A OPINIÃO DO LEITOR

Cartas da edição 2381

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM

 › Haddad

Quero parabenizá-los pela ótima reportagem sobre Fernando Haddad (“Só 17% da torcida está aplaudindo”, 9 de julho). Foi a primeira e última vez que votei no PT, pois acreditava que o então candidato preenchia os requisitos necessários para realizar uma boa administração. Eu me decepcionei. A cidade está abandonada, suja e com trânsito insuportável. Newton Costa

Como a própria reportagem demonstra, o prefeito está “dormindo com o inimigo”. As concessões que ele foi obrigado a fazer para o PT estão minando seu mandato. Eu ainda acredito que, para um jovem bem-intencionado que já mostrou seu valor, nada resistirá ao trabalho. Como paulistano da gema, torço por ele. Ricardo Nassif Hussni

Durante a campanha eleitoral, ouvi o vereador Andrea Matarazzo dizer que governar São Paulo não é para amadores. Isso explica a baixa porcentagem de ótimo/bom atribuída ao mandato de Haddad, um prefeito que não age, só reage. Não tem plano de governo nem objetivo definido, a não ser permanecer no poder. José Renato Nascimento

Um dos pilares da campanha de Haddad era que a cidade obteria vantagens pela sinergia com o governo federal. VEJA SÃO PAULO mostrou que isso não tem sido realidade. Após determinado tempo no cargo, o chefe do Executivo deveria reapresentar os programas veiculados na época da campanha e prestar contas do andamento de todas as suas promessas. Jailton Bernardes da Silva

Ele é o pior prefeito que São Paulo já teve. Começou adotando discurso preconceituoso, dividindo as pessoas entre classes. Cancelou o prolongamento da Avenida Roberto Marinho e a obra de túneis na Vila Mariana. Em seguida, promoveu um aumento exorbitante do IPTU, com porcentual superior ao da inflação. É admirável que ainda tenha 17% de aprovação; acho que cai a uns 10% até o fim do mandato. Edmundo Nascimento

Gostaria de informar que não fui procurado por VEJA SÃO PAULO. As opiniões são resultado da imaginação dos jornalistas e de informações inverídicasde fontes que se escondem em off para semear intrigas com o governo. Ao contrário do publicado, tenho bom convívio com o prefeito. A relação sempre foi a melhor possível. Jamais me referi ao secretário Nunzio Briguglio de forma irônica, até porque o respeito profissionalmente. Minhas críticas à gestão jamais foram motivadas por pleitos não atendidos. Quando ocorrem, visam a colaborar com o governo e são feitas diretamente ao prefeito. José Américo Presidente da Câmara Municipal

NOTA DA REDAÇÃO: o vereador foi procurado pela reportagem e a revista confirma todas as informações publicadas.

› Paulistana Nota Dez

Quando atende os jovens beneficiados por sua ONG, Maria Helena Mauad (Paulistana Nota Dez, 9 de julho) tem a sensibilidadede reconhecer que esses jovens têm sonhos de consumo. O melhor caminho é mesmo propiciar a eles a capacitação para que possam realizar esses desejos. Parabéns pelo trabalho! Maria de Carvalho Contrera

› Ivan Angelo

Quanta alegria ao ver mais uma crônica sobre sua doce Helena. Lembro-me dela com muito carinho, numa outra história que você escreveu sobre ela no transcorrer de seu aniversário de 3 anos, isso em 2011. Foi uma crônica tão sublime, tão inspirada que eu também me inspirei e... engravidei naquele mesmo mês! Obrigada por fazerem parte de nossa vida! Elisângela Popi

› Polícia

O repórter fotográfico que assina com o pseudônimo “Choque Photo”, que fotografou a ação dos pichadores na galeria Choque Cultural em 6 de setembro de 2008, não faz parte daquele grupo nem participou direta ou indiretamente do ato contra o patrimônio cultural atacado, ao contrário do que consta na matéria (“Vândalos à solta”, 17 de setembro de 2008).

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente.

Redes sociais: facebook.com/vejaspe @vejasp (twitter)

Atendimento ao leitor: ☎ (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: ☎ (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO.

Fonte: VEJA SÃO PAULO