Crise hídrica

Chuva faz nível do Cantareira ficar estável

Capacidade do reservatório que abastece 6,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo caía desde 27 de setembro

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

seca 1
Carcaça de carro surge na Represa do Atibainha, que integra o Sistema Cantareira (Foto: Luís Moura/Agência Estado)

A chuva forte que caiu sobre São Paulo na segunda-feira (3) ajudou a manter estável o nível do Cantareira após uma série de baixas consecutivas na capacidade do sistema que durou 38 dias. O índice nesta terça-feira é de 11,9%, mesmo percentual anotado na segunda.

+ Previsão é de terça-feira chuvosa na capital

Desde o dia 27 de setembro, no entanto, o volume do reservatório caía diaramente. O ponto mais crítico foi no dia 23 de outubro, quando o nível do Cantareira chegou a 3%. No dia seguinte, o governo do estado passou a usar a segunda cota da reserva técnica, o chamado volume morto, fazendo a capacidade subir para 13,6%.

Ontem, 15,7 milímetros de água caíram sobre o Cantareira. No domingo, embora o volume da precipitação tenha sido maior (19,1 milímetros), houve queda no nível do reservatório, de 12,1% para 11,9%.

Outubro seco

A crise hídrica se agravou em outubro, mês mais seco em 84 anos. Desde 1930, os rios que alimentam os reservatórios não registravam uma vazão tão baixa, de 4 000 litros por segundo, apenas 14,8% da média histórica mensal — que passou a ser registrada naquela década.

+ Casas sem água na torneira são alagadas por chuva

Entraram nos reservatórios somente 10,7 bilhões de litros em outubro, quando a média é de 72,5 bilhões. Em contrapartida, 60,5 bilhões de litros deixaram as represas neste mês para abastecer 6,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo que ainda dependem do Cantareira e mais 5,5 milhões na região de Campinas, no interior paulista. Isso significa que o déficit de água alcançou 49,8 bilhões de litros, ou 5% da capacidade do sistema.

 

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO