear nos cinemas americanos. No Brasil, deve ser lançado só em março. A trama cobre o encontro de um menino de 8 anos, filho de um oficial nazista, com um garoto aprisionado num campo de concentração durante a II Guerra.

Hanami – Cerejeiras em Flor

Uma belíssima surpresa vinda da Alemanha, assinada pela diretora Doris Dörrie, que causou certo furor em 1985 com a comédia Homens. É fácil se comover com o drama de um casal de uma pequena cidade alemã às voltas com o descaso dos filhos, a morte iminente e o tocante reencontro com a vida em Tóquio.

Gomorra

O trabalho do diretor italiano Matteo Garrone promete causar a mesma sensação que ouriçou o Festival de Cannes, de onde saiu com o Grande Prêmio do Júri. Embora dispare sua narrativa para muitos focos e tenha um número excessivo de personagens, a fita não usa meias palavras para mostrar os meandros da máfia napolitana.

Mais Tarde Você Entenderá

Aos 80 anos, a grande dama francesa Jeanne Moreau volta ao cinema comandada pelo cineasta israelense Amos Gitai, de Free Zone. Ela interpreta uma senhora russa que esconde suas origens do filho (Hippolyte Girardot). Ele, então, decide ir atrás dos antepassados numa longa jornada com a família.

Vicky Cristina Barcelona

O americano Woody Allen rodou seus três filmes anteriores na Inglaterra e agora escolhe a baladeira cidade espanhola como palco de mais uma comédia dramática. É em Barcelona que as americanas Vicky e Cristina conhecem um artista mulherengo ainda ligado à ex-mulher. Scarlett Johansson, Javier Bardem (na foto) e Penélope Cruz estão no elenco.

Fonte: VEJA SÃO PAULO