A opinião do Leitor

Cartas sobre a edição 2180

Por: - Atualizado em

Capa 2180
(Foto: Veja São Paulo)

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

28%

Calçadas esburacadas

18%

Taxistas (capa)

18%

Walcyr Carrasco

7%

Rodrigo Faro

29%

Outros

Taxistas

Parabéns pela reportagem de capa (“O que pensam os taxistas paulistanos”, 1º de setembro). Ela retratou uma categoria que trabalha muito pela cidade. VEJA SÃO PAULO confirmou: nossa frota é a mais nova e preparada do Brasil. Atendemos cerca de 10 milhões de usuários por mês e isso colabora para que tenhamos um trânsito um pouco menos caótico. Basta lembrar que andar de táxi fica mais barato que manter um automóvel somente para fins de rodízio. Hoje, 70% dos táxis de empresas estão atrelados a pontos e o rendimento do motorista também depende de como ele constrói e mantém sua carteira de clientes. Por fim, vale mencionar o Táxi Acessível, que proporciona o transporte aos cadeirantes em carros adaptados pelo mesmo valor do táxi comum. Nossos parabéns também a todos os taxistas. RICARDO AURIEMMA - Presidente da Associação das Empresas de Táxi de Frota do Município de São Paulo (Adetax)

O atendimento melhorou só por um motivo: a oferta é bem maior que a procura. Antigamente, os taxistas passavam por nós como se não fôssemos ninguém. FAUSTO FERRAZ FILHO

Sou permissionário do ponto de táxi do Shopping Iguatemi há catorze anos e, quando li a reportagem sobre a categoria, fiquei surpreso e também muito preocupado com o que foi dito sobre nossa renda. Já não bastam os assaltos que sofremos. Depois dessa, nós nos tornaremos alvos ainda mais visados por marginais. PAULO WILSON DA SILVA

Uma justa homenagem de VEJA SÃO PAULO a uma profissão do passado e do futuro. Está faltando pouco para deixarmos nossos automóveis definitivamente na garagem e só andarmos de táxi por praticidade e economia. ARCANGELO SFORCIN FILHO

Calçadas

A reportagem sobre calçadas em mau estado não cita o que acontece ao redor da Oficina Cultural Oswald de Andrade, no Bom Retiro, onde moro (“Caminho doloroso”, 1º de setembro). Na semana passada, eu e minha mãe, de 77 anos, caminhávamos por ali. Ela caiu por causa dos vários buracos. Por Deus, eu consegui segurá-la e o acidente não foi tão grave. NELSON TKACZ

Caminho doloroso é o da Rua Doutor Albuquerque Lins, em Higienópolis. Calçadas em declive com lombadas e buracos enormes provocam quedas todos os dias. ISABEL HADDAD DELALAMO

Sabará

O Hospital Infantil Sabará está de parabéns pelas novas instalações e pela promessa de um atendimento de alto nível técnico no setor da pediatria (“Para os pacientes mirins”, 1º de setembro). Acho importante divulgar também um trabalho que vem sendo feito ali há algum tempo. Trata-se do Grupo Saracura, composto de jovens músicos que levam cantigas de roda e do cancioneiro popular infantil para as dependências do hospital, tornando o período de internação das crianças e do familiares um pouco mais leve e alegre. É um grupo sério que, além de divulgar a cultura, entende seu trabalho como mais um recurso para ajudar no restabelecimento da saúde das crianças. SUELY BUDET GLEBOCKI

Bibliotecas

Com relação à carta do leitor Luís Delcides (A Opinião do Leitor, 25 de agosto), a Secretaria Municipal de Cultura informa que duas bibliotecas citadas, a Lenyra Fraccaroli, na Vila Manchester, e a Cora Coralina, em Guaianases, foram reformadas recentemente. Agora possuem acervo informatizado, têm 25 títulos de jornais e revistas para consulta no local e receberam mais de 2 000 livros. Já a Biblioteca Camilo Pedro dos Reis, que funciona nas dependências do CEU São Mateus e, por isso, é administrada pela Secretaria Municipal de Educação, possui um acervo de 14 257 exemplares de livros, além de periódicos. O quadro de bibliotecários está completo e o espaço organizado conforme as normas biblioteconômicas, com mobiliário adequado para pesquisa e leitura, em condições plenas de funcionamento. O público mensal ali é estimado em 2 500 pessoas, entre alunos e moradores do entorno. GIOVANNA LONGO - Assessora de imprensa da Secretaria Municipal de Cultura

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Fax: (11) 3037-2022

Cartas: Caixa Postal 14110,

CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Fonte: VEJA SÃO PAULO