Criminalidade

Avenida Paulista lidera em roubos e furtos de celulares

Levantamento feito por uma seguradora conseguiu mapear as ruas mais visadas pelos assaltantes na capital

Por: Estadão Conteúdo

Celulares roubados
Celulares roubados: pesquisa de seguradora registrou 2 560 casos em São Paulo entre maio de 2014 e abril de 2015 (Foto: Avener Prado/Folhapress)

A Avenida Paulista, na região central de São Paulo, é muito procurada por turistas, executivos, estudantes - e ladrões. Levantamento feito por uma seguradora, entre maio de 2014 e abril de 2015, mostra que a rua que é "símbolo" da cidade também tem mais roubos e furtos de celulares.

A pesquisa foi feita pela BemMaisSeguro.com e tem por base o site Onde Fui Roubado, em que os usuários marcam em um mapa o local onde foram assaltados ou furtados, o dia, o horário e descrevem os objetos subtraídos. Durante esse período, houve 2 560 registros, o que permitiu ranquear, além das ruas mais visadas pelos assaltantes, os bairros com maior incidência desses crimes.

+ Queda de árvore deixa dois feridos na Zona Norte

Especialistas atribuem a liderança da região central na quantidade de roubos às características da área. "São ruas que têm maior movimento de pedestres nas calçadas e pessoas com maior poder aquisitivo, que têm celulares mais caros", afirma José Vicente da Silva Filho, coronel da reserva e ex-secretário da Segurança Pública.

Segundo o consultor em segurança e vice-presidente da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança (ABSEG) Hugo Tisaka, o criminoso utiliza o fator surpresa para ter sucesso. "Pessoas ao telefone estão desatentas. A vítima acha que foi roubada aleatoriamente, que poderia ter sido com qualquer um, mas não é assim. Como todo predador, o ladrão escolhe a vítima mais fácil - a que tem o melhor bem e vai oferecer menor resistência."

+ Empresário que espancou buldogues é acusado de agredir a ex-noiva

Prestígio

Marcello Ursini, presidente da BemMaisSeguro.com, atribui o interesse de ladrões ao prestígio que o aparelho ganhou nos últimos anos. "Hoje o celular é o bem de maior valor que você carrega. Há cinco anos, talvez fosse o relógio, o dinheiro da carteira, a correntinha de ouro. Hoje o smartphone de última geração custa R$ 4 mil", explica.

Atrativo

A pesquisa aponta que o prejuízo médio com a perda do aparelho é de 1 157 reais. A facilidade em recolocar o aparelho no mercado é outro atrativo para os ladrões. "O mundo do crime organizado já tem um esquema, em um mercado paralelo, para desovar celular. É um dinheiro fácil e rápido de conseguir", afirma Ursini.

+ Confira as principais notícias da cidade

Segundo as estatísticas periódicas divulgadas pela Secretaria da Segurança Pública, 46,5% dos roubos na cidade envolvem celulares. Mas a pasta não tem dados discriminados por bairros e logradouros, o que estimulou a BemMaisSeguro.com a fazer o levantamento. Além disso, a SSP usa o número de boletins de ocorrência registrados, enquanto o site Onde Fui Roubado inclui denúncias de pessoas que não fizeram o registro formal.  As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO