Transporte

Cidade terá nova paralisação de ônibus nesta quinta

Segundo o Sindicato da categoria, haverá uma reunião nesta sexta (20) para decidir os próximos passos dos trabalhadores

Por: Estadão Conteúdo

Greve ônibus
Nova greve de ônibus está prevista para esta quinta-feira (19) (Foto: Reprodução)

Motoristas e cobradores de ônibus devem fazer nova paralisação dos 29 terminais de ônibus da cidade de São Paulo, nesta quinta-feira (19), entre as 14h e 16h. 

Os trabalhadores reivindicam aumento real de 5% no salário, reajuste do tíquete refeição de R$ 19 para R$ 25 e participação nos lucros de R$ 2 mil - o dobro do valor pago no ano passado. A pauta também inclui convênio odontológico gratuito, seguro de vida e auxílio funerário. Já a proposta das empresas de transportes foi de reajuste salarial de 2,31%, abaixo da inflação, e do tíquete refeição.

O presidente do Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Funcionários do Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo), Valdevan Noventa, afirmou que a categoria também fará assembleia na sexta-feira (20) para decidir se entra em greve a partir da próxima semana. "Caso não haja acordo, com certeza a população vai ser a mais prejudicada", disse.

+ Paralisação de ônibus afeta 1,5 mi na capital

Nesta quarta-feira (18), os motoristas estacionaram os ônibus, bloquearam os terminais e cruzaram os braços das 10h às 12h. Cerca de 1,5 milhão de pessoas foram atingidas, de acordo com a Prefeitura de São Paulo.

Em nota, o SPUrbanuss (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo) classificou a manifestação de motoristas e cobradores como "desnecessária". Segundo a SPUrbanuss, a reposição salarial de 2,31% foi a "proposta possível", "diante de um quadro de recessão econômica, aumento dos insumos do transporte público e queda da demanda de passageiros". Outro fator apontado pelo sindicato patronal, seria a ausência de reajuste da "taxa-remuneração" das empresas e que é paga pela prefeitura.

+ Prefeitura processa Ronaldo por atraso de IPTU; ele diz ter quitado tudo

Em nota, a Prefeitura afirma que o impasse se trata de uma relação "privada entre empresários e empregados", mas que acompanha a questão de perto por ser um ser um serviço essencial. Segundo a gestão Fernando Haddad (PT), os subsídios para o sistema de transporte é superior a R$ 2 bilhões neste ano e cerca de 4,5 milhões de pessoas usam o sistema por dia.

Fonte: Estadão Conteúdo