A Opinião do Leitor

Cartas sobre a edição 2267

Por:

Capa da edição 2267
(Foto: Veja São Paulo)

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

Subprefeitos: 33% Cervejas (capa): 16% Estrangeiros: 13% Ivan Angelo: 13% Outros: 25%

Capa

Podemos começar a dizer que o Brasil entrou para o primeiro mundo no universo da bebida (“A multiplicação das cervejas especiais”, 2 demaio). Algumas das famosas louras que desembarcaram por aqui vêm de países com uma longa tradição no assunto, como a República Checa. Que os entendidos apreciem a onda com muita moderação.

ANTONIO JOSE G. MARQUES

Todas as novidades nesse setor são bem-vindas. Mas, às vezes, dá uma saudade dos tempos em que só havia duas marcas guerreando no nosso mercado...

FAUSTO FERRAZ FILHO

Estrangeiros

Fiquei emocionado com os relatos das pessoas de fora do país que vivem hoje em albergues da cidade (“Estrangeiros sem teto”, 2 de maio). Pela vontade de lutar que demonstram, já são uns vencedores. Suas histórias de vida representam uma lição para todos nós.

LEONARDO GONÇALVES SILVA

Ao conhecer os casos citados na matéria, comecei a torcer para aparecer alguém capaz de ajudar essas pessoas. Qualquer um está sujeito a passar por problemas sérios. Às vezes, mais vale um minuto de sorte na vida que uma vida inteira de trabalho.

PEROLA RAWET HEILBERG

Mistérios

Não pude conter a minha indignação com a nota “Arte do asfalto” (“Mistérios da Cidade, 2 de maio). São Paulo já tem ruas péssimas e cheias de buracos. Se não bastasse, agora temos de aturar a dupla de grafiteiros 6emeia riscando o asfalto da capital. Achei a situação absurda. Esse tipo de intervenção pode piorar ainda mais as condições das vias da metrópole. Com o tempo, pequenos buracos podem se transformar em grandes crateras.

RICARDO TEODOSIO

Ivan Angelo

Eu me identifiquei com a crônica “Amigo parnasiano” (2 de maio). Há muitos anos, repito uma brincadeira ao passar por um caixa ou encerrar um pedido. Costumo perguntar: “O que perfaz a módica quantia de...?”. A reação do interlocutor é sempre a mesma: “Hã?” ou “Hein?”. Acabo tendo de explicar que estou querendo saber apenas o valor da mercadoria.

NESTOR PIRES FILHO

Gostaria de parabenizá-lo pelo texto publicado na última edição. É inteligente e bem construído. Quando depara com uma crônica dessas, uma leitora como eu sempre pensa: “Gostaria de tê-la escrito”.

BÁRBARA CONTE

“Daslu” da Zona Leste

Finalmente, uma revista deu destaque a uma multimarca de uma região fora do eixo mais óbvio de consumo da capital (“A ‘Daslu’ da Zona Leste”, 25 de abril). Esse tipo de negócio representa hoje uma fatia considerável do faturamento de algumas grandes grifes da moda. Ele está roubando público dos shoppings ao investir em coisas como atendimento

personalizado e consultoria de imagem para as clientes.

KAREN MASSUTANI

Trotes

O que mais se ouve é que o efetivo da Polícia Militar no trabalho de prevenção ao crime é insuficiente diante da demanda da marginalidade numa megalópole como São Paulo. Por isso, chama atenção a foto que ilustra a reportagem “Os trotes estão na mira” (25 de abril). Nela, há dezenas de soldados fardados dando expediente como atendentes na sede do Copom, no Bom Retiro. Um trabalho que poderia perfeitamente ser feito por civis no lugar desses PMs, que deveriam estar nas ruas para prender bandidos.

SÉRGIO LUIZ CORRÊA

Correção: a tabela de vencedores de restaurantes do especial VEJA ABC “Comer & Beber”, lançado em 28 de abril, foi para as bancas com uma informação errada sobre a especialidade culinária que apontou o São Judas como campeão. O nome correto da categoria avaliada (pág. 82) é “Frango com polenta” e não “Cozinha contemporânea”, conforme publicado.

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Cartas: Caixa Postal 14110,

CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Fonte: VEJA SÃO PAULO