Comportamento

Aflições paulistanas: ciúmes na internet

A web potencializa o comportamento paranoico e reforça a sensação de poder controlar o companheiro

Por: Daniel Bergamasco

Capa 2281 - Aflições paulistanas - Ciúmes
Eduardo Ferreira-Santos: “o inseguro tem uma autoestima baixa e um amor próprio alto, então se acha o centro do mundo" (Foto: Ilustração: Negreiros)

No escritório do detetive particular Felipe Lacerda, a maior parte da clientela chega munida de pistas digitais sobre a suposta traição do companheiro. “Trazem fotos do Facebook e até conta de celular”, diz ele. São neuroses em uma época de “perseguição digital”, para usar a expressão da analista do comportamento Regina Wielenska. “Isso se tornou um dos assuntos conjugais mais presentes nas sessões”, conta a profissional. “As pessoas fazem mil deduções sobre o que pode estar acontecendo, e um ‘olá’ de um amigo da namorada numa rede social parece algo suspeito. E aí vem o sofrimento, o dilema se devem perguntar ou não quem escreveu a mensagem, com medo de parecer uma intromissão ou de ouvir a resposta.”

+ Conheça as dez aflições paulistanas

+ Sites de namoro: paquera com endereço certo

Especialista em ciúme, o psiquiatra e psicoterapeuta Eduardo Ferreira-Santos diz que a web está potencializando esse comportamento paranoico e reforçando a sensação de que é possível ter controle absoluto do amado. “A pessoa vira uma chata e vai desgastando o relacionamento até o parceiro se sentir vampirizado e não aguentar”, afirma. “O inseguro tem uma autoestima baixa e um amor próprio alto, então se acha o centro do mundo. Entrar nesse jogo só piora: quanto maiores as concessões que o alvo da vigilância fizer, mais o outro vai exigir.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO