A Opinião do Leitor

Cartas sobre a edição 2206

Por: - Atualizado em

Capa - 2206
(Foto: Veja São Paulo)

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

20%

Ivan Angelo

17%

Almanaque (capa)

11%

Especial Perdizes

8%

Fundação Casa

44%

Outros

 

Almanaque

Muito oportuna e bem elaborada a reportagem sobre as curiosidades nos bares e restaurantes de São Paulo (“Fora do cardápio”, 2 de março). Um ponto em especial me chamou a atenção: o pé de limão na sala de espera do restaurante Limonn, ocupada por fumantes. Que lugar para o limoeiro, coitado!

EDUARDO CARLOS

A ida a um restaurante, na maioria dos casos, tem a ver apenas com a alimentação, mas alguns lugares são sofisticados e especiais. Os donos dos estabelecimentos da capital paulista mostram uma grande criatividade. Além da refeição, o cliente pode desfrutar arte, cultura e divertimento.

URIEL VILLAS BOAS

Que surpresa maravilhosa ter o Nicota na capa de VEJA SÃO PAULO! Que coisa boa para toda essa equipe fiel que vem batalhando junto comigo nesses dois anos.

MARISA REVOREDO

Mistérios da Cidade

Pesquisadores e descendentes de imigrantes estão esperando há muito pela digitalização do acervo (“Acervo migrante”, 2 de março). No Memorial do Imigrante está toda a história e documentação acerca das imigrações, mas muito pouco dos livros de registro foi informatizado. Por causa da deterioração, nem mesmo a consulta estava sendo autorizada. Esperamos que agora essa digitalização se cumpra.

IDESIO ALVES

Não resisti em comentar: o buraco já existia e foi várias vezes preenchido com entulho, mesmo com a galeria em colapso (“Cratera na Vila”, 23 de fevereiro). A obra só foi iniciada porque houve a presença de repórteres após a queda do veículo. Há muito tempo a Rua Abegoária, o principal acesso à Vila Madalena, sofre com a galeria pluvial. É evidente o desnivelamento do asfalto, bem como a existência de rachaduras e crateras sinalizadas com cones ou cavaletes. Talvez o poder público esteja esperando por uma tragédia, que só não aconteceu ainda devido à presteza dos funcionários do posto de gasolina, que retiraram a motorista do carro que caíra ali. Prefeito, pare de se preocupar com o novo partido e olhe para a cidade!

MARIO SERGIO AMARANTE FILHO

Terraço Paulistano

Gostaria de comentar a lamentável “Guerra das unhas” (2 de março). O serviço do salão Artisalus sempre foi impecável. A última vez em que fiz as unhas foi na terça- feira (22), e achei um absurdo o que encontrei. Para forçar a saída do Artisalus do espaço alugado, a proprietária do spa Hara chegou a proibir as funcionárias de usar os banheiros. E ainda desligou o telefone para dificultar a comunicação e instruiu as atendentes do spa a dar informações incorretas quando ligamos para marcar horário no salão. Por fim, ofereceu salário maior para as moças do Artisalus trabalharem com ela na sala ao lado, onde foi montado o mesmo atendimento de aplicação de unhas de gel. O que essa senhora está fazendo beira a contravenção jurídica, já que há um contrato em vigor. Fiquei indignada.

CELI SILVA LEMOS

Ivan Angelo

Fui gerente de casa noturna por mais de cinco anos e tive o meu chato do coração, a quem chamávamos de “o chato mais legal da balada” (“Chato, e querido”, 2 de março). Ele demorava a ir embora não porque não quisesse ficar sozinho, mas por medo de achar que tinha sido a estrela da noite e ia embora à francesa. Era chato porque temia que o achassem chato, porque queria sempre o bem das pessoas e a harmonia entre elas. Era chato porque é uma pessoa melhor do que eu.

EDU CHOCK

Fundação Casa

Não me contive ao ler a reportagem “Em busca da segunda chance” (23 de fevereiro). A emoção foi muito forte! Existem aqueles que vão para a Fundação Casa e ameaçam sair e fazer coisas piores, mas eu acredito na recuperação, na vontade de mudar, no arrependimento e na expectativa de uma segunda chance. Por esses, valem a pena o investimento e o carinho.

MARIA CONCEIÇÃO SILVA RAMOS

___________________________________________________________________

Correção: a data prevista para a estreia do programa Grêmio Recreativo, da MTV, é 24 de março.

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Fax: (11) 3037-2022

Cartas: Caixa Postal 14110,

CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Fonte: VEJA SÃO PAULO