A opinião do Leitor

Cartas sobre a edição 2179

Por: - Atualizado em

Cartas sobre a edição 2179
(Foto: Veja São Paulo)

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

48%

Walcyr Carrasco

30%

Rodrigo Faro (capa)

10%

Leilão

12%

Outros

 

Rodrigo Faro

O apresentador encontrou na Record o espaço que a Globo lhe negou para exercitar seus múltiplos talentos (“Dança, gatinho, dança”, 25 de agosto). Ele esbanja profissionalismo e carisma à frente do ‘Melhor do Brasil’ e do ‘Ídolos’. Suas dancinhas são simplesmente hilárias. A emissora marcou um golaço ao contratá-lo. Continue assim, Rodrigo. Você terá apenas bons frutos a colher nessa brilhante trajetória.

MARCOS DA ROCHA

Rodrigo Faro, juntamente com Luciano Huck, faz parte de uma ótima safra de apresentadores. Eu tenho TV por assinatura, mas, quando estou em casa aos sábados, não perco seu programa. Dou muita risada, principalmente de suas caras e bocas. Ele adora fazer o que faz e mostra que não tem vergonha disso. A Lady Gaga dele é imperdível, já vi várias vezes na internet.

SOLANGE VENTURA DA ROCHA

Eu sempre assisti ao ‘Melhor do Brasil’, desde quando era apresentado pelo ótimo Márcio Garcia. Com sua saída, entrou o Rodrigo Faro, que é extremamente sem graça. Suas piadas são forçadas e óbvias. Seus comentários, clichês baratos. Isso sem falar de suas performances soníferas. Pena que nossa população precise de tão pouco...

GIANCARLO ZANUSO

Não é só talento que o Rodrigo tem, não. Duas de suas qualidades são a simplicidade e a humildade. Dá de 10 em pseudoartistas e apresentadores-modelo-manequim-atriz-ex-BBB-etc. Já vi o cara tirar dezoito fotos em um evento em menos de dois minutos. E se divertir com isso!

OTAVIO MESQUITA - Apresentador de TV

O sucesso do apresentador Rodrigo Faro não é obra do acaso. Ele tem talento, carisma e, muito importante, a cabeça no lugar. O que com o Márcio Garcia parecia forçado, com o Rodrigo Faro soa mais natural, mais “redondo”. Que esse sucesso continue, pois ele merece e nós gostamos.

ALMIR SANI MOREIRA

 

Walcyr Carrasco

Não se lembrar do nome de pessoas conhecidas, colegas e amigas é muito constrangedor (“Viva o crachá”, 25 de agosto). O uso de crachá deveria ser norma de etiqueta, educação e civilidade — e o não uso classificado de desrespeito e de má conduta social. Acho que seria o caso de atores, atrizes, celebridades e autoridades começarem a aparecer com crachás, para que o público em geral, inspirado em tal modelo, adotasse o mesmo hábito.

MARCOS AURELIO PINTO

Na última sexta-feira, encontrei uma amiga que não via fazia mais de dez anos. Quando a cumprimentei, ela retribuiu com empolgação: “Anselmo!”. Se a lei do crachá existisse, teria nos poupado dessa engraçada troca de nomes.

ADELSON SMANIA

Esse seria um bom projeto de lei a ser encampado pelos candidatos. Eu sofro muito por esquecer o nome das pessoas. Outro dia estava em um ônibus e, quando ele parou num dos pontos, um amigo do Senai que eu não via fazia uns quinze anos bateu no vidro. E não é que ele lembrava meu nome e apelido? E eu nem sabia quem ele era! Como o ônibus ia saindo, não dava tempo de conversarmos mais, nem de trocar telefone. Então, ele gritou: “Marcão, me procura no Orkut!”. Até hoje não consegui achá-lo.

MARCO ANTONIO FERREIRA

Já passei por diversas situações como as descritas na crônica. E o pior é quando a pessoa chama, pergunta sobre a família e sabe até o nome da cachorrinha. Fica impossível não fazer cara de paisagem e não rezar para que as gavetinhas do cérebro se abram e você se lembre.

MARIA CECÍLIA PESSANHA

Sou professora universitária e diariamente passo pelos mesmos apuros que você. Escuto: “Oi, professora, tudo bom?”. E eu fico tentando lembrar o nome do aluno e de que curso ele é. Trata-se de um ex-aluno ou de um que atualmente frequenta as minhas aulas? Fico torcendo para que ele utilize um termo técnico de sua área, para eu tentar lembrar seu nome ou pelo menos a que curso pertence. O pior é que isso nunca acontece. Eu tenho um problema que você não tem: acho que a pessoa tem cara de João, porém cisma chamar-se Jorge. Aí é que eu não decoro o nome do Jorge, que tem cara de João. Viva o crachá.

ELIZA HELENA ERCOLIN

Leilão

O que mais me chamou a atenção na reportagem “O leilão dos milhões” (25 de agosto) foi a legenda da foto do bilionário Eike Batista com a primeira-dama, Marisa Letícia, “no maior tricô”. Confesso que dei gargalhadas. Uma primeira-dama que em oito anos não abriu a boca para falar ao povo brasileiro deve ter muito assunto com o senhor Eike. Pelo semblante dele na foto, a conversa deve ter sido de alto nível...

JOÃO ALBERTO BURIGO

Destombamento

Não é segredo para nenhum morador ou frequentador do bairro da Vila Nova Conceição que grandes construtoras compraram amplos terrenos contando com essa ação nefasta do Conpresp (“Mais prédios à vista?”, 25 de agosto). Assim como não é segredo a deterioração de todo o bairro, com um trânsito tão pesado que já está inviabilizando a Rua Diogo Jacome nos horários de pico, graças ao anterior destombamento da Vila Uberabinha. Por que razão um órgão que deveria zelar pela preservação do patrimônio histórico, cultural e ambiental, como reza sua própria sigla, insiste em reverter uma determinação que visa a proteger o bioma do Parque do Ibirapuera? Impedir essa desfaçatez é uma luta não apenas dos moradores, mas de toda a população da cidade de São Paulo, que preza um dos seus principais cartões-postais.

WALTER COSTA

Restaurantes

Li a crítica sobre o La Mar Cebicheria Peruana (“Fora do ponto”, 25 de agosto) e lamento muito o ocorrido. Gostaria de convidar o editor de gastronomia Arnaldo Lorençato a retornar ao restaurante para comprovar que aprendemos com nossos tropeços.

ALEXANDRE MIQUI - Proprietário do La Mar

Vinho

Na feira Wine Weekend, a Ravin realizou a promoção publicada na reportagem “Para abastecer a adega” (18 de agosto) e pudemos comprovar a força da revista. Um só cliente comprou quarenta caixas do Zuccardi Q Tempranillo, sem contar diversos visitantes que chegaram com a página da Vejinha na mão. Isso nos deixou muito gratos e felizes.

ROGÉRIO D’AVILLA - Diretor comercial da Ravin Importadora

 

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Fax: (11) 3037-2022

Cartas: Caixa Postal 14110,

CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Fonte: VEJA SÃO PAULO