Comidinhas

Casa de Bolos assa massas de jeitão caseiro para levar

Pedidas de qualidade e ótimo preço compõem a lista de 24 sabores, entre eles laranja e milho

Por: Sophia Braun - Atualizado em

Casa de Bolos
A versão de milho: R$ 9,00 a unidade de quase 1 quilo (Foto: Fernando Moraes)

Nada de recheios e coberturas enjoativos ou ingredientes sofisticados. As receitas dos quitutes da despretensiosa Casa de Bolos parecem tiradas do caderno de uma dona de casa, com massa simples e fofa. Vinda de Ribeirão Preto, no interior do estado, a marca criada em 2009 pelos irmãos Fabricio, Luis Eduardo, Daniel e Rafael Ramos ganhou o primeiro endereço na capital no ano passado, em Pinheiros. Depois, foram inauguradas mais duas franquias: na Vila Leopoldina e no Tatuapé.

Em nenhuma delas há mesas para se acomodar ou café para acompanhar os doces. Apenas um balcão e uma estante adornam os modestos salões abertos para a rua. Assim como na Bolo à Toa, também em Pinheiros, e na Tradicional Bolos Caseiros, com matriz em Moema, a ideia é vender bolos inteiros para levar.  

Casa de Bolos
Produção intensa da loja de Pinheiros: cerca de 10.000 bolos são assados por mês (Foto: Fernando Moraes)

Pedidas de qualidade e ótimo preço compõem a lista de 24 sabores. Entre os secos, encanta o de laranja incrementado por raspas da fruta. Ainda na linha cítrica, aparecem limão e maracujá. Nenhum deles supera, porém, a deliciosa massa de milho bem úmida, quase cremosa. Cada unidade de cerca de 1 quilo custa impressionantes R$ 9,00. Um pouco mais cara, a versão com uma base de pão de ló coroada com pudim de leite condensado sai por R$ 14,00 e pode servir como sugestão de sobremesa.  

Com produção diária, a casa, cujos fornos funcionam sem parar, oferece produtos sempre fresquinhos. Mas tome cuidado para não ficar sem o seu preferido, pois algumas opções acabam antes mesmo de esfriar na vitrine. Se não quiser arriscar, ligue antes e faça uma reserva. A procura é tão grande que a loja da Rua Deputado Lacerda Franco chega a assar 10.000 receitas por mês. Haja fôrma para tanto bolo.  

Fonte: VEJA SÃO PAULO