Comidinhas

Cinco endereços de comidinhas orientais incríveis

O roteiro de sotaque japonês tem desde um trivial pastel até pãozinho doce de feijão-azuqui

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Hirota Food Express
Comida pronta: Hirota food express (Foto: Valdir Reis )

São é só sushi: a cidade está repleta de endereços para quem quer entrar em contato com a cultura japonesa. Na área das comidinhas, tem sim temaki, mas também tem pãozinho doce de feijão-azuqui, obentô e, por que não, pastel. Confira cinco pedacinhos de São Paulo que carregam no sotaque oriental.

+ Cinquenta bons endereços dedicados à culinária japonesa na cidade

 

Bakery Itiriki: vende quitutes de sotaque oriental como kare pan, uma massa frita recheada de frango e legumes ao curry (R$ 9,50), e o pãozinho doce de feijão-azuqui (R$ 9,50). 

Hirota Food Express: faz parte de uma rede de supermercados com dezessete endereços em São Paulo. Nas prateleiras,em meio a cerca de 3 000 itens, destacam-se as comidas frescas de produção própria, prontas para levar ou comer no local. É o caso do obentô tonkatsu com flé de copa lombo suíno, empanado que custa R$ 19,98. No último dia 10, a marca inaugurou outra loja nos mesmos moldes, no Shopping Eldorado. 

Temakeria e Cia: produz temakis fartamente recheados a preços moderados. Um cone de salmão custa R$ 12,50 na porção de 80 gramas. Numa versão mais incrementada, esse mesmo peixe chega combinado a cream cheese, amêndoas e raspas de limão (R$ 17,90, 80 gramas).

Yoka: o pequeno salão da pastelaria costuma ficar apinhado. Além dos sabores triviais, uma opção japonesa e diferentona mistura tofu, cogumelo shiitake, kamaboko (uma massa de peixe) e cebolinha a R$ 9,80. Prove ainda o delicioso bolinho de bacalhau (R$ 8,00).

Yokoyama: embora antigona, esta é uma pastelaria cara, na qual o salgado pode sair por até R$ 15,00, como é o caso do recheado de bacalhau. A qualidade do produto, porém, não é questionável. Agradam os sabores mais usuais, como frango, pizza, carne com mussarela e calabresa (R$ 8,50 cada um).

+ Sete achados das grandes redes de guloseimas

Fonte: VEJA SÃO PAULO