Crianças

Três espetáculos em cartaz que adaptam clássicos contos de fadas

O palco é das princesas em três teatros da cidade

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Chapeuzinho Vermelho, Cinderella e Rapunzel são as opções

  • Esta encenação é salpicada de assuntos comuns ao universo infantil contemporâneo. O lobo sofre bullying e ainda na escola ganha o apelido de “Lobo Mau” e desde então começa a agir como tal. Chapeuzinho, a heroína travessa que vai pela estrada errada, percebe que não agiu certo ao desobedecer a sua mãe e se arrepende. A vovó, que na versão dos irmãos Grimm é devorada pelo Lobo, usa sua esperteza e consegue fugir. O resultado da adaptação fica divertido e além de tudo educativo. De 17/5 a 26/6/2016.
    Saiba mais
  • Há males que vêm para bem. Os percalços enfrentados pela produção brasileira do musical de Richard Rodgers e Oscar Hammerstein, como a desistência dos diretores Ernesto Piccolo e Ulysses Cruz em fase de ensaios, não comprometeram o resultado do espetáculo que, enfim, pode ser visto no Teatro Alfa. Pelo contrário, a experiência e o inegável talento da dupla Charles Möeller e Claudio Botelho são fundamentais para manter a aura de encantamento do conto de fadas sem escorregar na pieguice e ainda abrir espaço às mensagens políticas e sociais embutidas no texto. As coisas andam um tanto nebulosas no reino. O príncipe Topher (vivido por Bruno Narchi) atravessa uma crise existencial e questiona se tem vocação para o poder. Há os que se aproveitam disso para manipulá-lo, e um grande baile é organizado na corte para encontrar uma noiva para o rapaz. Bianca Tadini interpreta a gata borralheira, que, transformada em princesa por algumas horas, conquista o coração do rapaz e ainda abre seus olhos para as injustiças contra os pobres da vizinhança. Os protagonistas têm o tipo ideal para os personagens, transmitindo doçura e delicadeza. Na pele da madrasta, Totia Meireles, sempre competente, ainda se mostra tímida e, aos poucos, deve cravar mais personalidade à vilã. Ivanna Domenyco, Bruno Sigrist, Giulia Nadruz e Carlos Capeletti são os destaques entre os coadjuvantes. Direção musical de Carlos Bauzys. Estreou em 11/3/2016. Até 5/6/2016.
    Saiba mais
  • Crianças e seus acompanhantes são transportados ao universo de Rapunzel, numa adaptação da companhia Le Plat du Jour para o conto dos irmãos Grimm. A atmosfera é de fantasia, e a dupla Natália Presser (no papel de Rapunzel) e Ziza Brisola (que interpreta a Bruxa Malvada) passa longe do dramalhão. Do original, restam as longas tranças da mocinha e uma vilã daquelas bem bravas. Aqui, a fúria da Bruxa começa quando o pai de Rapunzel rouba seus rabanetes de estimação para satisfazer os desejos da esposa, ainda grávida. Como vingança, a menina é sequestrada após o nascimento e aprisionada em uma casa na árvore. Chama atenção o revezamento das atrizes em seis personagens. Recomendado a partir de 3 anos. Estreou em 11/1/2014. Até 29/7/2016.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO