Memória

Cissa Guimarães desabafa sobre revisão de sentença de assassino do filho

De acordo com a atriz, motorista que matou Rafael Mascarenhas foi condenado a prestar serviços comunitários por três anos

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Cissa Guimarães
Cissa Guimarães ao lado do filho Rafael, morto em 2010 (Foto: Reprodução)

Nesta terça (3), a atriz Cissa Guimarães usou o Instagram para comentar a revisão de decisão judicial sobre a morte de seu filho, Rafael Mascarenhas, em 2010. O rapaz de 19 anos foi atropelado enquanto andava de skate dentro de um túnel fechado para manutenção na Gávea, no Rio de Janeiro.  

+ Contra 'máfia da merenda', estudantes ocupam Assembleia Legistativa

Em janeiro do ano passado, Rafael de Souza Bussamra e seu pai, Roberto Bussamra, haviam sido condenados em primeira instância à prisão. O jovem deveria cumprir sete anos em regime fechado e cinco anos e nove meses em semiaberto. Já o pai dele recebeu sentença de oito anos e nove meses em regime fechado, por tentiva de acobertar o crime. Os réus recorreram da decisão e o resultado do processo foi divulgado nesta terça (5).

+ Conheça a refugiada síria escolhida para conduzir a tocha olímpica

Ao sair do jugamento, a atriz publicou uma ilustração do filho e aproveitou para fazer um desabafo sobre o resultado. Segundo ela, a pena de ambos foi reduzida à prestação de serviços comunitários. "Saio do julgamento do processo do meu filho Rafael Mascarenhas com o peso da sentença: três anos e alguns meses de serviço comunitário por homicídio para o atropelador/assassino do meu filho. Ficarão livres prestando serviços comunitários", escreveu na legenda.

Leia na íntegra:

cissa-guimaraes-desabafo-instagram
Homenagem publicada por Cissa Guimaraes no Instagram (Foto: Reprodução/Instagram)

"Saio do julgamento d processo d meu filho Rafael com o peso d sentença : 3 anos e alguns meses d serviço comunitário p homicídio p o atropelador/assassino d meu filho. 3 anos e alguns meses d serviço comunitário p corrupção p o pai d atropelador/assassino d meu filho. Ficarão livres prestando serviços comunitários. Fico pensando q depois d terem feito isto, que serviços comunitários perigosos essas pessoas prestarão à nossa sociedade. Medo. Tristeza. Injustiça. Agradeço c o que restou d meu coração à todas às manifestações d apoio, carinho e respeito q eu e minha família sempre recebemos nestes 6 anos sem nosso Rafa. Como diz Guimarães Rosa, "viver é muito perigoso". MUITA LUZZZZZ p nós! SALVE RAFAEL!!!!""

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO