SAÚDE

Cardíacos ou diabéticos representam 32% dos mortos por gripe

Dos 115 óbitos registrados no país desde janeiro, 37 foram de pessoas com uma das duas comorbidades

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

gripe2
Ao menos 102 pessoas morreram no país em decorrência da H1N1 (Foto: Reprodução)

Um em cada três brasileiros que morreram por complicações de gripe neste ano sofria de problemas cardíacos ou de diabete, as duas doenças crônicas mais diagnosticadas entre as vítimas. Dados do mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre influenza mostram que, das 115 mortes por gripe registradas no país desde janeiro, 37 foram de pessoas com uma das duas comorbidades. Do total de óbitos, 102 foram causados pelo vírus H1N1.

Estudo diz que H1N1 não ficou mais agressiva

O boletim mostra também que 84 dos 115 mortos tinham algum fator de risco para o agravamento de um quadro de gripe. Além das vítimas com doença cardíaca ou diabete, 31 eram idosos, 16 eram obesos e 11 tinham doença pulmonar crônica. Há ainda registro de mortes entre imunodeficientes, pacientes com doença neurológica, hepática ou renal, gestantes, crianças e puérperas. Todos os integrantes destes grupos têm direito à vacinação gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

"Pacientes com doenças crônicas entram no grupo de risco, porque são mais frágeis. São indivíduos que estão com a função imunológica comprometida e, ao contrair uma infecção respiratória, acabam ficando em uma situação mais complicada do que quem não tem essas doenças", disse Marcio Mancini, endocrinologista e responsável pelo Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP).

Treze perguntas e respostas sobre a gripe H1N1

Cardíaca e diabética, a secretária aposentada Regina Celia Leite de 69 anos, preferiu não esperar e tomou a vacina do H1N1 na semana passada na rede privada, antes mesmo do início da campanha de imunização para idosos e duas semanas antes da vacinação para os doentes crônicos. "Já tomo a vacina há muito tempo. Não fiquei assustada, mas sei que tenho de me cuidar."

Surto de gripe H1N1 coloca a capital em alerta

O educador Mark Barone, de 35 anos, faz o controle da diabete há 25 anos e intensificou as medidas para evitar a contaminação com a gripe. "Estou tomando os cuidados de lavar as mãos e usar o álcool em gel com mais frequência durante o dia", contou. Barone vai esperar a imunização da próxima semana. "Estou aguardando, porque sempre faço a vacinação na rede pública."

Surpresa

A vendedora Juliana, de 39 anos, tem HIV e toma a vacina todos os anos. O cuidado que costuma tomar com a saúde não impediu que ela se infectasse com o H1N1. Na semana passada, teve febre alta e tosse. "Achei que fosse bronquite. Quando vi que estava ficando ruim, já fui ver o que era e descobri que era H1N1. Acho que peguei no trabalho, porque fico em contato com o público", disse ela, que iniciou rapidamente o tratamento com Tamiflu.

Agora, Juliana espera o início da vacinação na rede pública. "Sou soropositiva há 20 anos e assusta pegar uma doença como essa. Em 2009, quando teve a epidemia (pandemia global), fiquei apavorada. Passei cinco dias sem sair de casa", lembrou. 

+ Confira as últimas notícias da cidade

Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês, explica que os pacientes com doenças crônicas devem tomar cuidado, como lavar as mãos e evitar aglomerações. O uso de máscaras, no entanto, é recomendado apenas em algumas situações. "A máscara tem indicação para pessoas com suspeita de H1N1 quando estão no hospital e para pacientes imunocomprometidos."

Fonte: VEJA SÃO PAULO