Comportamento

Aflições paulistanas: casamento

De acordo com especialistas, a maioria já entra no relacionamento pensando que ele pode durar pouco

Por: Daniel Bergamasco

Capa 2281 - Aflições paulistanas - Casamento
Ailton Amélio da Silva: “se você compra um carro para usar só por cinco anos, tende a cuidar menos dele. A mesma coisa ocorre com uma união” (Foto: Ilustração: Negreiros)

Com 26 anos de atuação em direito de família, o advogado Luiz Kignel observa duas novas tendências na área. A primeira é o aumento da demanda por acordos pré-nupciais detalhados, que preveem minúcias sobre a divisão do patrimônio se a história for para o brejo. “Faz muito tempo que não trabalho com um caso de comunhão total de bens”, conta. A segunda são os casamentos após namoros breves. “A atual geração pensa que, se houver separação, não será algo tão trágico, por isso se arrisca mais.”

+ Conheça as dez aflições paulistanas

+ Dicas para quem está organizando seu casamento

Em tempos nos quais a porta de saída do matrimônio parece entreaberta, o receio de entrega emocional ampliou seu espaço no divã. Para o psicólogo Ailton Amélio da Silva, autor de vários livros e pesquisas sobre relacionamentos amorosos, as pessoas se casam prevenidas demais, pouco dispostas a aguentar as dificuldades, e vivem como se fossem dois solteiros dividindo a casa. Aparecem, então, os dilemas: vale a pena ter um filho num contexto desses? Ou perder a chance de sexo com aquela moça bonita por estar comprometido? Como suportar a barra de um divórcio? “Se você compra um carro para usar só por cinco anos, tende a cuidar menos dele. A mesma coisa ocorre com uma união”, compara Ailton. “Abrem-se precedentes perigosos, como cada um ir sozinho todas as semanas à happy hour da firma, e aí o colegão esperto, que nunca viu o marido da vizinha de baia, enxerga um caminho livre. Momentos em separado são necessários, senão o casamento vira simbiose, mas, se é para viver assim, melhor repensar se deseja mesmo entrar nessa.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO