Carreira

Claudio Almeida: do inglês para o português

Dono da Quoted, paulistano atua na tradução de títulos de algumas das franquias mais badaladas do mercado

Por: Flora Monteiro

Capa 2274 - Claudio Almeida
O tradutor Claudio Almeida: 800 jogos em casa (Foto: Mario Rodrigues)

Pode-se dizer que o paulistano Claudio Almeida teve uma infância de sorte: durante trinta anos, seu pai foi gerente da fábrica de brinquedos Estrela. “Eu ganhava de tudo, desde produtos nacionais até importados”, lembra. Hoje com 53 anos, ele não guarda mais bonecos nem carrinhos nas prateleiras de sua casa, mas cerca de 800 games, dos mais populares às edições de colecionador. “Sou apaixonado por jogos desde criança”, afirma Almeida, que conseguiu transformar a fissura juvenil em carreira.

+ Paulistanos transformam paixão por games em profissão

+ Seis perfis de nerds com orgulho que se orgulham de ser nerds

Ele é dono da Quoted, que atua na tradução de títulos de algumas das franquias mais badaladas do mercado, como “Fifa Soccer”, ”F1”, “Harry Potter”, “Batman”, “O Senhor dos Anéis”, “The Sims” e “SimCity”. Com quarenta funcionários, a empresa encerrou o ano de 2011 com um faturamento de 1,7 milhão de reais — mais que o dobro do registrado há cinco anos. “Produzir a versão em português significa adaptá-la ao nosso jeito de falar e ao contexto do país”, explica. O resultado também depende do nível de conhecimento sobre os personagens. “A edição brasileira do ‘Batman' só ficará interessante se eu souber como é o comportamento do super-herói nos quadrinhos e nos filmes”, exemplifica.

A missão se torna mais complicada porque ele não recebe o jogo, apenas um roteiro para ser traduzido. Assim, algumas desenvolvedoras, como a Electronic Arts, convocam o profissional para o chamado “teste de linguagem” antes do lançamento. Ele fica cerca de vinte dias confinado em uma sala da empresa no exterior — para evitar o vazamento de informações —, analisando todas as possibilidades do jogo e verificando se há erro na sincronia do texto com a ação. “A maior graça da minha profissão não é traduzir, e sim testar”, resume Almeida.

Fonte: VEJA SÃO PAULO