Protestos em SP

Estudante de moda presa em protesto nega vandalismo

Luana Bernardo Lopes, de 19 anos, presa na segunda-feira (7), diz que não quebrou nada

Por: Juliana Deodoro - Atualizado em

A estudante de moda Luana Bernardo Lopes, de 19 anos, presa na segunda-feira (7) após um violento protesto em São Paulo, negou ter participado de qualquer ato de depredação do patrimônio. Ela e o amigo - "e não namorado", segundo Luana - Humberto Caporalli, de 24 anos, foram acusados de infringir a lei 7.170, conhecida como Lei de Segurança Nacional.

Em um desabafo nas redes sociais, a estudante diz: "Não quebrei nada, não depredei nenhum patrimônio publico, não bati/ quebrei/ atirei pedras em carro, loja ou estabelecimento público algum". E conta que na segunda-feira foi ao protesto com Humberto para fotografar, "com uma câmera na mão e algumas tintas (como de costume, já não me lembro o dia que saí de casa sem pelo menos um pincel, caneta e papel na bolsa)", explica. "Se cometi alguma crime nessa noite, foi o de acreditar com toda minha fé que única arma que pode mudar algo é a da arte."

Leia na íntegra o que Luana disse em seu perfil do Facebook

+ Governo cria grupo para identificar vândalos em protestos

Lei de Segurança Nacional

A polêmica prisão de Luana e Humberto - que foram soltos no dia seguinte - foi ainda maior porque a Lei de Segurança Nacional, que o delegado do 3º Distrito Policial os acusou de infringir, foi promulgada em 1983, durante a ditadura militar. Trata essencialmente de atos de terrorismo e deve ser julgada por um Tribunal Militar.

Os dois foram acusados ainda de formação de quadrilha, incitação ao crime e dano qualificado ao patrimônio público.

Em entrevista coletiva na terça-feira (8), o secretário de Segurança Pública Fernando Grella Viera afirmou que imagens gravadas pelo casal seriam usadas como provas de que eles teriam incentivado a destruição de uma viatura policial. Sobre a decisão do delegado de acusar os jovens pela Lei 7.170, Grella disse apenas que não iria emitir "juízo de valor".

protesto educação policia
Manifestantes viraram um carro da Polícia Civil (Foto: Reprodução/TV Globo)

O grupo Advogados Ativistas, que fez a defesa de Luana e Humberto, afirmou que a decisão do juiz é um alerta para que prisões em protestos sejam feitas dentro da legalidade. "Os Advogados Ativistas não admitirão que seja implementada a utilização da Lei de Segurança Nacional, criada sob um regime ditatorial e que não coadunam com um Estado Democrático de Direito."

Fonte: VEJA SÃO PAULO