Cultura

Tombamento do Cine Ipiranga é confirmado

Edifício está fechado desde 2005; prefeitura quer reabrir o cinema, mas não existe prazo

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

Cine Ipiranga_2144
Projetado pelo arquiteto Rino Levi e aberto em 1943, o Cine Ipiranga em nada lembra o luxo que lhe rendeu o título de principal cinema paulistano (Foto: Fernando Moraes)

A Secretaria de Estado da Cultura confirmou nesta terça-feira (14) o tombamento do prédio do Cine Ipiranga e Hotel Excelsior, no centro de São Paulo. A resolução foi publicada no Diário Oficial. A medida já havia sido autorizada em sessão de 25 de outubro de 2010 do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), mas só agora foi oficializada.

+ Inauguração do terminal 3 de Cumbica é destaque no final de semana

O edifício tinha tombamento assegurado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp) desde 2009. De lá para cá, a prefeitura toca uma ação de desapropriação do lugar para reabri-lo como cinema de rua.Entretanto, não existe prazo.

Além da uma decisão judicial favorável, o município precisa ainda é fazer avaliações e orçamentos para uma reforma interna, motivo pelo qual não há qualquer prazo para a reinauguração. Os planos fazem parte de uma espécie de revitalização da região da Cinelândia Paulista, que abrigou boa parte das luxuosas salas da capital.

Atualmente, o prédio do Cine Ipiranga pertence à imobiliária Savoy. Procurada, não respondeu até o início desta noite sobre as previsões de utilização do edifício.

+ Gols e problemas marcam a festa na Arena Corinthians

Inaugurado em 1943, com uma sessão de Seis Destinos, de Julien Duvivier, o Cine Ipiranga foi, durante três décadas, uma das melhores salas da cidade. O projeto assinado pelo arquiteto Rino Levi à altura dos números 770 e 786 da Avenida Ipiranga é considerado um marco no processo de modernização da cidade no século passado.

Nos tempos de glória, eram 1 100 lugares na plateia, mais 400 poltronas no balcão. No fim dos anos 70, porém, foi dividido em duas salas, como permaneceu até o fechamento em 2005.

Fonte: VEJA SÃO PAULO