A Opinião do Leitor

Cartas sobre a edição 2189

Por: - Atualizado em

Capa 2198 cortada
(Foto: Veja São Paulo)

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

27%

Mistérios da Cidade

18%

Especial de aniversário

12%

Walcyr Carrasco

6%

Sergio Habib (capa)

37%

Outros

Sergio Habib

Como ex-executiva do grupo SHC, tive a grata oportunidade de trabalhar ao lado do Sergio Habib por quase doze anos e posso afirmar que a prosperidade de suas empresas se deve principalmente à valorização dos profissionais que ajudaram na construção desse fenômeno empresarial (“Direção em alta velocidade”, 3 de novembro). Parabéns ao Sergio, cuja maior habilidade é saber lidar com pessoas. Ele é um exemplo!

IZA CORRÊA

Mistérios da Cidade

A instalação de câmeras em viaturas e a compra de veículos e equipamentos têm sido a tônica do governo de São Paulo para passar a sensação de melhora da segurança (“Câmeras contra o crime”, 3 de novembro). Enquanto isso, os agentes amargam um arrocho salarial. Estamos em novembro e ainda não temos notícia de reposição de perdas.

EDMAR AUGUSTO MONTEIRO

Aos 10 anos, tive o privilégio de pegar diversas caronas com Laudo Natel, então diretor do banco Bradesco na Cidade de Deus, em Osasco, e presidente do São Paulo Futebol Clube (“Memória paulistana”, 27 de outubro). Em seu Fusquinha verde-claro, ele nos acolhia e levava até a porta da Escola Vocacional, na Avenida Vital Brasil. Também nos levou para conhecer o Estádio do Morumbi, ainda em obras, dizendo que nos daria chance de passar por uma “peneira”, desde que estudássemos muito. Hoje tenho 62 anos e formação universitária, mas, no futebol, o máximo que consegui foi jogar no gol do time da rua onde eu morava. Durante toda a minha vida, sempre senti o maior orgulho ao contar esse fato marcante, mas nunca tive a oportunidade de retribuir. Por meio desta mensagem, gostaria, então, de mostrar o meu atrasado, porém sincero, agradecimento.

ANTONIO BARCA RAMOS

Assassinato em Alphaville

Mais uma vez, um crime bárbaro toma conta das páginas policiais (“A sangue-frio”, 3 de novembro). O casal de Alphaville Tereza Cobra e Wilson Tafner foi morto a facadas e os requintes de maldade surpreendem até quem está acostumado a investigar atrocidades. Há indícios de que o genro, Willians de Sousa, e a única filha do casal, Roberta, sejam os responsáveis pela tragédia. A frieza que demonstraram quando souberam do assassinato e os motivos que os teriam levado a praticar esse crime nos fazem relembrar o caso Suzane von Richthofen e os irmãos Cravinhos, de 2002. A julgar pela morosidade da Justiça, os envolvidos poderão montar um quebra-cabeça que vai fazer com que a polícia perca muito tempo investigando o óbvio, enquanto eles seguirão impunes. Nossa Justiça deveria ser mais rápida e menos tolerante com o crime. Até que um júri popular seja convocado, a sociedade já terá esquecido a tragédia.

IZABEL AVALLONE

Ônibus híbridos

Excelente a ideia de utilizar ônibus híbridos (“Menos fumaça nas ruas”, 3 de novembro). Que ela possa ser adotada em todos os estados brasileiros, pois é uma nova tecnologia que promete diminuir consideravelmente a emissão da fumaça preta, que tanto mal faz à nossa saúde e à natureza.

EDUARDO KAMEI YUKISAKI

Walcyr Carrasco

Achei excelente a crônica de Walcyr Carrasco “Eleições & vida pessoal” (3 de novembro). Minha esposa e eu nos reelegemos marido e mulher sem a necessidade de uma grande campanha nem de adversários concorrentes. Mas é importante lembrar que temos um maravilhoso eleitorado de duas baixinhas que nos mantêm juntos e permanentemente no poder.

LEANDRO SCHAMES

Especial de aniversário

Há tempos não via um texto tão bem escrito. A linguagem usada é, ao mesmo tempo, rebuscada, simples e, acima de tudo, extremamente agradável (“25 pessoas, parcerias e coisas que ajudaram a construir a história de São Paulo”, 27 de outubro). Nesse especial, encontramos interessantes informações sobre a história desta cidade intensa, diversificada e linda que é São Paulo. Obrigada, VEJA SÃO PAULO, por nos proporcionar mais este prazer de ler e nos informar.

MARIA ELIANA BONVICCINI QUIARATTI

Também tenho paixão por São Paulo. Acabei de ler sobre os 25 marcos da cidade no especial de aniversário da revista. A ideia foi brilhante e a execução, perfeita e primorosa. Como paulistana nascida em 1930 no Paraíso, recordei, aprendi e me comovi com a aula de história nas fotos expressivas e belas de Cristiano Mascaro e com o texto sempre perfeito e inspirado de Roberto Pompeu de Toledo, de quem sou fã incondicional. A família Civita dá orgulho à nossa cidade por ter criado VEJA e seu desdobramento, VEJA SÃO PAULO, publicações à altura de nossa amada megalópole. Parabéns efusivos é pouco para saudá-los.

NEUSA LONGO

Cumprimento a Editora Abril pelos 25 anos de VEJA SÃO PAULO, a nossa VEJINHA, e desejo vida longa à revista. O texto de Roberto Pompeu de Toledo é primoroso, e não poderia ser diferente, dados o conhecimento histórico, a capacidade e a delicadeza no trato da língua que tem o renomado escritor. Não menos elogiável é a sequência de imagens arquitetada pelo fotógrafo Cristiano Mascaro. Sensacional.

ELIO BRUGUGNOLI

Parabéns, parabéns e parabéns ainda é pouco para esta edição. De extremo bom gosto, a perfeita união de Cristiano Mascaro e Roberto Pompeu de Toledo resulta num trabalho magnífico. Vai ocupar um lugar de destaque em nossa estante.

CRISTINA REGGIANI E CELESTINO PEREIRE FELIPPE

Já não sei mais há quantos anos sou assinante e leitor de VEJA, que sempre nos mantém por dentro do que acontece no mundo de um modo claro e envolvente nas reportagens. Acabo de ler em VEJA SÃO PAULO a reportagem sobre os 25 anos da revista, com os 25 marcos de São Paulo. Foi uma das mais belas histórias da capital que já li, descrita com beleza e clareza por seu autor. É uma obra para ser guardada às gerações futuras. Parabéns pelo aniversário e pela grandeza da reportagem.

RENATO FURTADO

Muito boa a reportagem sobre a cidade de São Paulo. Parabéns pelos 25 anos da revista. Só achei que faltou falar sobre o Instituto Presbiteriano Mackenzie. Dona Veridiana, personagem que dá nome à rua onde ele está localizado, foi mencionada, mas a instituição, não. É importante dizer que o instituto foi pioneiro no ensino laico, responsável pela criação do primeiro curso de engenharia da capital, em 1870, o que colaborou para a construção da nossa cidade.

LEONARDO R. INOUE

Correção: na página 143 desta edição, o preço dos ingressos da peça ‘Os Três Porquinhos’ está errado. Os valores corretos são R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). n Ao contrário do que foi informado na nota “Câmeras contra o crime”, na seção Mistérios da Cidade (3 de novembro), Alfredo Deak Junior é tenente-coronel da Polícia Militar, e não major.

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Fax: (11) 3037-2022

Cartas: Caixa Postal 14110,

CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO