Espiritismo

Chico Xavier nos cinemas

Saiba tudo sobre um dos nomes mais famosos do espiritismo no Brasil

Por: Redação VEJA SÃO PAULO Online - Atualizado em

Nosso Lar - 2
'Nosso Lar': filme é o próximo a ser exibido no projeto do CCBB (Foto: Divulgação)

Para os que estão ansiosos pelo segundo filme sobre Chico Xavier, o Cinemark inicia vendas antecipadas para 'Nosso Lar'. O filme com estreia prevista para 3 de setembro é inspirado na obra do médium.

Confira abaixo os filmes inspirados na vida e obra de Chico Xavier:

  • Com quase 3 milhões de espectadores em pouco mais de um mês de exibição, é inegável o sucesso da cinebiografia do médium mineiro Francisco Cândido Xavier (1910-2002). Trata-se de mais um êxito na carreira de Daniel Filho, diretor dos dois episódios de Se Eu Fosse Você. Para escrever a história, Marcos Bernstein, roteirista de Central do Brasil, inspirou-se no livro As Vidas de Chico Xavier, de Marcel Souto Maior. Na trama, o médium (interpretado por Nelson Xavier na fase madura) dá uma polêmica entrevista, em 1971, no programa Pinga-Fogo, da extinta TV Tupi. A partir daí, o enredo volta ao passado para mostrar desde a infância a vida daquele que se tornaria o mais famoso espírita do Brasil. Igualmente à vontade no papel principal estão Ângelo Antonio e o menino Matheus Costa. O filme segue uma eficaz estrutura para agradar e comover as plateias. Também faz bonito a recriação de época, a cargo do especialista Cláudio Amaral Peixoto. Estreou em 02/04/2010.
    Saiba mais
  • O livro homônimo psicografado por Chico Xavier (1910-2002) chega ao cinema numa produção com efeitos visuais desenvolvidos no Canadá e bela trilha sonora do americano Philip Glass ("As Horas"), três vezes indicado ao Oscar. No entanto, nem com tanta pompa estrangeira o drama espírita consegue camuflar seus erros. Pode parecer um paradoxo, mas, embora extremamente didática, a fita deixa no ar questões importantes ligadas ao tema. Outro deslize está na direção de arte cafona, que mistura elementos de época a desenhos futuristas — são raras as vezes em que a computação gráfica é ali bem empregada. Um roteiro de frases feitas tenta explicar o que seria o “nosso lar”, um plano espiritual aonde vai parar o médico André Luiz (Renato Prieto) depois de morrer na década de 30. Os primeiros minutos do filme são arrepiantes, ao mostrar o umbral tomado por sombras, lama e almas angustiantes à deriva. Mas não demora muito para o enredo virar um arrastado bê-á-bá do espiritismo a partir do momento em que o protagonista se dá conta de sua missão extraterrena. Sim, atinge o público-alvo — mas só ele. Estreou em 03/09/2010.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO