Primavera

Flores comestíveis podem ser encontradas na Ceagesp

Esta é a melhor época para comprar a iguaria, vendida diariamente no Mercado Livre do Produtor

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Flores Comestíveis - Ceagesp 2
Na feira da Ceagesp, a bandeja com cerca de 24 flores comestíveis custa 6 reais (Foto: Rafael Augusto da Silva)

Durante a primavera, a feira que acontece diariamente no pavilhão do Mercado Livre do Produtor, na Ceagesp, divide o espaço das frutas e verduras com algumas flores comestíveis. Essa é a melhor época do ano para comprar o ingrediente, muito apreciado por quem gosta de inovar na cozinha com pratos leves e frescos.

+ Primavera: personagens, serviços e espaços de visitação desabrocham junto com as flores

+ O mapa da Ceagesp: saiba quando e onde acontecem as feiras mais bacanas

As espécies mais procuradas para culinária são a begônia, o amor-perfeito e a capuchinha, geralmente utilizadas em saladas, sucos e em algumas sobremesas –nos pratos quentes elas são meramente decorativas, pois murcham e perdem o sabor com o calor. A bandeja com 24 flores de capuchinha custa, em média, 6 reais.

Flores Comestíveis - Ceagesp
Flores comestíveis: ingrediente procurado principalmente na primavera (Foto: Rafael Augusto da Silva)

Ao contrário do que se imagina, as flores comestíveis não devem ser compradas na feira das flores, pois são cultivadas de maneira orgânica, sem o uso de agrotóxicos. 

"Algumas espécies também são tóxicas, como a azaleia, a hortênsia e o antúrio, portanto não devem ser consumidas como alimento", alerta a nutricionista Alessandra Rodrigues.

Sobre o valor nutricional da iguaria, a médica destaca: "O que se sabe é que são ricas em água, contêm néctar (solução açucarada) e pólen (com pequena quantidade de proteína e mineirais como cálcio, cloro, cobre e ferro, entre outros). Além disso, as flores possuem grande quantidade de celulose, o que dificulta a digestão, por isso não devem ser consumidas em excesso".

Onde: CEAGESP 

Quando: Segundas, quartas e quintas, das 6h às 21h; terças, das 12h30 às 21h; sextas, das 12h30 às 22h; e sábados, das 14h às 21h.

Fonte: VEJA SÃO PAULO