Especial

Pesquisa: quando o clima esquenta

Chefs admitem que a tensão da cozinha propicia romances com funcionários e até com clientes

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

Pascal Valero Vivian Araujo Capa 2213
Pascal, do Kaá, e Vivian, do Bar Seu Domingos: flerte na cozinha (Foto: Mario Rodrigues)

Território de muita tensão, a cozinha também é ambiente para romances duradouros. Que o digam Pascal Valero, titular do restaurante Kaá, no Itaim, e Vivian Araujo, consultora do Bar Seu Domingos, na Vila Madalena, juntos há quatro anos. “Eu a contratei quando estava na cozinha do extinto Le Coq Hardy, mas demorou três meses para que começássemos a namorar”, diz Valero. “Nunca tinha me envolvido com uma funcionária.” A vaga era para ajudante, e o salário, irrisório. “Ganhava 700 reais, e sem caixinha”, lembra Vivian, de 23 anos. “Só topei porque admirava o trabalho dele.” Para que não houvesse mexericos nem mal-entendidos, o chef francês, de 40 anos, pediu à namorada que se demitisse. “Não se mistura vida sentimental com trabalho,” afirma Valero.

+ Veja pesquisa completa

+ Pesquisa: lista de compras

+ Dê sua opinião sobre a pesquisa

 

gráfico capa 2213
(Foto: Veja São Paulo)

CONHECE ALGUM(A) COLEGA QUE NAMOROU ALGUÉM DA PRÓPRIA EQUIPE?

60% — Sim

40% — Não

+ Pesquisa: quem está na cozinha

+ Pesquisa: prazeres e dividendos

 

JÁ PAQUEROU ALGUM CLIENTE?

72% — Não

28% — Sim

JÁ FOI PAQUERADO POR ALGUM CLIENTE?

Sim, e ignorou — 49%

Sim, e correspondeu — 27%

Não — 24%

Fonte: VEJA SÃO PAULO