A vez das joalherias

Cidade Jardim: Durante roubo, assaltante entrou na Montblanc

Um dos bandidos, suspeita-se de que por engano, entrou na Montblanc, ameaçou os funcionários com uma metralhadora e encheu sua mochila, abandonada pouco depois

Por: Alessandro Duarte, Henrique Skujis, Maria Paola de Salvo e Mariana Barros - Atualizado em

Ladrões levam mais de 100 relógios Rolex do Shopping Cidade Jardim - Montblanc - Higienópolis - 2169
Montblanc do Shopping Pátio Higienópolis: depois de assalto, mudança de andar (Foto: Fernando Moraes)

Durante a ação na Rolex do Shopping Cidade Jardim, um dos bandidos chegou a entrar na Montblanc, localizada no mesmo piso. Ameaçou os funcionários com uma metralhadora e exigiu que eles depositassem algumas mercadorias na mochila que levava. Instantes depois, porém, o criminoso saiu, deixando a sacola, e não voltou mais. Suspeita-se que ele tenha adentrado a Montblanc por engano, achando tratar-se da Rolex, ou mesmo que tenha tentado estender o roubo à loja vizinha. Seria o segundo assalto a uma filial da butique na cidade neste ano. Em janeiro, a loja da grife do Shopping Pátio Higienópolis foi invadida por um grupo armado, que rendeu funcionários e exigiu que canetas, anéis e relógios fossem colocados nas sacolas que portavam. Nem a empresa nem o shopping informam se os bandidos conseguiram levar os objetos ou se estes acabaram abandonados no local durante a fuga. Os criminosos escaparam pela saída da Rua Veiga Filho, no mesmo piso. Um mês após o incidente, a marca mudou sua localização. Foi para dois andares acima. De acordo com a empresa, a alteração estava prevista antes do assalto.

Em março do ano passado, seis homens encapuzados roubaram a joalheria Danydeb, localizada no térreo do Shopping Villa-Lobos. Duas lojas da rede The Graces foram assaltadas em 2008, em um período de menos de dois meses, no Shopping Ibirapuera e no Shopping Pátio Paulista. Segundo o delegado José Antônio do Nascimento, da Unidade de Repressão a Roubo de Joias da capital, as recentes investidas não significam que esteja havendo uma migração dos assaltos a banco ou a condomínios para roubos de empresas que vendem artigos de luxo. Para ele, trata-se apenas de mais uma modalidade entre os crimes praticados na cidade.

Fonte: VEJA SÃO PAULO