A Opinião do Leitor

Cartas sobre a edição 2270

Por:

cartas2271
(Foto: Veja São Paulo)

Assuntos mais comentados

Doutor Rey (capa) 36%

Administração 22%

DJ do adeus 10%

Matthew Shirts 7%

Outros 25%

Doutor Robert Rey

Doutor Robert Rey, não ligue para a torcida. Algumas pessoas gostam de criticar figuras bem-sucedidas (“A Hollywood do Doutor Hollywood”, 23 de maio). Se você é vaidoso, qual o problema? Se fosse desleixado, iriam falar também. Quantas pessoas conseguem sair da pobreza extrema e estudar em Harvard? Parabéns!

JANET SANCHEZ

A tendência, ao primeiro impacto, é criticar uma personalidade mais exibicionista. Na prática, temos dificuldade de respeitar o direito de cada um fazer o que quiser. Pensando bem, que cada um seja feliz como lhe convier.

ANA PAULA DE SOUSA

É por motivos tais como o comportamento do Doutor Rey que a classe médica perde cada vez mais a credibilidade e o respeito. Ser médico não é o bastante, é preciso ser celebridade!

ELIANE HWANG

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica repudia o formato de programa apresentado na reportagem, pois se trata de uma declarada banalização da medicina e de um imenso desserviço à segurança dos pacientes, incitados a acreditar em um engodo.

DOUTOR JOSÉ HORÁCIO ABOUDIB

Presidente Da Sociedade Brasileira De Cirurgia Plástica

Nós, franco-rochenses, ficamos ultrajados com a maneira pela qual o médico se referiu à nossa cidade, quando afirmou que tiraria seu pai enterrado “daquele lugar horrível”. Por que dar destaque a alguém tão sem conteúdo e desprovido de humildade?

MARIA PARIZ

Estou muito feliz em ver um patrício que se deu tão bem. Acho que exemplos desse tipo devem ser valorizados e mostrados a todos. O Brasil é um celeiro de gente competente.

ANIBAL VILARI

Administração

A reportagem “O milagre da multiplicação” (23 de maio) retrata o desmaio calabro em que estão mergulhados os desavergonhados de nossa administração, os quais sustentamos com muito esforço. A última frase do texto é um dos pontos cruciais da bandalheira escancarada em que se refestelam certos políticos e administradores: “Pela legislação brasileira, o fato de conquistar patrimônio incompatível com o holerite não constitui crime”. Será que alcançaremos a glória de ter alguns reparos na atual legislação?

SULAMITA PEN

Pessoas que deveriam trabalhar para o desenvolvimento de nossa cidade acabam usando a máquina pública a seu favor e construindo um patrimônio gigantesco com o salário pago com nossos impostos. Enquanto um trabalhador honesto leva uma vida inteira para adquirir um único imóvel, um funcionário público com salário de 8.000 reais consegue comprar mais de 106. Será que vale a pena continuar a ser honesto e trabalhar com dignidade?

AMARILDO SOUZA

DJ do adeusÓtima matéria sobre as cerimônias de cremação (“O DJ do adeus”, 23 de maio). A seleção de músicas demonstra o que todos os corintianos já sabiam: somos torcedores de alma, porque o coração morre, mas a alma é eterna.

EMERSON LOPES GONÇALVES

Cremei meu pai há catorze anos, na Vila Alpina. Apesar de abalado com sua morte repentina, me chamou atenção que o som tocado por ali fosse de qualidade ruim. Está faltando boa administração por lá.

HENRIQUE GOLDSTEIN

Transporte

Gostaria de confirmar a falta de condição em utilizar o metrô (“Fora da linha”, 23 de maio), especialmente entre as estações Belém e Sé, das 8h30 às 10h. As pessoas viajam esmagadas. Quando teremos um meio de transporte decente?

ANAH MARIA LIBORIO

Mistérios da Cidade

A nota “Vandalismo histórico” (“Mistérios da Cidade”, 23 de maio) despertou minha atenção ao mostrar que existem pessoas capazes de estragar uma obra de arte como o Monumento às Bandeiras. Fico triste por testemunhar a degradação de algo que faz parte de nossa história.

BRUNA YAZAKI

Escreva para nós

E-mail: vejasp@abril.com.br

Cartas: Caixa Postal 14110, CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Fonte: VEJA SÃO PAULO