A opinião do leitor

Cartas sobre a edição 2157

- Atualizado em

Cartas sobre a edição 2157  - Capa_2158
Disputa lasca a lasca (Foto: Mario Rodrigues)

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

Psiu          25%

Área verde no Morumbi          24%

Walcyr Carrasco          14%

Rodoanel (capa)          5%

Árvores          5%

Outros          27%

Rodoanel

Que fiquem prontas logo as outras partes do Rodoanel (“Um atalho para o litoral”, 24 de março). Afinal, todos os cidadãos, brasileiros ou estrangeiros, serão beneficiados com economia de tempo e dinheiro e aumento da qualidade de vida, já que não precisarão mais cruzar a cidade para chegar a seu destino.

MÔNICA DELFRARO DAVID

O Rodoanel, sem dúvida, será por muitos anos um motivo de orgulho, até que haja um desastre envolvendo cargas venenosas sobre a Represa Billings. Como detectar o envenenamento da água? Como avisar a milhões de pessoas para não utilizar a água? Como recuperar o sistema?

JOSÉ LÁZARO DA SILVA

Causam-me satisfação governos que mostram exatamente onde nosso dinheiro é investido. Obras como o Rodoanel não só demonstram isso como também apontam que o voto não pode ser atrelado somente a emoções, mas sim à capacidade intelectual de quem deve nos governar.

EDUARDO KAMEI YUKISAKI

Psiu

Os senhores vereadores conseguiram a proeza de piorar ainda mais a qualidade de vida dos paulistanos que sofrem com a insuportável poluição sonora provocada não só por estabelecimentos, mas também por veículos em geral (“Durma- se com um barulho desses”, 24 de março). Essa lei deveria ser anulada.

MAURO ASPERTI

Um absurdo a aprovação do projeto do vereador Carlos Apolinario, que já havia sido vetado sabiamente pelo prefeito Gilberto Kassab. Tenho certeza de que nem mesmo os evangélicos aprovam o barulho próximo à sua residência, tirando-lhes a tranquilidade no recesso de seu lar. Os donos de bares e casas noturnas exultam de alegria e a população, de tristeza e revolta.

ASDRÚBAL NASCIMBENI

Moro cercada por três igrejas evangélicas, razão pela qual lamento muito a iniciativa do vereador Carlos Apolinário, autor da absurda lei que só piora nossa qualidade de vida. O barulho provocado pelas igrejas é tão grande que eu e minha família tivemos de alterar nossa rotina de acordo com os horários dos cultos, uma vez que estudar, assistir à TV ou até conversar durante a sua realização é praticamente impossível. Alguém precisa avisar ao senhor vereador que, não obstante a garantia de respeito à liberdade de culto, Jesus, assim como nós, não é surdo.

EVELISE YAMADA

Árvores

Com a colaboração de biólogos e moradores voluntários, realizamos, em 2002, o cadastramento com GPS das árvores do bairro de Higienópolis (“Olha o perigo”, 24 de março). Terminado o trabalho, oferecemos o estudo à então Secretaria das Administrações Regionais e à Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. Na ocasião, cadastramos as árvores com suspeita de estar infectadas por cupim e pedimos providências para removê-las ou replantá-las, na tentativa de evitar o que hoje tem se mostrado um perigo em toda a cidade. Na época, soubemos informalmente que nossa metodologia serviu para que o mesmo fosse feito em outras áreas da cidade. Ao que parece, no entanto, o trabalho não continuou, já que o estudo parece começar do zero de novo. É a qualidade do nosso serviço público, lamentavelmente.

CASSIA FELLET

Achei um absurdo a população ser acusada de negligência por podar árvores irregularmente. Os moradores fazem a poda porque nem a prefeitura nem a Eletropaulo tomam providências. Eu já desisti de chamá-los para cortar os galhos que, a qualquer momento, poderiam danificar os fios. Não podemos fazer o serviço, já que corremos o risco de ser multados. Pagamos impostos e o mínimo que esperamos do poder público é esse tipo de manutenção. Se fosse feita, muitas dessas árvores não cairiam, pois as que sofrem com quedas, na maioria das vezes, estão cheias de cupins, o que poderia ser evitado com cuidados específicos.

SILVANA DAN

Em relação à reportagem sobre as árvores da cidade, é importante esclarecer que o plano da prefeitura não é “radiografar” toda a vegetação da cidade ainda neste ano. A meta é que cada uma das 31 subprefeituras inicie o cadastramento de suas árvores até o fim de 2010. Os resultados servirão de ferramenta para ações continuadas.

SÉRGIO RONDINO

Assessor de imprensa do gabinete da prefeitura de São Paulo

Morumbi

Parabéns pela reportagem sobre a vitória da população do Morumbi para a preservação da mata nativa no entorno do Colégio Nossa Senhora do Morumbi (“Esta vista está preservada”, 24 de março). Ações como essa servem de exemplo para todos os brasileiros em busca de seus direitos e garantia de bem-estar de sua população.

FERNANDO ZUCCOLOTTO

É vergonhoso e inaceitável que se polemize algo tão claro e óbvio quanto a foto que está estampada na reportagem. Nenhum órgão público que se preze poderá conceder autorização para a construção das torres residenciais da Companhia City de Desenvolvimento achando que compensação é o mesmo que preservação. Plantar 24 000 espécies nativas de Mata Atlântica em outros lugares não preserva a bela vegetação que hoje ocupa o terreno. Essas aberrações compensatórias vêm acontecendo com muita frequência na cidade. Basta ver a foto para ter a certeza de que nada compensará a beleza da mata ali existente.

MARCIO T. RIZZATO

Tenistas

Linda e estimuladora essa reportagem das gêmeas Galvez (“Nos passos de Venus e Serena”, 24 de março). Como amante desse maravilhoso esporte, não há dúvida de que elas elevarão o nome do tênis brasileiro. Ambas exemplificam como nosso sistema educacional é falho e deixa de criar e revelar milhares de talentos como esses. Que isso cause remorso aos dirigentes das federações e confederações do esporte, que, em minha opinião, são como nossos governantes: só estão preocupados em cobrar taxas e mais taxas e muito pouco ou nada fazem para o desabrochar do talento latente de nossa abandonada juventude.

FRANCISCO RODRIGUES LIRA

Walcyr Carrasco

O seu artigo expressa exatamente aquilo que inúmeros brasileiros ainda não tiveram a chance de sentir: a maravilha do trem de alta velocidade (“Trem-bala”, 24 de março). Morei dois anos na Alemanha e também tive a oportunidade de viajar para outros países e presenciar a surpresa das pessoas que pela primeira vez usufruíam esse maravilhoso meio de transporte. Está comprovado no mundo inteiro que a implantação de um sistema de trens de alta velocidade implica três coisas simultaneamente: desenvolvimento (aquecimento na economia), melhora na qualidade de vida e redução de custos. Que mais podemos desejar?

FÁBIO MACEDO

Não temos trem-bala nem qualquer tipo de transporte ferroviário (muito mais barato, eficaz e não poluente), pois certamente não devem dar retorno aos bolsos de nossos governantes, já que neste país o bem-estar do cidadão vem em último lugar. Quando vem.

PÉROLA RAWET HEILBERG

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Fax: (11) 3037-2022

Cartas: Caixa Postal 14110,

CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Fonte: VEJA SÃO PAULO