Teatro

Teatro Coletivo dá espaço para Centro Internacional de Teatro Ecum

A instituição artístico-pedagógica, trazida de Belo Horizonte, promete espaço para discussão do "fazer teatral" e uma programação intensa de espetáculos

Por: Livia Deodato - Atualizado em

Fachada do Centro Internacional de Teatro Ecum
Projeção da futura fachada do CIT-Ecum (Foto: Divulgação)

No próximo dia 15 de fevereiro será inaugurado o Centro Internacional de Teatro Ecum (CIT-Ecum, Encontro Mundial das Artes Cênicas), instituição artístico-pedagógica nascida em Belo Horizonte em 1998, e que agora se transfere para o antigo espaço do Teatro Coletivo (ex-Fábrica), na Rua da Consolação, em São Paulo.

O espaço, que foi fundado inicialmente para abrigar uma antiga fábrica de televisores (Invicta, em 1953), foi todo reformado e ampliado: ganhou novos camarins, banheiros, dois cafés e a ampliação de suas três salas.

A primeira função do novo espaço é servir como ponto de encontro para oficinas, leituras, discussões, estudos, críticas e futuras montagens dos chamados “fazedores” de teatro – de atores, bailarinos e diretores a produtores, dramaturgos e acadêmicos, tanto nacionais quanto internacionais.

+ Galerias alternativas que funcionam até dentro de residências

A equipe que vai coordenar toda essa pesquisa sistemática dentro do universo das artes cênicas conta com grandes nomes da área: Guilherme Marques (na direção geral, responsável pelo pontapé inicial do centro em Belo Horizonte); Ruy Cortez (diretor artístico-pedagógica); Rafael Steinhauser (diretor executivo); Erica Teodoro (diretora de produção); Antonio Araujo (fundador e diretor do Teatro da Vertigem) e Maria Thais (professora-doutora da USP, ambos consultores artístico-pedagógicos); Ana Teixeira (da cia. Amok de Teatro) e Fernando Mencarelli (professor da UFMG, ambos diretores associados) e Gênia Kolesnikova na direção de relações internacionais.

"Queremos oferecer à cidade de São Paulo um espaço de criação, formação e produção em artes cênicas", diz Rafael Steinhauser. Vale ressaltar que a iniciativa é voltada especialmente aos artistas e grupos que já têm uma certa trajetória na área. "Espaços para estudantes e interessados na arte teatral já estão dados. O que faltava era um centro sistemático de estudos a quem está constantemente trabalhando na área e não tinha espaço para a troca de ideias", diz Maria Thais. Ainda não há nenhum tipo de patrocínio ou parceria com instituições públicas ou privadas.

Paralelamente a esse processo, que eles chamam de pedagogia teatral, haverá uma programação intensa de espetáculos. O primeiro, que abrirá essa série que pretende ser ininterrupta, é a Trilogia Pirandello, da parceria entre Roberto Bacci e Cacá Carvalho. De 15 de fevereiro a 10 de março, serão apresentados O Homem com a Flor na Boca (dias 15/2, 22/2, 1/3 e 8/3), A Poltrona Escura (16/2, 23/2, 2/3 e 9/3) e umnenhumcemmil (17/2, 24/2, 3/3 e 10/3). Cada peça custará R$ 40,00 (inteira; R$ 20,00, meia-entrada).

Umnenhumcemmil - Trilogia Pirandello - Cacá Carvalho
Cacá Carvalho em 'umnenhumcemmil' (Foto: Lenise Pinheiro)

Há ainda uma plataforma virtual, lançada em dezembro do ano passado, que contempla todas as 30 conferências ministradas nas cinco edições anteriores do Ecum (Encontro Mundial das Artes Cênicas). Ela vai oferecer aos interessados volumes transcritos sobre tudo o que foi discutido desde a criação da instituição – do teatro latino-americano ao russo.

Abaixo, a programação completa dos próximos espetáculos do CIT-Ecum:

Trilogia Pirandello (Direção Roberto Bacci/Atuação Cacá Carvalho)

De 15 de fevereiro a 10 de março

Sala 1 – Sextas e sábados, às 21h; domingos, às 20h

Sexta (15, 22, 1 e 8) – Espetáculo O Homem com a Flor na Boca (✪✪✪)

Sábado (16, 23, 2 e 9)- Espetáculo A Poltrona Escura (✪✪✪)

Domingo (17, 24, 3 e 10) – Espetáculo umnenhumcemil (✪✪✪)

Pornô — Falcatrua Nº 18633 (Dramaturgia Eduardo Ruiz/Direção Gustavo Machado) (✪✪✪✪)

De 16 de fevereiro a 30 de março

Sala 3 – Sábados, às 24h

A Pior Banda do Mundo (Cia dos Outros/Direção Carolina Bianchi)

De 20 de fevereiro a 14 de março

Sala 1 – Quartas e quintas, às 21h

Hotel Lancaster (de Mário Bortolotto/Direção Marcos Loureiro) (✪✪✪)

De 20 de fevereiro a 14 de março

Sala 2 – Quartas e quintas, às 21h

Dizer e Não Pedir Segredo (Teatro Kunyn/Direção Luiz Fernando Marques) (✪✪✪)

De 22 de fevereiro a 16 de março

Sala 2 – Sextas e sábados, às 21h; domingos, às 20h

Recusa (Cia. Balagan/Direção Maria Thais)

De 15 de março a 14 de abril

Sala 1 – Sextas e sábados, às 21h; domingos, às 20h

Prometheus (Cia Balagan/Direção Maria Thais)

De 20 de março a 11 de abril

Sala 2 – Quartas e quintas, às 21h

Música para Cortar os Pulsos (Cia Empório de Teatro Sortido/Direção Rafael Gomes) (✪✪✪)

De 20 de março a 11 de abril

Sala 1 – Quartas e quintas, às 21h

Obscena Senhora D (Circo do Silêncio / Direção Rosi Campos e Donizeti Mazonas)

De 22 de março a 7 de abril

Sala 2 – Sextas e sábados, às 21h; domingos, às 20h

Musical De Todos os Cantos do Mundo (Mawaca)

De 7 a 28 de abril

Sala 1 – Domingos, às 16h

Fonte: VEJA SÃO PAULO