Cinema

Aventura juvenil 'Maze Runner' está entre as estreias

Chegam aos cinemas nesta quinta (17), além do segundo episódio da série de ação, dois filmes franceses e um documentário sobre o samba

Por: Veja São Paulo

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Sete filmes chegam aos cinemas da cidade nesta quinta (17). Estreando em um número expressivo de salas, Maze Runner - Prova de Fogo é o segundo episódio da série juvenil. Exibido na abertura do Festival de Cannes, o francês De Cabeça Erguida faz uma radiografia do sistema educacional e penitenciário do país ao retratar a vida de um menor infrator. O documentário Damas do Samba, também em estreia, aborda o papel das mulheres no gênero musical.

+ Outras notícias de cinema no Blog do Miguel

Confira as salas e os horários:

  • No documentário, a diretora Susanna Lira aborda o papel da mulher no samba, oferecendo ao público uma retrospectiva do gênero musical. Depoimentos de nomes importantes como Beth Carvalho e Dona Ivone Lara compõem uma radiografia do ritmo. Passistas e intérpretes falam sobre a rotina de ensaios nas escolas de samba. Estreou em 17/9/2015.
    Saiba mais
  • Narrado em tom realista, o drama é uma radiografia cruel de como um menor infrator é tratado pelo sistema educativo e penitenciário francês. Exibido na abertura do Festival de Cannes de 2015, o filme acompanha a rotina explosiva de Malony, desde os 6 anos, quando é entregue pela mãe (Sara Forestier) ao juizado de menor, até a adolescência. Sem estrutura familiar e desamparado pela sociedade, o jovem delinquente (interpretado pelo ator não profissional Rod Paradot) vive entrando e fugindo de centros de recuperação social, onde tem acessos de fúria ao desafiar as regras de convívio. No papel de uma segunda mãe durona, a juíza Florence (Catherine Deneuve) tenta em vão corrigi-lo, sem acreditar muito na eficiência do próprio sistema. A diretora Emmanuelle Bercot é precisa ao mostrar a tensão corporal que toma conta de Malony nos primeiros anos, nos quais ele rejeita qualquer tipo de contato social. Nesse sentido, são lindas as cenas em que o garoto aceita sem jeito um beijo da namorada e recebe uma massagem da enfermeira. Ecoando Os Incompreendidos (1959), uma das obras-primas de François Truffaut, o longa é duro por não oferecer sinais de esperança, mas tocante nos detalhes. Estreou em 17/9/2015.
    Saiba mais
  • Exibido no Festival de Veneza de 2014, o drama israelense escapa de uma armadilha típica de fitas sobre temas difíceis como eutanásia e Mal de Alzheimer: em vez de seguir a cartilha e apelar para um tom choroso, exageradamente deprê, o longa-metragem dirigido por Sharon Maymon e Tal Granit observa o cotidiano cinzento de um grupo de amigos, moradores de uma casa de repouso para idosos, com um fio de humor. A ousadia funciona graças ao ótimo time de atores veteranos, capaz de garantir credibilidade até aos momentos mais fantasiosos do enredo. No asilo em Jerusalém, o tempo é de despedida: não há mais esperanças para um dos moradores, preso a uma cama de hospital, em estado terminal. Para garantir a ele um morte rápida e indolor, seus colegas maquinam uma série de planos, mas chegam à conclusão de que seriam incapazes de colocá-los em prática. Com mania de criar traquitanas, Yehezkel (papel de Ze’ev Revach) resolve criar uma máquina de “auto-eutanásia”: ao clicar o botão, o paciente injeta no próprio organismo doses de um medicamento fatal. Quando os rumores sobre a invenção se espalha, mais e mais pessoas começam a se interessar pela ideia de adotar o método ilegal. Entre elas está a mulher do próprio autor da ideia, Levana (Levana Finkelstein), inconformada com os efeitos da fase final do Alzheimer. Estreou em 17/9/2015.
    Saiba mais
  • Italiano radicado no Brasil e um dos expoentes do cinema marginal dos anos 70, Andrea Tonacci não costuma fazer concessões em seus filmes, ou seja, não torna a obra mais palatável ao público pensando nos padrões de mercado. É bom que se diga isso antes de falar do documentário Já Visto, Jamais Visto. Estamos diante de uma fita experimental em todos os sentidos: a ausência de roteiro, a combinação de formatos (fotografias, trechos de vídeo em VHS, pinturas filmadas) e a despreocupação com diálogos. Tonacci propõe-se a mexer no baú da memória e apresentar ao público trechos de filmes antigos de sua autoria, como o curta Olho por Olho (1966) e o longa Bang Bang (1970), gravações caseiras com o filho em viagens pela Itália e sobreposições de imagens. A montagem torna-se, portanto, um elemento primordial, dando novo significado a peças do passado, mas muitas lembranças despertadas pelo diretor são impenetráveis ao público, fazendo da viagem no tempo um exercício pessoal e restrito. Estreou em 17/9/2015.
    Saiba mais
  • Aventura / Ficção científica

    Maze Runner: Prova de Fogo
    VejaSP
    Sem avaliação
    O segundo episódio da saga juvenil Maze Runner, série escrita pelo americano James Dashner, parece perdido no espaço. O diretor Wes Ball aposta num ritmo de game e esquece a narrativa, preenchida com cenas de ação que servem apenas para disfarçar a história fraca, sem pé nem cabeça. Jogado num labirinto cheio de mistérios no primeiro longa, o destemido Thomas (Dylan O'Brien) está de volta para liderar jovens prisioneiros de uma enigmática organização chamada C.R.U.E.L. De maneira velada, eles são conduzidos a experiências que têm a ver com a imunidade especial da qual são portadores. Desconfiado, Thomas decide investigar mais a fundo e descobre uma razão sórdida por trás das pesquisas envolvendo os corpos dos garotos. Com a ajuda de Minho (Ki Hong Lee), Teresa (Kaya Scodelario), Newt (Thomas Brodie-Sangster) e companhia, o herói conduz uma fuga espetacular por um deserto pós-apocalíptico como se fosse uma visita aos cenários de Mad Max. Surgem no caminho da turma zumbis e criaturas asquerosas. Perseguido pelo dissimulado e impiedoso Janson (Aidan Gillen), o comandante da organização, o bando busca refúgio em meio a um exército escondido nas montanhas, mas, antes, se perde numa festa regada a drogas alucinógenas. Estreou em 17/9/2015.
    Saiba mais
  • Em seu primeiro longa-metragem, a diretora Julia Zakia apresenta a história de cumplicidade entre duas meninas ciganas violentamente separadas na infância. A pequena Reka, após se perder de seu grupo, é criada no casarão de uma fazenda administrada por uma condessa. Estreou em 17/9/2015.
    Saiba mais
  • Inspirado por experiências pessoais, o diretor Nils Malmros narra como se desenrolou uma tragédia familiar. Ao chegar em casa, o cineasta Johannes (Jakob Cedergren) dá de cara com uma atitude cruel e inexplicável de sua esposa, a professora Signe (Helle Fagralid). Sem um motivo aparente, ela parece ter matado a filha de 9 meses. Convencido de sua inocência, ele tenta evitar a condenação da mulher. Estreou em 17/9/2015.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO