Interior

Justiça condena casal a 147 anos por morte de criança

Em Ribeirão Preto, mãe e padrastro foram considerados culpados por homicídio de menina de um ano e nove meses 

Por: Veja São Paulo

Justiça
Justiça: casal de Ribeirão Preto foi condenado por morte de criança (Foto: Latinstock)

Em julgamento que durou mais de 13 horas e terminou somente no final da noite desta terça-feira (30), a mãe e o padrasto de uma menina foram condenados por sua morte, ocorrida em 2010 em Ribeirão Preto. A criança, de um ano e nove meses, teria sido espancada pelo padrasto André Fiúza Marçal, que pegou 83 anos e dez meses de prisão em regime fechado.

Falso padre do Morumbi é condenado a um ano de prisão

A mãe, Jacqueline Cristina Pereira, foi condenada a 64 anos e seis meses de reclusão porque, entre outras situações, teria sido omissa no trato com a filha, Kamilly Vitória Pereira. O padrasto respondeu por homicídio triplamente qualificado e ainda estupro de vulnerável, sendo que o advogado de ambos já informou que recorrerá da sentença. Marçal nega qualquer violência sexual, mas admite ter agredido, sem gravidade, a criança.

Joaquim

O julgamento envolvendo a menina Kamilly Vitória Pereira lembra o caso de Joaquim Ponte Marques, 3, morto em novembro do ano passado também em Ribeirão Preto. Até o promotor Marcus Túlio Nicolino e o advogado de defesa, Antônio Carlos Oliveira, são os mesmos.

Pai acusa ex-mulher de participar da morte de Joaquim

Joaquim teria sido morto pelo padrasto com uma dose excessiva de insulina e em seguida teria sido jogado em um rio. O acusado, Guilherme Longo, nega o crime, porém, também responde por homicídio triplamente qualificado. Enquanto a mãe da criança, Natália Ponte, é citada por omissão. Nesse caso, o julgamento está na fase final de audiências.

+ Confira as últimas notícias

Fonte: VEJA SÃO PAULO