CINEMA

Novo 'Sete Homens e um Destino' e animação 'Cegonhas' entram em cartaz

Entre as catorze estreias da semana, a comédia brasileira Tô Ryca! também tem potencial para lotar salas de exibição

Por: Tiago Faria

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Comédias, dramas, suspense psicológico, faroeste e até uma animação para toda a família: são nada menos que catorze as novas opções em cartaz a partir desta quinta (22) nos cinemas de São Paulo.

+ 15 filmes com final surpreendente para ver na Netflix

As maiores estreias são o remake de Sete Homens e um Destino, versão violenta e despretensiosa para a fita de bangue-bangue de 1960, o esperto desenho Cegonhas - A História que não Te Contaram, com um time divertido de animais fofos e engraçadíssimos, e a comédia brasileira Tô Ryca!, com Samatha Schmütz no papel de uma pobretona que, da noite para o dia, vive dias de rainha do camarote.

+ Os 27 melhores filmes disponíveis na Netflix

Os grandes lançamentos têm potencial para agradar ao público e lotar salas de exibição. São corretos, embora pouco originais ou empolgantes. As melhores estreias da semana, no entanto, estão escondidas no circuito alternativo. Filmado em Montevidéu, o suspense psicológico O Silêncio do Céu é a melhor delas: conduzido por Marco Dutra, codiretor de Trabalhar Cansa, narra uma trama engenhosa com um quê hitchcockiano. Já o intenso drama francês Meu Rei radiografa os altos e baixos de um casamento atribulado.

Confira todas as novidades que chegam às telas da cidade:

  • Comédia dramática

    Belas Famílias
    VejaSP
    Sem avaliação
    De passagem pela França, o executivo Jérôme (Mathieu Amalric) tem uma notícia pouco agradável: a casa onde viveu na infância se tornou objeto de uma disputa familiar. O experiente diretor de Cyrano (1990) conduz Belas Famílias com segurança, mas não tira da mesmice um script genérico. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • Para quem sentiu falta de piadas um pouco menos inocentes no fofo Pets — A Vida Secreta dos Bichos, Cegonhas — A História que Não Te Contaram será opção certeira. Na animação esperta, as aves brancas deixaram para trás os dias de entrega de recém-nascidos e passaram a trabalhar para uma empresa de vendas via internet. Não é mais autorizado produzir bebês. Daí o desespero de Junior, um dos principais entregadores, ao descobrir que uma criança nasceu acidentalmente na fábrica. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • O drama Charlote SP usa smartphones para descrever a amizade entre uma modelo rica (Fernanda Coutinho) e um cineasta pé no chão (Guilherme Leal). Com lentes trêmulas, o argumento banaliza os contrastes de São Paulo. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • A rotina da oficina criativa do Hospital Psiquiátrico São Pedro, em Porto Alegre, é tema do documentário. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • Dramas biográficos cometem um erro básico quando apelam para fórmulas convencionais que, de tão recorrentes, se tornaram inofensivas. É o caso do modesto O Homem que Viu o Infinito. Sem formação acadêmica, Srinivasa Ramanujan (Dev Patel) deixou uma vida de pobreza na Índia para, acolhido pelo excêntrico professor G.H. Hardy (Jeremy Irons) na Inglaterra do início do século XX, mudar os padrões da matemática. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • O ponto de partida romântico e fantasioso de Lembranças de um Amor Eterno casa com o estilo do diretor italiano de Cinema Paradiso e Malena. Como de costume na trajetória do cineasta, porém, o sopro de ânimo resulta em um dramalhão cafona. A heroína é uma estudante de astrofísica (Olga Kurylenko) envolvida em um romance secreto com um professor da área (Jeremy irons). Misteriosamente, ele desaparece e, nos dias seguintes, a amante só consegue contactá-lo via mensagens de celular e cartas. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • As marginais de São Paulo inspiram documentário que mostra curiosidades das vias da capital. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • A diretora e atriz francesa Maïwenn buscou na própria vida algumas das referências para compor a atribulada história de amor do drama Meu Rei. Mas, na plateia, muitos casais de longa data se identificarão com o retrato do romance entre a metódica Tony (Emmanuelle Bercot) e o impulsivo Georgio (Vincent Cassel). O roteiro dá saltos no tempo para radiografar um casamento em desequilíbrio. Na segunda parte, mostra-se previsível e cansativo. Ainda assim, o registro realista torna genuínos a alegria e o sofrimento dos personagens. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • Embora inventivo na forma, Olympia 2016 tem conteúdo raso. A mistura de documentário e ficção científica gera uma denúncia imprecisa e ampla demais sobre escândalos de corrupção no Brasil. Estreou em 15/9/2016.
    Saiba mais
  • Com entrevistas e cenas de arquivo, o documentário relembra a trajetória do clube paulistano. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • No ano em que Hollywood recriou o épico bíblico Ben-Hur como uma fita de ação para as novas gerações, nada mais natural que uma versão 2.0 de Sete Homens e Um Destino. Sinal dos tempos: o faroeste americano de 1960 — inspirado no clássico japonês Os Sete Samurais (1954), de Akira Kurosawa — é repaginado como um blockbuster casca-grossa, barulhento e politicamente correto, em sintonia com os “textões” sobre diversidade tão populares nas redes sociais. Multicultural, a gangue de foras da lei liderada pelo atirador sam Chisolm (Denzel Washington) enfrenta a tirania de um explorador de terras (um afetado e impagável Peter Sarsgaard). Não há sutilezas no conto moral narrado pelo diretor Antoine Fuqua, de fitas violentas e sem firulas como Dia de Treinamento e O Protetor. Desta vez, o cineasta pega leve tanto na carga de ambição quanto na de brutalidade, engatilhada em um clímax explosivo. Até lá, ele apresenta os justiceiros da cidade de Rose Creek, convocados para ajudar cidadãos expulsos do próprio lar. São ora caricaturais, como o índio Red Harvest (Martin Sensmeier), ora enigmáticos, caso do veterano Goodnight Robicheaux (Ethan Hawke). Entre um e outro extremo, é Chris Pratt, como o truqueiro Josh Faraday, quem se movimenta com mais gingado no tiroteio. Astro da vez, atua como se mandasse um recado ao espectador mais sisudo: isto é apenas entretenimento. E dos eficientes. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • Nos filmes de terror, o diretor paulistano Marco Dutra buscou inspiração para criar o ar misterioso dos longas Trabalhar Cansa e Quando Eu Era Vivo. Filmado em Montevidéu, O Silêncio do Céu acrescenta a esse estilo uma camada densa de suspense psicológico, com um quê de Hitchcock. O enredo abre com uma cena chocante: dentro de casa, Diana (Carolina Dieckmann) é estuprada por dois homens. Ela guarda o segredo sem saber que o seu marido, Mario (Leonardo Sbaraglia), também viu o crime e ficou calado. Resolver ou não o trauma? O tormento aflige os personagens e, cena a cena, ganha a dimensão de um thriller engenhoso. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • Comédia

    Tô Ryca
    VejaSP
    Sem avaliação
    Depois de Até que a Sorte Nos Separe e Um Suburbano Sortudo, Tô Ryca! é a nova aposta brasileira sobre zés-ninguém que, da noite para o dia, puseram a mão numa fortuna. A espevitada Selminha é quem, no caso, se torna rainha do camarote. Para ganhar a herança de um tio rico, ela precisa cumprir um desafio aparentemente fácil: gastar 30 milhões de reais em trinta dias. À vontade em cena, Samantha Schmütz garante risadas. O roteiro, no entanto, aborrece quando tenta criticar o espetáculo da política brasileira. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais
  • Nem o reencontro na tela de Gérard Depardieu e Isabelle Huppert faz engrenar o vago e decepcionante O Vale do Amor. Em trama sem rumo, os astros interpretam um casal divorciado que deixa as diferenças de lado para viajar juntos para a Califórnia e seguir as instruções de uma carta deixada pelo filho, que se suicidou. Estreou em 22/9/2016.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO