A opinião do leitor

Cartas da edição 2457

Por: Veja São Paulo

CAPA 2456
(Foto: Reprodução)

› Consumo

A cada ano a revista se supera, trazendo aos seus leitores novidades que atendem a todos os gostos e bolsos (“130 presentes por até 100 reais”, 16 de dezembro).

Ruvin Ber José Singal

› Gastronomia

Não é fácil manter um restaurante por dezenove anos e garantir o padrão de qualidade. A edição especial VEJA COMER & BEBER deste ano nos ajudou muito e o destaque publicado na última edição, sobre o menu de ceia do Cantaloup, fez com que os pedidos de reserva disparassem (“Natal contemporâneo”, 16 de dezembro). Isso só confirma a credibilidade do trabalho de vocês e o alcance indiscutível de VEJA SÃO PAULO.

Daniel Sahagoff, sócio do Cantaloup

› Cidade

As ruas paralelas à Avenida mateo Bei e suas travessas estão sempre com estilhaços de vidro (“Um furto a cada três dias”, 16 de dezembro). Já vi problemas do tipo ocorrendo em plena luz do dia. Apesar do movimento nas ruas, nada inibe a ação dos bandidos. É lamentável.

Rodrigo Gagliardi

Essa estatística citada na reportagem só vai piorar, com o Brasil entrando numa recessão nunca antes vista na história deste país.

Luciane Rossi

› Animais

Do bem, hoje em dia, só os cães (“Cães do bem”, 16 de dezembro).

Fausto Ferraz Filho

› Futebol

Vergonhosa a micromatéria sobre a despedida de rogério Ceni dos gramados (Memória, 16 de dezembro). o destaque dado ao maior ídolo da história do São Paulo teve poucas linhas, quando na verdade ele deveria estar na capa.

Daniel Pinsky

› Crime

O ladrão poderia ter se vestido de papa, Nossa Senhora ou até mesmo Jesus Cristo e roubar o helicóptero, logo o Bom Velhinho não tem nada a ver com isso (“Não dá para confiar nem no Papai Noel”, 9 de dezembro). A verdade é que a cada dia somos obrigados a desconfiar mais de tudo e todos.

Abel Pires Rodrigues

› Artes plásticas

Merecem destaque as providências que estão sendo tomadas para a recuperação do museu de Arte de São Paulo (“A retomada do Masp”, 9 de dezembro). Trata-se de uma instituição digna de toda a atenção, pelo nível das obras que estão ali para ser prestigiadas e que por certo elevam o nível cultural dos visitantes. O masp serve de exemplo não apenas para os brasileiros, mas para todo o mundo.

Uriel Villas Boas

› Matthew Shirts

Estou lendo também Sapiens: uma Breve História da Humanidade, o ótimo livro citado pelo cronista na última edição (“Fantasias no Jabaquara”, 16 de dezembro). De fato, a ficção é uma condição essencial da humanidade e ela nos distingue claramente das outras espécies animais. Mergulhamos num mundo virtual cada vez mais invasivo, e creio que Einstein tinha razão quando afirmava que a tecnologia da comunicação está avançando tanto que estamos ameaçados de uma imbecilização pandêmica. Alguns sinais iniciais, hoje, já são preocupantes.

Marcello Kutner

CORREÇÃO: sobre as informações publicadas em “Nova ordem na casa” (18 de novembro), as empregadas domésticas ganharam direito a carteira assinada e férias em 1972. Em 1988, passou a valer o 13º salário. A emenda constitucional de 2013 assegura a elas novos direitos, como jornada de trabalho de oito horas diárias e 44 horas semanais, além do recebimento de horas extras.

Fonte: VEJA SÃO PAULO